Cientistas chave afirmam, em particular, a Fauci que é ‘muito improvável’ que origem da COVID seja natural

Por Jeff Carlson & Hans Mahcke 

Análise de notícias

As principais autoridades de saúde dos EUA, incluindo o Dr. Anthony Fauci, se apressaram para responder a relatórios públicos sobre uma possível conexão entre a COVID-19 e o Instituto de Virologia de Wuhan na China.

Essa resposta, que incluiu uma teleconferência secreta no dia 1º de fevereiro de 2020, foi vagamente detalhada em e-mails publicados anteriormente, os quais foram fortemente censurados. Esses e-mails sugerem vigorosamente que Fauci e um pequeno grupo de cientistas importantes buscavam promover a teoria da origem natural, apesar de terem evidências e opiniões de especialistas internos apontando para a possibilidade de um vazamento do laboratório de Wuhan.

As versões sem censura de alguns dos e-mails dos legisladores divulgados no dia 11 de janeiro confirmam isso.

Os novos e-mails não censurados, divulgados pelos republicanos no Comitê de Supervisão da Câmara, confirmam e ilustram um padrão de mentiras e encobrimento. De acordo com os e-mails, o esforço foi aparentemente liderado pelo próprio Fauci, mas também envolveu seu chefe, o recém-aposentado diretor do National Institutes of Health (NIH), Dr. Francis Collins, assim como Jeremy Farrar, decretos do British Wellcome Trust.

Foi revelado anteriormente que pelo menos dois cientistas, que receberam financiamento do NIH, declararam a Fauci durante a teleconferência, que possuíam entre 60 e 80% de certeza de que a COVID havia saído de um laboratório.

As novas revelações mais significativas nos e-mails que não foram censurados vieram de dois desses cientistas, Robert Garry e Mike Farzan, que notaram as dificuldades impostas pela presença de um sítio de clivagem de furina no vírus da COVID-19 – uma característica que posteriormente foi descrita como a característica definidora do vírus.

‘Preocupado com o sítio de furina’

Farzan, um imunologista que descobriu o receptor para o vírus original da síndrome respiratória aguda grave (SARS) em 2005, enviou suas notas pós-teleconferência para Farrar, que as compartilhou com Collins, Fauci e Lawrence Tabak – altos funcionários do NIH. Nessas notas, Farzan escreveu que estava “preocupado com o sítio de furina” e teve dificuldade em explicá-lo “como um evento fora do laboratório”. Farzan observou que era teoricamente possível que o sítio de clivagem da furina do vírus pudesse ter surgido na natureza, mas que era “altamente improvável”.

O sítio de clivagem da furina é a característica definidora que dá à COVID-19 a capacidade de infectar facilmente humanos e que há muito tempo intriga os cientistas, pois esse sítio nunca foi observado em coronavírus relacionados com o SARS de origem natural.

Farzan, como o cientista Kristian Andersen, que recebeu financiamento do NIAID de Fauci, trabalha no laboratório Scripps. Como se sabia por e-mails publicados anteriormente, Andersen havia dito a Fauci em particular, no dia 31 de janeiro de 2020, que o vírus parecia projetado. Andersen viria a liderar os esforços de Fauci para promover uma narrativa natural.

O diretor do NIH, Dr. Francis Collins, durante uma audiência do Subcomitê de Apropriações do Senado sobre Trabalho, Saúde e Serviços Humanos para discutir estimativas de orçamento para os Institutos Nacionais de Saúde (NIH) e o estado da pesquisa médica no Capitólio, em Washington, no dia 26 de maio de 2021 (Sarah Silbiger-Pool / Getty Images)
O diretor do NIH, Dr. Francis Collins, durante uma audiência do Subcomitê de Apropriações do Senado sobre Trabalho, Saúde e Serviços Humanos para discutir estimativas de orçamento para os Institutos Nacionais de Saúde (NIH) e o estado da pesquisa médica no Capitólio, em Washington, no dia 26 de maio de 2021 (Sarah Silbiger-Pool / Getty Images)

Farzan afirmou aos principais membros do grupo de teleconferência de Fauci que “uma possível explicação poderia ser algo tão simples quanto transmitir SARS CoVs vivos em cultura de tecidos em linhas de células humanas”, o que poderia levar à criação acidental de “um vírus que seria preparado para uma transmissão rápida de humano para humano”. Este vírus mutante provavelmente teria uma “adaptação específica ao receptor ACE2 humano através de passagens repetidas”.

Um estudo recente na revista científica Nature observou que o vírus da COVID-19 foi adaptado exclusivamente para infectar humanos, pois “exibiu a maior ligação ao humano (h) ACE2 em comparação com todas as espécies testadas”.

Em termos leigos, Farzan concluiu que a pandemia provavelmente se originou em um laboratório no qual os coronavírus vivos passaram repetidamente por tecidos semelhantes aos humanos, acelerando mutações do vírus, e o resultado final foi que um dos vírus mutantes poderia ter vazado do laboratório. Farzan colocou a probabilidade de um vazamento no laboratório de Wuhan em 60 a 70%.

Os e-mails indicam que Farzan estava ciente de que o laboratório de Wuhan realizou experimentos perigosos em laboratórios de nível 2, os quais possuem um padrão de biossegurança muito baixo. Esse fato foi posteriormente admitido pela diretora do laboratório de Wuhan, Shi Zhengli, em julho de 2020. Em particular, desde o início da pandemia, Farzan recebeu subsídios no total de quase US $20 milhões do NIH de Collins e do NIAID de Fauci.

‘Não consigo entender como isso aconteceria na natureza’

Mais revelações em e-mails recentes, que não foram censurados, vieram de Garry, outro cientista de Fauci financiado pelo NIAID, que afirmou aos membros do grupo sênior na teleconferência em termos inequívocos que “Realmente não consigo pensar em um cenário natural plausível em que vá do vírus do morcego” à COVID-19.

Garry citou as sequências notáveis ​​que teriam que ocorrer naturalmente e afirmou ao grupo que “simplesmente não consigo entender como isso aconteceria na natureza. Faça o alinhamento dos picos no nível de aminoácidos – é impressionante”. Ele observou que um vírus criado em laboratório explicaria facilmente os dados que ele estava analisando e relatou ao grupo de Fauci que “é claro que, no laboratório, seria fácil gerar a inserção perfeita de 12 bases que você deseja”.

Laboratório P4 no campus do Instituto de Virologia em Wuhan, na China, no dia 13 de maio de 2020 (HECTOR RETAMAL / AFP via Getty Images)
Laboratório P4 no campus do Instituto de Virologia em Wuhan, na China, no dia 13 de maio de 2020 (HECTOR RETAMAL / AFP via Getty Images)

Em consonância com o que Farzan havia dito, Garry declarou ao grupo de Fauci que era extremamente improvável que o sítio de clivagem de furina poderia ter evoluído naturalmente, enquanto criá-lo em laboratório seria fácil.

A principal diferença entre o ponto de vista de Farzan e o de Garry é se o laboratório criou o sítio de clivagem da furina por meio de passagem em série por tecido semelhante ao humano ou por inserção direta do sítio. De qualquer forma, ambos os cientistas pensaram que o vírus provavelmente saiu do laboratório de Wuhan, em vez de se originar na natureza.

Opiniões privadas dos cientistas contradiziam as declarações públicas

A opinião privada de Garry é ainda mais notável porque apenas um dia antes, no dia 1º de fevereiro de 2020, Garry havia ajudado a concluir o primeiro rascunho do documento Proximal Origin promovendo a ideia de que o vírus se originou na natureza. Esse documento tornou-se a evidência de referência para a mídia e instituições de saúde pública sobre a origem natural do vírus da COVID.

A publicação online do dia 16 de fevereiro de 2020 excluiu fortemente a possibilidade de um vazamento de laboratório.

Um dos co-autores de Garry para o artigo Proximal Origin, Andrew Rambaut, também é citado nos e-mails. Consistente com os outros dois cientistas, Rambaut afirmou ao grupo de teleconferência de Fauci que também estava preocupado com o sítio incomum de clivagem de furina. Mas, ao contrário de Garry ou Farzan, ele especulou que o vírus poderia ter surgido em outro animal, o chamado hospedeiro intermediário.

Peter Daszak, à direita, presidente da EcoHealth Alliance, em Wuhan, na China, no dia 3 de fevereiro de 2021 (Hector Retamal / AFP via Getty Images)
Peter Daszak, à direita, presidente da EcoHealth Alliance, em Wuhan, na China, no dia 3 de fevereiro de 2021 (Hector Retamal / AFP via Getty Images)

Após dois anos, nenhum hospedeiro foi identificado. No caso do vírus SARS original, bem como do vírus da síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS), o hospedeiro intermediário foi encontrado em poucos meses. Rambaut também reconheceu imediatamente o fato peculiar de que a inserção do sítio de clivagem de furina “resultou em um vírus extremamente amigável ao homem; também podemos deduzir que não é ideal para transmissão em espécies de morcegos”.

Rambaut lamentou a falta de dados compartilhados pelos cientistas de Wuhan e concluiu que apenas o Instituto de Virologia de Wuhan sabia o que havia acontecido.

Grupo de Fauci engana a Academia Nacional de Ciências

Um dia após esses três cientistas compartilharem suas opiniões com os principais membros do grupo, no dia 3 de fevereiro de 2020, Fauci participou de uma reunião nas Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina (NASEM). Essa reunião foi convocada com urgência a pedido do diretor de ciência e tecnologia da Casa Branca, Kelvin Droegmeier, que escreveu que estava buscando respostas sobre as origens da COVID-19.

O Dr. Anthony Fauci, Conselheiro Médico Chefe da Casa Branca e Diretor do NIAID, exibe uma captura de tela do site da campanha do senador Rand Paul (Republicano do Kentucky) enquanto responde a perguntas em uma audiência do Comitê do Senado sobre Saúde, Educação, Trabalho e Pensões, no Capitólio, no dia 11 de janeiro de 2022 (Greg Nash-Pool / Getty Images)
O Dr. Anthony Fauci, Conselheiro Médico Chefe da Casa Branca e Diretor do NIAID, exibe uma captura de tela do site da campanha do senador Rand Paul (Republicano do Kentucky) enquanto responde a perguntas em uma audiência do Comitê do Senado sobre Saúde, Educação, Trabalho e Pensões, no Capitólio, no dia 11 de janeiro de 2022 (Greg Nash-Pool / Getty Images)

A reunião, que incluiu uma apresentação de Fauci, também contou com a presença de Peter Daszak, o intermediário pelo qual Fauci financiou o Instituto de Virologia de Wuhan, e Kristian Andersen. Fauci e seu grupo promoveram a teoria da origem natural na Academia, apesar de serem informados na teleconferência e em e-mails subsequentes que um vazamento de laboratório fornece a explicação mais provável para a origem do vírus.

Enquanto pressionavam sua narrativa sobre a origem natural para o NASEM e, por extensão, para a Casa Branca, Fauci e seu grupo não mencionaram suas discussões privadas – que ocorreram durante o mesmo período – de que o vírus provavelmente se espalhou em um laboratório em Wuhan.

O NIH se esconde atrás de partes censuradas 

Novos e-mails preenchem algumas das lacunas deixadas por partes não divulgadas anteriormente, mas cobrem apenas uma pequena parte dos muitos e-mails que permanecem ocultos. Um recente exame minucioso de e-mails que não foram apagados revela que nenhuma das justificativas usuais para o apagão se aplica, como informações privadas sobre pessoas ou ameaças a fontes e métodos. Em vez disso, parece que todas as partes riscadas foram feitas apenas com base em proteger o NIH do escrutínio sobre o encobrimento das origens do vírus.

Esses esforços de ofuscação estão relacionados ao fato de que só soubemos desses novos e-mails após uma batalha de meses entre o Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS), a organização-mãe do NIH, o NIAID de Fauci e os republicanos da Câmara.

Edifício do Capitólio, em Washington, em uma foto de arquivo (Samira Bouaou / Epoch Times)
Edifício do Capitólio, em Washington, em uma foto de arquivo (Samira Bouaou / Epoch Times)

Para obter essa informação, os republicanos da Câmara foram forçados a usar uma lei de 1928 pouco usada, a chamada Regra dos Sete Membros. De acordo com essa lei, uma agência executiva, como o HHS, deve fornecer as informações solicitadas quando solicitadas por sete membros do Comitê de Operações do Governo da Câmara (agora chamado de Comitê de Supervisão e Reforma).

Não se sabe por que os republicanos não utilizaram essa lei antes ou a utilizam com mais frequência.

Eventualmente, o HHS permitiu que a equipe do Congresso Republicano da Câmara visse os e-mails não creditados pessoalmente. Os membros da equipe então transcreveram o que viram, e foi assim que aprendemos sobre essas novas revelações.

O NIH silencia opiniões divergentes

Esses novos e-mails são cruciais porque confirmam que, no dia 2 de fevereiro de 2020, o grupo de teleconferência de Fauci havia identificado evidências que apontavam para um vazamento de laboratório no Instituto de Virologia de Wuhan. Esses cientistas sabiam que o único sítio de clivagem de furina do vírus era provavelmente o resultado de experimentos realizados no laboratório de Wuhan. Em particular, eles também sabiam que esses experimentos estavam sendo realizados em laboratórios de nível 2, com mínima biossegurança.

Esses eventos representaram um grande problema para os chefes do NIH, que financiaram os experimentos.

Dr. Martin Kulldorff, professor de medicina da Harvard Medical School e bioestatístico e epidemiologista no Brigham and Women's Hospital, em Connecticut, no dia 7 de agosto de 2021 (York Du / Epoch Times)
Dr. Martin Kulldorff, professor de medicina da Harvard Medical School e bioestatístico e epidemiologista no Brigham and Women’s Hospital, em Connecticut, no dia 7 de agosto de 2021 (York Du / Epoch Times)

Conforme confirmado por novos e-mails, sua resposta foi encobrir evidências de vazamento de laboratório e impulsionar uma narrativa que ocorre naturalmente.

O então diretor do NIH Collins, que mais tarde pediria a “eliminação” pública dos autores da Declaração de Great Barrington, pediu a seu grupo uma “chamada rápida de especialistas” para evitar que as “vozes da conspiração” fizessem “grandes danos potenciais à ciência e à harmonia internacional …” através da discussão pública de uma teoria de vazamento de laboratório.

A opinião de Collins foi ecoada por outro participante da teleconferência de Fauci, o virologista holandês Ron Fouchier, o qual afirmou ao grupo que “uma discussão mais aprofundada de tais alegações distrairia desnecessariamente os principais investigadores de seus deveres ativos e causaria danos desnecessários à ciência em geral e, em especial, à ciência na China”.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

EXCLUSIVO: estados investigam aumento na taxa de mortalidade entre 18 a 49 anos – maioria não relacionada à COVID-19

EXCLUSIVO: estados investigam aumento na taxa de mortalidade entre 18 a 49 anos – maioria não relacionada à COVID-19
Departamentos de saúde em vários estados confirmaram ao Epoch Times que estão analisando um aumento acentuado na taxa ...
Leia Mais >
 

“MADE IN CHINA”

“MADE IN CHINA”
Por NTD Notícias “Made in China”. Essas palavras aparecem em tudo, de computadores a brinquedos e imensas peças ...
Leia Mais >
 

China impõe duras medidas de controle da pandemia

China impõe duras medidas de controle da pandemia
Os EUA dizem que não se deterão com as últimas sanções da China. Pequim penalizou 4 oficiais americanos ...
Leia Mais >
 

Senador americano pede cooperação com Brasil para conter China

Senador americano pede cooperação com Brasil para conter China
Um senador americano pede ao líder da defesa de seu país que aprofunde a cooperação com o Brasil. ...
Leia Mais >