Os comunistas e a raça

Por Trevor Loudon

Os comunistas perceberam há muito tempo que é difícil alcançar a desintegração social necessária para preparar um país para a revolução comunista simplesmente promovendo a divisão de classes.

A classe social é amorfa; pode mudar em uma geração. Em uma sociedade livre, uma pessoa ambiciosa pode deixar de ser um mendigo para se tornar um milionário em uma vida. A classe social é uma questão polêmica não confiável para os revolucionários, especialmente nas sociedades ocidentais de livre mercado.

Diferenças étnicas, religiosas e raciais são mais estáveis. As divisões são mais profundas; as diferenças mais óbvias; e suas histórias mais carregadas de amargura e ódio. Poucos se importam com o fato de seus avós terem sido pobres, mas muitos podem se importar com o fato de terem sido escravos ou destituídos de suas terras ancestrais por um grupo étnico ou racial rival. Tais ressentimentos podem durar por gerações.

É por isso que os marxistas-leninistas modernos têm consistentemente, até mesmo cientificamente, tirado vantagem das divisões étnicas e raciais para alcançar seus fins revolucionários.

A “questão nacional”

O pai do Estado soviético, Vladimir Lênin, declarou em “A revolução socialista e o direito das nações à autodeterminação”:

“O objetivo do socialismo não é apenas acabar com a divisão da humanidade em pequenos Estados e com o isolamento das nações sob todas as formas, não é apenas unir as nações, mas integrá-las. (…) Da mesma forma que a humanidade pode alcançar a abolição das classes somente através de um período de transição da ditadura da classe oprimida, pode alcançar a inevitável integração das nações somente através de um período de transição de completa emancipação de todas as nações oprimidas, isto é, sua liberdade de se separar”.

Em outras palavras, antes que os revolucionários possam integrar todas as nações em um super-Estado global socialista, as nações existentes devem ser quebradas e divididas em classes e linhas raciais.

O sucessor de Lênin, Joseph Stálin, desenvolveu ainda mais essas ideias em seu famoso ensaio: “O marxismo e a questão nacional”. Essencialmente, Stálin acreditava que os revolucionários deviam destruir nações-chave, encorajando minorias raciais ou étnicas a trabalhar em direção a um Estado separado, a separar-se ou dissociar-se do país existente. Nos tempos modernos, isso se estendeu a campanhas de bilinguismo, sistemas judiciais separados, reparações por escravidão, confisco de terras e assim por diante.

O primeiro órgão legislativo do comunismo internacional, o Comintern, disse: “Não pode haver bolcheviquezação sem uma política correta sobre a questão nacional”.

Revolucionários comunistas promoveram políticas de Questões Nacionais em todo o mundo. Na Irlanda, o Partido Comunista jogou com a divisão religiosa católica-protestante. Na Escócia, os comunistas formaram o Partido Nacional Escocês para ajudar a desintegrar o Reino Unido. Na Austrália, os agitadores comunistas trabalharam em conjunto com a população aborígine para dividir o país. Eles fizeram o mesmo em meu país de origem, a Nova Zelândia, com o movimento “direito à terra” dos maori. Na França e na Espanha, os comunistas apoiaram o movimento separatista basco. No Canadá, os comunistas agitaram por um estado francófono separado em Quebec. No início da década de 1930, os comunistas apoiaram rebeliões nacionalistas étnicas e raciais no terceiro mundo contra seus senhores coloniais britânicos, franceses, espanhóis, holandeses e portugueses — com o resultado de que socialistas ou comunistas assumiram o controle em quase todos os casos.

Aproveitando-se de reclamações genuínas

É importante notar que os comunistas são mais bem sucedidos quando podem tirar proveito de reivindicações genuínas. É muito difícil piorar o conflito racial em um país livre quando todos são tratados igualmente perante a lei. A liberdade e o Estado de Direito são a melhor vacina contra a revolução.

Nos Estados Unidos, o Partido Comunista começou a trabalhar com a população negra do sul no final da década de 1920. Alguns agentes comunistas foram enviados ao sul para armar as células revolucionárias nas comunidades negras.

A demanda inicial foi a terra. Seguindo o que Stálin escreveu letra por letra, os comunistas agitaram-se para criar uma nação separada, governada por negros, nos estados do sul.

O líder comunista negro do sul, Harry Haywood, escreveu em “Por uma posição revolucionária sobre a questão do negro” em 1958:

“A questão do negro só pode ser resolvida dando a terra ao agricultor negro, cujo trabalho já a pagou mil vezes. A questão do negro só pode ser resolvida com base no pleno desenvolvimento da nação negra no sul do país sob o socialismo”.

“O território do Sul Profundo pertence aos negros. Eles o ganharam, como nenhum outro povo ganhou sua terra natal”.

Depois da Segunda Guerra Mundial, os comunistas americanos perceberam que as ideias de Stálin poderiam funcionar na Ásia Central, mas não era algo realista para os Estados Unidos. Então, o plano foi mudado e eles passaram a estimular os direitos civis plenos para os negros no sul.

Os comunistas estabeleceram o Congresso Trabalhista do Negro Americano, a Liga da Luta pelos Direitos dos Negros, a Defesa Internacional do Trabalho, o Congresso Nacional Negro, o Congresso dos Direitos Civis, o Comitê da Vitória dos Trabalhadores Negros, o Congresso da Juventude Negra do Sul e outras organizações para trazer mais negros para o movimento.

O movimento dos direitos civis era justo e necessário. Mas estava cheio de comunistas de cima a baixo. O objetivo era primeiro libertar os negros de Jim Crow e depois usar seu crescente poder político para pressionar pela mudança socialista — cada vez mais através do Partido Democrata — e depois pressionar pelo socialismo.

Um relatório de 2003 do Partido Comunista dos Estados Unidos (CPUSA), “A Questão Nacional”, afirma:

“A questão nacional é uma grande parte do programa do CPUSA. Uma parte crucial da nossa luta até o socialismo é uma solução para a questão nacional”.

“Nas eleições nacionais, os afro-americanos votam principalmente contra a extrema direita, mais do que qualquer outro grupo, principalmente usando o veículo do Partido Democrata. Na corrida presidencial de 2000, os eleitores negros representavam 10% dos eleitores (…) Como votam quase unanimemente como um bloco na maioria das eleições, os afro-americanos têm um nível de influência maior do que dizem os números”.

O relatório então diz:

“Em nosso país, a questão nacional é um complexo conjunto de questões. Haverá diferentes correntes em diferentes lutas nacionais. Diferentes grupos nacionais terão suas próprias demandas e táticas específicas. Não é suficiente fazer apelos gerais em prol da unidade. O grande desafio é encontrar maneiras de construir a unidade, levando em conta as demandas corretas de todos os grupos oprimidos”.

Em 2013 e 2014, vários ativistas afiliados à organização de tendência maoísta Freedom Road Socialist Organization (FRSO) criaram o Black Lives Matter (BLM) depois que um vigilante de bairro voluntário matou o adolescente negro Trayvon Martin na Flórida em 2012.

O site The Feminist Wire informou que os fundadores disseram: “Black Lives Matter é uma intervenção política e ideológica em um mundo onde vidas negras são sistemática e intencionalmente alvo de morte. É uma afirmação sobre a contribuição dos negros para esta sociedade, para nossa humanidade e nossa resiliência diante da opressão mortal.”

Quando o adolescente negro Michael Brown foi morto por um policial que alegou legítima defesa em agosto de 2014 em Ferguson, Missouri, a cidade entrou em erupção durante várias semanas de tumultos, saques e incêndios — que também se espalharam para outras cidades.

Na primavera de 2015, o distrito de Nova York e Nova Jersey do FRSO sediou um fórum intitulado “Ferguson: o movimento até agora e as lições para futuras lutas”. O primeiro orador foi “nosso camarada” Montague Simmons, presidente da Organização para a Luta Negra (OBS) controlada pelo FRSO em St. Louis, Missouri.

Simmons revelou que a OBS e seus camaradas do BLM e FRSO ajudaram a recrutar cerca de 10 mil radicais de fora do estado para participar do protesto.

Apontando na direção das minorias

O CPUSA e outros grupos comunistas, particularmente o FRSO, aplicaram uma variante da estratégia da Questão Nacional a quase todas as minorias raciais do país.

Os comunistas pró-soviéticos e os maoístas trabalharam para promover a ideia de que grande parte do sudoeste dos Estados Unidos, que eles chamam de “Aztlan”, na verdade pertence ao México e deveria ser devolvido àquela nação. Grupos marxistas como o partido A Raça Unida e o Movimento Estudantil Chicano de Aztlan (MEChA) de tendência maoista promoveram esse conceito por décadas.

Em 9 de abril de 1975, o acadêmico marxista da Califórnia, Jorge Acevedo, dirigiu uma carta em espanhol a vários ativistas hispânicos conhecidos nos Estados Unidos, incluindo Lorenzo Torrez, líder no Arizona da Comissão para a Igualdade Chicana do CPUSA; o comunista e líder chicano de Los Angeles, Bert Corona; Dolores Huerta e Cesar Chavez, do sindicato Trabalhadores de Granja Unidos; o ativista pelo direito à terra no Novo México, Reies Lopez Tijerina; o líder chicano do Colorado “Corky” Gonzales; e José Ángel Gutiérrez do partido do Texas A Raça Unida.

A carta se referia ao consulado soviético em São Francisco, à participação chicana na Universidade Patrice Lumumba em Moscou, um centro de treinamento para líderes marxistas do terceiro mundo sobre a autodeterminação chicana e o “sistema socialista”. A carta explicava uma proposta recebida do cônsul da União Soviética em São Francisco.

Os soviéticos queriam que os destinatários encontrassem estudantes de ambos os sexos para se matricularem na Universidade Patrice Lumumba, em Moscou, para o ano acadêmico iniciado em setembro de 1975. Os soviéticos explicaram que seu sistema socialista procurava “apoiar o movimento de autodeterminação chicano”.

A proposta provavelmente não deu em nada, porque mesmo naquela época, a maioria dos comunistas já havia desistido de devolver o sudoeste ao México e procurava, em vez disso, assegurar o poder do voto latino por trás de seus aliados no Partido Democrata.

De acordo com a edição de 6 de março de 2004 do Mundo Semanal do Povo do CPUSA, “Líderes e ativistas do Partido Comunista se reuniram aqui para discutir planos a fim de obter o mais amplo voto latino e mexicano-americano para derrotar a extrema direita nas eleições de novembro e fortalecer o trabalho do CPUSA neste setor da população”.

Ele acrescentou que Torrez, presidente da Comissão de Igualdade Mexicano-Americana do partido, “revisou o trabalho da comissão no período recente” e propôs organizar “uma coalizão latina de centro-esquerda” para criar “sentimentos progressistas em latinos nos Estados Unidos”.

Ele também afirmou que Rosalío Muñoz, organizadora do CPUSA no sul da Califórnia, observou: “A corrida presidencial será decidida nos principais ‘estados disputados’. Alguns deles, como Arizona, Novo México e Colorado, são estados em que os mexicanos-americanos estão concentrados”.

O FRSO também vê na crescente população latina um grande potencial revolucionário. Seu site diz: “Por quinhentos anos, as pessoas latinas de ambos os lados da fronteira política lutaram por independência, paz, justiça, democracia e pela Mãe Terra”.

“A mudança revolucionária nos Estados Unidos e além exigirá uma forte esquerda latino-americana, organizada para a justiça racial, linguística, nacional e cultural dentro dos Estados Unidos. (…) Dentro de uma geração, os latinos representarão um terço da população americana; ganhar a próxima geração para o socialismo é um imperativo”.

Aprofundando as divisões

Durante a Segunda Guerra Mundial, o CPUSA expulsou seus membros de etnia japonesa e apoiou a política do presidente Franklin D. Roosevelt de internar os nipo-americanos em acampamentos vigiados durante a guerra.

Na década de 1970, os maoístas dos Estados Unidos deliberadamente reabriram essas feridas fazendo campanha por “reparações” e desculpas oficiais aos internados e suas famílias.

A Liga pela Luta Revolucionária (LRS) e outros maoístas trabalharam na Coalizão Nacional para a Retificação/Reparação, Nikkeis pelos Direitos Civis e a Retificação, Liga dos Cidadãos Nipo-Americanos (JACL) e Conselho Nacional para a Retificação Nipo-americana.

De acordo com o site Nikkeis pelos Direitos Civis e Retificação (NCCR): “Realizamos inúmeros fóruns para educar e ativar a comunidade para participar do Movimento de Reparação. Em 1987, organizamos uma delegação lobista de mais de 120 nikkeis para Washington D.C.”

“Desde a histórica assinatura do CLA em 1988, o NCRR tem lutado vigorosamente para garantir que a reparação se torne uma realidade para todos aqueles que foram privados de sua liberdade durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1989, quando as dotações para o CLA foram interrompidas, organizamos a comunidade para reivindicar as dotações. Em outubro de 1990, a reparação tornou-se uma realidade, quando os nipo-americanos começaram a receber indenização na forma de um pedido de desculpas presidencial e US$ 20 mil em indenização monetária”.

O objetivo mais amplo era radicalizar a juventude nipo-americana e aproximá-la do movimento socialista — e aprofundar as divisões na sociedade americana.

O LRS (que depois se fundiu com o FRSO) também trabalhou para radicalizar os chineses americanos. Na década de 1970, a organização predecessora do LRS, I Wor Kuen, estabeleceu a Associação China Progressista, com filiais em São Francisco, Boston e Nova York. Essas organizações usaram o orgulho étnico, o conflito racial e o nacionalismo chinês para atrair milhares de jovens sino-americanos sob a órbita revolucionária pró-Pequim. A comunidade chinesa pró-Taiwan em San Francisco, que já foi sólida, está agora solidificada do lado de Pequim.

Organizações comunitárias asiáticas na área da baía abrigaram um fórum em Chinatown para “criar a ligação entre o imperialismo dos Estados Unidos e o racismo contra os asiáticos no país” em 8 de julho de 2001, de acordo com um relatório no site site comunista Fight Back News.

Gordon Mar, ex-partidário do LRS e presidente da Associação Progressista Chinesa, foi citado pelo site dizendo: “As principais organizações asiático-americanas se opõem ao racismo, mas não fazem a conexão com os Estados Unidos e a política corporativa no exterior”.

De acordo com o Fight Back News: “Embora essas grandes organizações se oponham ao crescente racismo no público americano e na mídia em relação à China e aos sino-americanos, eles também tentam se distanciar da China encorajando os asiático-americanos a serem mais patrióticos e expressar sua lealdade aos Estados Unidos”.

“Estamos aqui porque os Estados Unidos estavam em nossa terra natal. A mensagem que nossa comunidade precisa ouvir é que, enquanto o imperialismo norte-americano governar na Ásia, aos asiáticos nos Estados Unidos será negada a verdadeira igualdade e eles continuarão a enfrentar a opressão racial e nacional. Em vez de nos distanciarmos da Ásia, precisamos encontrar maneiras de unir nossas lutas”.

Os comunistas também trabalharam em estreita colaboração com organizações aborígenes nos Estados Unidos.

Criado em 1971, o Movimento Indígena Americano (MIA) foi logo capturado por elementos extremos com conexões comunistas, incluindo os irmãos Means, os irmãos Bellecourt, Dennis Banks e outros. O grupo ganhou atenção internacional em 1973 ao ocupar o prédio do Indian Bureau em Wounded Knee, Dakota do Sul, que terminou com a morte de dois agentes do FBI e a retomada da penitenciária abandonada de Alcatraz na baía de São Francisco.

Em 1974, o líder do MIA, Clyde Bellecourt, reuniu-se em várias cidades com a líder da CPUSA, Angela Davis e sua Aliança Nacional Contra a Repressão Racista e Política.

Em 2016, vários milhares de nativos americanos e apoiadores se reuniram na Reserva Indígena Standing Rock, em Dakota do Norte, para se opor ao proposto oleoduto Dakota Access, que transportaria petróleo bruto do campo petrolífero de Bakken para as refinarias no sul. Os protestos duraram vários meses e em várias ocasiões houve violência e sabotagem.

Uma das principais ativistas do site, Judith LeBlanc, da Aliança de Organizadores Nativos, conduziu programas de treinamento para os ativistas ali reunidos. LeBlanc tem um cargo no Comitê Nacional do CPUSA. Ao fechar o oleoduto, os comunistas conseguiram enfraquecer a economia dos Estados Unidos, ao mesmo tempo em que aumentaram a divisão racial em uma situação diabólica onde ganharam duas vezes.

Dividir para conquistar é o nome do jogo. Em todo o mundo, os comunistas usam diferenças raciais, étnicas e religiosas para enfraquecer a nação alvo. Praticamente todos os grandes conflitos, protestos raciais, movimentos de direitos à terra ou movimentos de reparação, ou programas de ação afirmativa nos últimos 100 anos foram inspirados, instigados ou induzidos pelos comunistas de alguma forma. Muitas vezes a causa superficial é justa e algumas coisas boas são alcançadas. Mas o objetivo de longo prazo sempre foi o socialismo.

A harmonia racial é possível, mas somente em sociedades livres onde todos são tratados igualmente pelo governo.

Os comunistas não querem liberdade, igualdade ou harmonia. A política da “questão nacional” não procura libertar ninguém. Em última análise, ela foi planejada para dividir e depois escravizar todos nós.

Trevor Loudon é escritor, produtor de filmes e orador público da Nova Zelândia. Por mais de 30 anos, ele investigou a esquerda radical, o marxismo e os movimentos terroristas e sua influência encoberta na política

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Epoch Times

 
 
 

Rússia compete com China por vendas de armas ao Paquistão

Rússia compete com China por vendas de armas ao Paquistão
Durante anos, Pequim tem sido o maior fornecedor de armas para Islamabad, possuindo as compras de defesa como ...
Leia Mais >
 

Autoridades chinesas exigem instalação de câmeras de vigilância dentro de casas alugadas

Autoridades chinesas exigem instalação de câmeras de vigilância dentro de casas alugadas
Na China, o medo orwelliano de um Estado "Grande Irmão" está se tornando realidade, já que os cidadãos ...
Leia Mais >
 

Deputado acha que educação em tempo integral é adequada para o Brasil e pede debate

Deputado acha que educação em tempo integral é adequada para o Brasil e pede debate
Nesta terça-feira (23/4), a Comissão de Educação promove seminário para debater educação em tempo integral, na Câmara dos ...
Leia Mais >
 

Misterioso círculo gravado no gelo aparece em lago no planalto tibetano (Vídeo)

Misterioso círculo gravado no gelo aparece em lago no planalto tibetano (Vídeo)
Um círculo com um estranho desenho apareceu durante a noite no gelo do lago Qinghai, no planalto tibetano ...
Leia Mais >