Como a Estônia cantou para sair da União Soviética

Por Kremena Krumova

TALLINN, Estônia—Ele foi um dos milhares de jovens corajosos que se reuniram em 1987 em Raekoja Plats, a praça da capital da Estônia, Tallinn, para cantar canções patrióticas proibidas, desfraldar a bandeira nacional azul-preta-branca e marchar para o Tallinn Song Festival Grounds. Sten Weidebaum estava lá para protestar contra os quase 50 anos de ocupação comunista pelos soviéticos.

“Foi um movimento em direção a um sonho conjunto que ganhou força e ousadia dia a dia e que resultou em grandes encontros de pessoas”, disse Weidebaum, agora gerente de comunicação da Fundação de Celebração da Canção e Dança da Estônia, em seu escritório em Tallinn em maio de 2017.

A Revolução Cantada foi uma série de eventos de canto espontâneo e concertos realizados todas as noites nos três países bálticos da Estônia, Letônia e Lituânia, entre 1987 e 1991.

Na época, as tropas soviéticas estavam por toda parte. Ninguém poderia imaginar um conflito militar com a União Soviética ou que um país tão grande pudesse desmoronar, disse Weidebaum.

Cantar canções patrióticas e usar trajes nacionais eram as únicas maneiras que os estonianos conheciam de resistir a seus opressores e de se sentir o mais próximo possível da liberdade. O canto os unia como uma nação, os fortalecia psicologicamente e assegurava a seus políticos (havia três partidos prevalecentes na Estônia na época) que o povo os apoiava.

A coisa mais surpreendente para mim não foi que os estonianos sobreviveram a Stalin, mas que sobreviveram a 50 anos de educação soviética.
— James Tusty, Diretor de cinema americano

“Essa tradição [de cantar] … manteve nossa cultura e língua, porque os soviéticos fizeram tudo [que podiam] para fazer nossa língua desaparecer”, disse Weidebaum.

Sten Weidebaum, a participant in the Singing Revolution in the late '80s and now the communication manager of the Estonian Song and Dance Celebration Foundation. (Jaanus Ree)
Sten Weidebaum, com uma coroa de folhas de carvalho tradicionalmente dada aos organizadores das celebrações de música e dança. Weidebaum foi um participante da Revolução Cantada no final dos anos 80 e agora é gerente de comunicação da Estonian Song and Dance Celebration Foundation (Jaanus Ree)

Após a Segunda Guerra Mundial, na qual a Estônia perdeu um quarto de sua população, Stalin começou a colonizar russos étnicos na Estônia como um meio de subjugar ainda mais o país.

“A coisa mais incrível para mim não foi que os estonianos sobreviveram a Stalin, mas que sobreviveram a 50 anos de educação soviética e, de alguma forma, o desejo de independência nunca os abandonou. Eles nunca perderam a esperança de vista”, disse James Tusty, um diretor de cinema americano que narrou o fim do comunismo na Estônia em seu documentário de 2006, “A Revolução do Canto”.

Tusty, cujo pai estoniano imigrou para a América em 1924, junto com sua esposa Maureen, ficou surpreso com a história pouco conhecida da Revolução Cantada. Eles só souberam disso enquanto ensinavam cinema a graduados em universidades em Tallinn, de 1999 a 2001.

O casal fez o filme porque percebeu que a Revolução Cantada desempenhou um papel crítico no colapso da União Soviética. Além disso, é uma história inspiradora que mostra o poder do espírito humano.

Não-Violência Estratégica

Para Tusty, a Revolução Cantada triunfou porque os estonianos usaram conscientemente a não-violência de uma forma politicamente estratégica.

“A maior história por trás da Revolução Cantada é realmente o tempo”, disse ele.

“Eu entendo que em 1949, sob Josef Stalin, se 100.000 estonianos estivessem no campo e cantassem canções proibidas, 100.000 estonianos seriam enviados para campos de prisioneiros, para o gulag”, disse ele.

Mas quando Mikhail Gorbachev chegou ao poder em 1985 e promoveu a política da “perestroika”, com sua abertura e liberdade de expressão, os estonianos viram uma chance de resistir. Gorbachev era mais brando do que Stalin e eles se aproveitaram disso.

“Os estonianos esperaram pelo seu momento”, disse Tusty.

Como os estonianos sabiam que estavam caminhando sobre gelo fino, eles testaram a resistência. Seu primeiro protesto em 1986, tentado sem obter permissão, foi por razões ambientais e não por política. Quando os manifestantes viram que os soviéticos não fizeram nada em resposta, eles continuaram a infringir a lei por um centímetro todos os dias.

Nos primeiros dias, 10.000 a 20.000 pessoas caminharam mais de cinco quilômetros até o Tallinn Song Festival Grounds, onde o festival nacional de música e dança (Laulupidu) é realizado a cada cinco anos desde 1869.

O cineasta James Tusty (Cortesia de James Tusty)
O cineasta James Tusty (Cortesia de James Tusty)

Freqüentemente, as autoridades soviéticas interrompiam os shows espontâneos desligando a eletricidade e dizendo que haviam acabado.

Eventualmente, os estonianos realizavam concertos todas as noites, cantando canções de compositores como Alo Mattiisen e Tonis Magi, cuja canção “Koit” (“Dawn”) se tornou um símbolo de liberdade.

As pessoas continuaram os shows mesmo depois que os soviéticos os proibiram. Mais e mais pessoas vinham todas as noites para cantar essas canções, com milhares de pessoas cantando à vista da polícia soviética.

“Quando Gorbachev entendeu o que estava acontecendo, foi quatro anos depois, e eles [haviam] avançado uma milha”, explicou o diretor do filme.

O ponto culminante da Revolução Cantada foi em setembro de 1988, quando as celebrações do festival nacional de música em Tallinn tiveram um recorde de 100.000 pessoas, e os políticos clamaram abertamente pela independência durante o evento.

O festival Laulupidu filmado por James Tusty em 2004 (Cortesia de James Tusty)
O festival Laulupidu filmado por James Tusty em 2004 (Cortesia de James Tusty)

 

“Gorbachev não entendia as implicações de sua política: ele era um comunista firme e não tinha intenção de o comunismo entrar em colapso. Mas ele era ingênuo sobre o que acontece quando você dá às pessoas liberdade de expressão.”

“Naquele ponto, não havia como voltar atrás. Era apenas uma questão de tempo, antes que os estonianos fossem livres”, disse Tusty.

Cantores na 26ª Celebração da Canção em Tallinn em 6 de julho de 2014. Os shows acontecem a cada cinco anos. (Ilmars Znotins)
Cantores na 26ª Celebração da Canção em Tallinn em 6 de julho de 2014. Os shows acontecem a cada cinco anos. (Ilmars Znotins)

No final da noite de 20 de agosto de 1991, a Estônia foi declarada um estado independente, sem uma única vida perdida.

Estima-se que o comunismo tenha matado cerca de 100 milhões de pessoas, mas seus crimes não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times procura expor a história e as crenças deste movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde o seu surgimento. Leia toda a série aqui.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
 
 

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América
Hoje, as "plataformas de entretenimento" dos EUA estão tão "desesperadas pelo mercado chinês" que agora estão dispostas a ...
Leia Mais >
 

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.
Por NTD Notícias Evidências apontam que a catástrofe das enchentes na China vem das autoridades do Partido Comunista. ...
Leia Mais >
 

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição
O Epoch Times realizou um painel de discussão em 19 de julho entre os principais especialistas na Constituição ...
Leia Mais >
 

Enchentes mortíferas na China

Enchentes mortíferas na China
Por NTD Notícias O senador Marco Rubio na terça-feira disse em tuite que o fechamento do instituto Confúcio ...
Leia Mais >