Cinco lições que podemos aprender com Shen Yun

Cinco lições que podemos aprender com Shen Yun

Desfrute de uma performance majestosa da cultura tradicional chinesa com o Shen Yun. (Cortesia de Shen Yun Performing Arts)

2019/11/18

Por  Madalina Hubert, Epoch Times

Nos últimos 12 anos desde que o Shen Yun Performing Arts foi fundado, eu vi inúmeras apresentações e ouvi centenas de entrevistas com a plateia. Palavras como “perfeição”, “divino” e “bonito” eram a norma. Muitas pessoas estavam radiantes de felicidade, outras ficavam profundamente comovidas, com lágrimas nos olhos. A maioria das pessoas entrevistadas apreciava profundamente a oportunidade de ver Shen Yun, o que me fez refletir: “O que há no Shen Yun que ressoa tão profundamente no coração das pessoas?”

Fundado em 2006 por um grupo de artistas chineses de elite em Nova Iorque, Shen Yun se tornou a principal companhia de dança e música clássica chinesa do mundo. Segundo o site da empresa, sua missão é “reviver o mundo perdido da cultura tradicional chinesa e compartilhá-lo com todos”. De fato, o Shen Yun já visitou alguns dos locais de maior prestígio e alcançou milhões de pessoas.

No entanto, mais do que a beleza e a cultura, essa companhia de artes cênicas nos lembra nossas aspirações mais íntimas de bondade, autenticidade e o divino. A experiência do Shen Yun não para no teatro; oferece lições que podemos aplicar em nossas próprias vidas todos os dias – profunda sabedoria que muitas vezes se perde em nosso mundo mercantilizado.

Aqui estão cinco lições importantes que podemos aprender com Shen Yun:

Estabelecer um padrão alto

Shen Yun apresenta performances de beleza consumada. O nome “Shen Yun” é traduzido como “a beleza da dança dos seres divinos”. Todos os detalhes de uma performance são intrinsecamente organizados para corresponder às aspirações elevadas de seu nome, desde os figurinos até os cenários. O Shen Yun apresenta a dança clássica chinesa, que remonta a milhares de anos e se tornou um dos sistemas de dança mais abrangentes do mundo. Ao assistir uma apresentação, as pessoas ficam surpresas quando os artistas demonstram incrível facilidade e graça na execução de movimentos técnicos que exigem força e precisão.

A Orquestra Sinfônica Shen Yun em performance no palco do Chiayi Performing Arts Center em Chiayi, Taiwan,

em 27 de setembro de 2019 (Zheng Shun-li / The Epoch Times)

Outro destaque do Shen Yun é a sua orquestra única, que mesclou magistralmente as melodias orientais tradicionais com a orquestração ocidental. A orquestra é tão talentosa que o público exigiu sua própria turnê.

Vendo Shen Yun, percebemos que a excelência técnica, a arte superior e a beleza consumada são possíveis no palco. É o tipo de inspiração divina pela qual os artistas ao longo dos tempos costumavam se esforçar. No entanto, também define um alto padrão para nossas próprias vidas – nos remeteendo à reflexão sobre como podemos trazer maior beleza, qualidade e integridade ao nosso próprio trabalho.


Shen Yun apresenta uma orquestra única que combina harmoniosamente instrumentos tradicionais

chineses e instrumentos ocidentais (Cortesia de Shen Yun Performing Arts)

Ao longo da história da humanidade, as maiores civilizações deram ênfase ao cultivo do caráter. Acreditava-se que apenas uma pessoa com integridade poderia realizar grandes feitos, e os artistas do Shen Yun demonstram isso. Os artistas não apenas trabalham rigorosamente em suas técnicas, como também se esforçam para o auto-aperfeiçoamento como seres humanos.

No palco, Shen Yun traz à vida seres divinos, heróis antigos e mestres sábios. Para transmitir plenamente as qualidades desses personagens, os artistas precisam cultivar esses valores em suas próprias vidas, e isso pode explicar por que as danças são tão emocionantes. Segundo o site de Shen Yun, a “autodisciplina dos artistas é notável e eles acreditam que cultivar o coração é o caminho para criar arte que é maravilhosamente sublime”.

Infelizmente, a ênfase no caráter foi gradualmente diluída em nossa sociedade hoje, e cada vez mais valorizamos a inovação superficial. Mas, na realidade, se realmente olharmos para algumas das pessoas mais talentosas da história, elas são pessoas que desenvolveram caráter superior e realmente se preocuparam em servir aos outros.

Shen Yun é um ótimo lembrete de que a verdadeira beleza só pode ser alcançada por pessoas de bom caráter – uma lição digna.

Obsevar a cultura tradicional do passado

A cultura ocidental tradicional ainda é uma parte relativamente familiar de nossa sociedade, mas a civilização de 5.000 anos da China continua sendo um mistério para muitos de nós. No entanto, sua história é uma rica tapeçaria da cultura tradicional. Na China antiga, pessoas de diferentes profissões costumavam sentar-se em meditação e cultivar seu caráter. Muitas das figuras renomadas da história chinesa eram cultivadores – crentes espirituais que trabalhavam para elevar sua moralidade para alcançar reinos mais elevados de sabedoria.

Os chineses antigos acreditavam que sua cultura era transmitida pelo divino, isto é, que muitas de suas tradições e crenças foram transmitidas pelos deuses. O objetivo era que os humanos vivessem uma vida digna e que um dia retornassem aos seus lares celestiais.

Shen Yun performers return for a curtain call
O Shen Yun Performing Arts em performance no Living Arts Center em Mississauga, Canadá, em 10 de janeiro de 2019 (Evan Ning / The Epoch Times)

Através da dança, música, figurinos e cenários, Shen Yun traz à vida essa crença no divino. Ao mesmo tempo, sua arte nos lembra nossa herança compartilhada – valores como verdade, bondade, tolerância, coragem e respeito pelos outros. Enquanto o Shen Yun apresenta a cultura chinesa, essa é fundamentalmente a cultura humana.

O poder da cooperação demonstrado no desempenho do Shen Yun

Quando se trata de cooperação, os artistas do Shen Yun dominam isso tanto quanto sua técnica, muitas vezes deixando os membros da plateia comentarem sobre sua coordenação impecável. De acordo com entrevistas em vídeo no site da empresa, os artistas conseguem alcançá-lo porque realmente acreditam na missão da empresa de reviver a cultura tradicional. Como tal, eles constantemente aspiram a ajudar um ao outro a ter sucesso.

Essa cooperação também é vista na música. Shen Yun misturou as tradições do Oriente e do Ocidente ao integrar instrumentos tradicionais chineses, como a pipa e o erhu, em uma orquestra sinfônica ocidental. Os dois sistemas musicais têm qualidades distintas, mas são combinados com perfeição pelo Shen Yun, criando um som rico e harmonioso que toca o coração.

Solistas de Erhu da Orquestra Sinfônica Shen Yun, no Carnegie Hall em Nova Iorque, em 12 de outubro de 2014 (Dai Bing / Epoch Times)

Para conseguir isso, os compositores e músicos precisam entender completamente as características de cada sistema e entender como eles podem ser perfeitamente integrados. Assim, Shen Yun apresenta uma lição sobre tolerância, mente aberta e comunicação que, se aplicássemos em nossas vidas, certamente poderia levar a tremendos resultados ao longo do tempo.

A Crença dos Dançarinos de Shen Yun no Divino

A cultura tradicional chinesa está ancorada na crença no divino. Ao longo da história, os chineses têm sido pessoas profundamente espirituais – seus valores enraizados nas tradições do budismo, taoísmo e confucionismo. Essa rica herança foi praticamente destruída pelo Partido Comunista Chinês. Desde que assumiu o poder em 1949, ele descartou a crença no divino como sendo algo supersticioso, além de distorcer os valores morais. Os justos foram perseguidos, os malfeitores exaltados. As crianças foram incentivadas a trair pais, maridos e esposas a trair uns aos outros e aos alunos a atacar professores e toda a cultura tradicional.

O valor do divino, que costumava ser central na sociedade durante a maior parte da história da humanidade, também foi atacado na sociedade ocidental por uma perspectiva cada vez mais materialista.

Hoje, se não fosse o Shen Yun, essa rica herança seria perdida para o mundo. O Shen Yun traz ao palco a glória e a beleza das tradições e mostra a importância do divino em oferecer esperança às pessoas – nesta vida e além dela. É provavelmente por isso que muitas pessoas ficam tão profundamente comovidas e algumas até choram. É uma questão para refletir em nossas próprias vidas, quando refletimos sobre nosso próprio relacionamento com o divino, bem como sobre nosso papel neste mundo.

Essas são algumas das lições que uma apresentação do Shen Yun nos oferece e, como a empresa apresenta um novo programa a cada ano, podemos continuar a explorar a cultura e absorver suas lições, de uma maneira mais profunda, ano após ano.

O Shen Yun lançou sua temporada de 2019 em 12 de dezembro de 2018, em Berkeley, Califórnia.

O Epoch Times considera o Shen Yun Performing Arts o evento cultural significativo do nosso tempo e tem coberto as reações do público desde o início da empresa em 2006.