CNN processa FBI para obter memorandos de investigação de Mueller

Por Richard Szabo

A CNN está recorrendo a uma ação legal para obter documentos usados na investigação do advogado especial, Robert Mueller, sobre a suposta interferência da Rússia na eleição presidencial de 2016.

O canal de notícias a cabo processou o FBI depois que o departamento supostamente não satisfez o pedido da Freedom of Information Act (FOIA) da emissora feito em março por “memorandos do FBI de qualquer e todos” das entrevistas com testemunhas.

O pedido da FOIA pela CNN poderia ser potencialmente preocupante com os “relatórios da seção 302” do FBI, nos quais os agentes registraram as respostas dadas por cerca de 500 testemunhas a Mueller e sua equipe durante os dois anos que custaram aos contribuintes cerca de US$ 40 milhões, segundo a Casa Branca.

Os documentos solicitados pela CNN também incluiriam alguns documentos que o presidente Donald Trump autorizou o procurador-geral William Barr a desclassificar em 23 de maio – dependendo da cooperação da comunidade de inteligência – relacionados a quaisquer atividades de vigilância em torno das campanhas nas eleições presidenciais de 2016.

Incluídos em entrevistas a testemunhas que estão sendo solicitadas pela CNN, estão os detalhes de pessoas como Michael Flynn, ex-assessor de Segurança Nacional, o ex-advogado pessoal de Trump, Michael Cohen, e o ex-vice-presidente da campanha Trump, Richard Gates.

Cohen já está cumprindo pena por mentir ao Congresso, entre outros crimes, incluindo violações de financiamento de campanha.

O juiz Royce Lamberth, presidirá um tribunal distrital em Washington para julgar a disputa.

Apenas alguns memorandos de Mueller – aqueles ligados às conversas de Flynn em dezembro de 2016 com o embaixador russo Sergei Kislyak – já foram divulgados.

O Washington Post pediu separadamente a um tribunal para remover as anotações no memorando sobre a entrevista de Flynn, em janeiro de 2017, sobre suas conversas com Kislyak, para o qual Flynn se declarou culpado de mentir depois que alguém vazou a chamada altamente confidencial para a mídia – uma violação criminosa muito mais séria.

O BuzzFeed News também está tentando obter os “302 memorandos”, enquanto o Centro de Informações de Privacidade Eletrônica está buscando separadamente um conjunto maior de documentos sobre a investigação da Rússia.

Trump disse, em 23 de maio, que agora era a hora de proceder com a desclassificação dos documentos de vigilância porque a investigação do conselho especial acabou.

“A ação de hoje ajudará a garantir que todos os americanos saibam a verdade sobre os eventos que ocorreram e as ações que foram tomadas durante a última eleição presidencial e irão restaurar a confiança em nossas instituições públicas”, afirmou Trump ao Twitter.

O anúncio de Trump foi feito após o Comitê Judiciário da Câmara ter intimado o procurador-geral William Barr para uma versão não redigida do relatório Mueller, a qual Barr declinou depois que a Casa Branca afirmou privilégio executivo sobre o relatório, em 8 de maio. Algumas das redações no relatório legalmente não podem ser levantadas, pois pertencem à informação do grande júri, que é selada sob a lei federal.

Os democratas do comitê votaram então para recomendar que a Câmara de Representantes mantenha Barr desprezado por desafiar a intimação. A casa cheia vai votar se deve desprezar Barr em 11 de junho.

CNN e Trump

O presidente não tem sido tímido sobre sua opinião sobre as reportagens da CNN, mais recentemente lamentando sua influência relativa no exterior.

Trump escreveu no Twitter em 3 de junho, de Londres, “A CNN é a principal fonte de notícias disponíveis nos Estados Unidos. Depois de assisti-la por um curto período, eu a desliguei”.

“Todas as notícias negativas e notícias falsas, muito ruins para a grande queda de audiência dos EUA”, ele escreveu, acrescentando em um tweet posterior, “É tão injusto tantas notícias ruins e falsas”.

Trump sugeriu que os telespectadores desencantados da CNN poderiam parar de usar a AT & T para forçar o dono da empresa de TV a promulgar mudanças na aberta campanha anti-Trump, cuja audiência vêm caindo constantemente.

“Acredito que se as pessoas pararem de usar ou de subscrever na AT & T, eles serão forçados a fazer grandes mudanças na CNN, que está morrendo nos índices de qualquer maneira”, escreveu Trump. “Por que eles não agiriam? Quando o mundo assiste a CNN, obtém uma imagem falsa dos Estados Unidos. Triste!”

 

 
 
 

Bolsonaro, COVID-19 e a invasão chinesa no Brasil

Bolsonaro, COVID-19 e a invasão chinesa no Brasil
O agravamento da epidemia de coronavírus no Brasil evidencia a relação próxima e predatória do Partido Comunista Chinês ...
Leia Mais >
 

Gás lacrimogêneo é lançado em manifestantes de Hong Kong que retornaram às ruas contra a lei de ‘Segurança Nacional’ da China

Gás lacrimogêneo é lançado em manifestantes de Hong Kong que retornaram às ruas contra a lei de ‘Segurança Nacional’ da China
Por Frank Fang O ar em Hong Kong se encheu novamente de gás lacrimogêneo em 24 de maio, ...
Leia Mais >
 

Relatório da Casa Branca denuncia ‘comportamento maligno’ de Pequim em meio a tensões elevadas

Relatório da Casa Branca denuncia ‘comportamento maligno’ de Pequim em meio a tensões elevadas
A Casa Branca criticou as práticas econômicas predatórias do Partido Comunista Chinês (PCC), movimentos militares agressivos e violações ...
Leia Mais >
 

Médica levanta preocupação com ensaios humanos canadenses da vacina contra vírus desenvolvida em parceria com militares chineses

Médica levanta preocupação com ensaios humanos canadenses da vacina contra vírus desenvolvida em parceria com militares chineses
Um médico está expressando preocupação com os canadenses que recebem uma vacina experimental COVID-19 desenvolvida com a ajuda ...
Leia Mais >