Com a bênção da China, Irã cresce em poder

Por John Mac Ghlionn 

Comentário

Ano ano passado, em uma tentativa de fortalecer os laços econômicos, políticos e militares, Pequim e Teerã lançaram um acordo de cooperação de 25 anos. Ambos os países, vítimas das sanções dos EUA, tornaram-se incrivelmente próximos.

Em uma recente viagem a Pequim, o principal diplomata de Teerã, o ministro das Relações Exteriores Hossein Amir-Abdollahian, anunciou que a implementação do acordo altamente ambicioso havia começado oficialmente. À medida que o mundo se torna cada vez mais atomizado e caótico, com o autoritarismo em ascensão e grandes potências globais invadindo nações soberanas, essa aliança estratégica deve preocupar todos os leitores, especialmente aqueles os americanos.

Em novembro de 2018, sob o então presidente Donald Trump, os Estados Unidos restabeleceram oficialmente todas as sanções contra o Irã. Seis meses depois, o governo Trump ameaçou sancionar qualquer país que comprasse petróleo de Teerã. A maioria dos países ouviu. Um país, no entanto, optou por não cumprir. Esse país é a China.

De acordo com um relatório recente da Reuters, as “compras de petróleo iraniano de Pequim aumentaram para níveis recordes nos últimos meses”. De fato, as compras agora excedem “um pico de 2017, quando o comércio não estava sujeito a sanções dos EUA”. Para o mês de janeiro, as importações chinesas atingiram em média mais de 700.000 barris por dia.

Por alguma razão, como observou o artigo da Reuters, o presidente Joe Biden “até agora optou por não aplicar as sanções contra indivíduos e empresas chinesas”. Milhões de americanos acreditam que Biden é fraco em relação à China. Se o relatório da Reuters serve como referência, suas crenças parecem ser extremamente válidas.

Embora o Irã tenha sido atingido por vários embargos e sanções econômicas, encontrou maneiras de aliviar a dor financeira. Seu “remédio”? O Bitcoin, a criptomoeda preferida por déspotas (e jovens em porões) por todo o mundo.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Elliptic, a mineração de bitcoin permite e continua permitindo que os iranianos “contornem embargos comerciais e ganhem centenas de milhões de dólares em ativos de cripto”. Esses cripto ativos são então usados ​​“para comprar importações e contornar sanções”. 

No ano passado, o Centro Presidencial Iraniano para Estudos Estratégicos, um think tank intimamente associado ao governo iraniano, publicou um relatório bastante revelador descrevendo as maneiras pelas quais o bitcoin e outras criptomoedas podem gerar receita extra para o país. Aumentar os esforços de mineração, de acordo com os autores, poderia gerar cerca de US $2 milhões por dia em receita direta. Sim, são mais de US $700 milhões por ano.

Como discuti anteriormente, outro país problemático que se beneficiou do bitcoin é a Coreia do Norte. Somente no ano passado, hackers no Reino Eremita roubaram cerca de US $400 milhões em criptomoedas.

Enquanto escrevo isso, os russos, assistindo horrorizados enquanto o rublo desaba em valor, também parecem estar se beneficiando do bitcoin. Junte o uso do bitcoin pelo regime iraniano com sua disposição de abraçar o yuan digital, a nova moeda digital da China, e você terá uma receita para o perigo genuíno.

Um yuan digital claramente permite que alguns países – como Rússia, Coreia do Norte e, claro, Irã – evitem as sanções dos EUA. Ao mesmo tempo, o yuan digital ajuda o regime chinês em sua busca para destronar o dólar americano.

Um sinal para a nova moeda digital da China, o yuan chinês eletrônico (e-CNY) é exibido em um shopping center em Xangai, na China, no dia 8 de março de 2021 (STR/AFP via Getty Images)
Um sinal para a nova moeda digital da China, o yuan chinês eletrônico (e-CNY) é exibido em um shopping center em Xangai, na China, no dia 8 de março de 2021 (STR/AFP via Getty Images)

Novamente, há muitos motivos para preocupação. Em 2020, Neha Narula, pesquisadora de moeda digital do Massachusetts Institute of Technology (MIT.), descreveu uma simulação realizada pelo Belfer Center da Harvard Kennedy School, simulação da qual Narula fazia parte.

Como a CNBC relatou na época, “uma das situações envolveu a Coreia do Norte desenvolvendo um míssil que tinha a capacidade de atingir os EUA”. Na simulação, o desenvolvimento do míssil “foi financiado pelo yuan digital que permitiu à Coreia do Norte contornar o sistema bancário global e as sanções dos EUA”.

Nas palavras de Narula, os resultados da simulação deixaram “muito claro que isso (o desenvolvimento do yuan digital) é uma preocupação de segurança nacional”.

Narula está certa. A República Islâmica do Irã, segundo o Instituto da Paz dos Estados Unidos, já possui o maior e “mais diversificado arsenal de mísseis balísticos do Oriente Médio”. Além disso, é “o único país a desenvolver um míssil de 2.000 km sem antes ter capacidade de armas nucleares”.

Um relatório trimestral publicado pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) em novembro passado colocou o “tempo de ruptura” nuclear do Irã em algo entre três a seis semanas. “Tempo de ruptura” refere-se ao tempo necessário para o regime iraniano produzir urânio de grau de armamento (WGU) para uma arma nuclear. Criar a arma, no entanto, leva mais tempo; cerca de dois anos, para ser exato.

Em novembro do ano passado, na mesma época em que o relatório da AIEA foi publicado, o ministro das Finanças de Israel disse que a probabilidade do Irã possuir armas nucleares até 2026 era bem alta. Quer as armas nucleares cheguem em 2024, 2026 ou 2028, elas estão chegando. Poucas coisas na vida são garantidas. Mas um regime iraniano que possui armas nucleares é uma certeza para o futuro.

Como a China comunista, seu aliado próximo e principal facilitador, o Irã é um país incrivelmente perigoso. Com o apoio do regime chinês, tanto financeiramente quanto politicamente, o Irã provavelmente se tornará ainda mais perigoso.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva
David Stillwell, é um general de brigada americano reformado. De 2011 a 2013 ele foi diplomata na embaixada ...
Leia Mais >
 

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA
O presidente Jair Bolsonaro discursou a uma multidão em Santa Catarina no sábado. Ele falou em “luta do ...
Leia Mais >
 

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL
Um impasse para o Brasil? Ocorreu a cúpula do BRICS. China e Rússia falam em uma expansão do ...
Leia Mais >