China terá dificuldade em repor a força de trabalho

Por Milton Ezrati

A população do Reino do Meio está envelhecendo. Tem menos jovens para substituir a geração mais velha que se aposentou, aquela que comandou a máquina dos enormes avanços da China desde que Deng Xiaoping abandonou o modelo econômico de Mao Tsé-tung. Este desafio demográfico representa um enorme desafio para a economia da China. O problema foi criado por Pequim. Afinal, foi Deng quem promulgou a política do filho único que tanto limitou a oferta de jovens trabalhadores. Neste ponto, no entanto, importa menos o que causou o problema do que o que existe. Uma escassez de trabalhadores jovens tenderá a desacelerar o ritmo de crescimento e desenvolvimento econômico e roubar muito do dinamismo que até agora caracterizou a economia chinesa.

Embora Pequim, sem dúvida, esteja ciente desse assunto, está estranhamente ausente em muitos comentários ocidentais detalhados e perspicazes sobre o desenvolvimento das relações sino-americanas. Não é que os fatos estejam ocultos, mas essas análises, talvez porque a maioria desses escritores tem formação principalmente diplomática, militar e política em vez de econômica, muitas vezes partem do pressuposto de que a economia da China não será afetada de alguma forma, reterá muito de seu antigo dinamismo, e continuará a confrontar o mundo com uma força econômica quase imparável.

Talvez, se a China tiver sucesso em sua iniciativa Um Cinturão Uma Rota, essas suposições permanecerão realistas. As probabilidades, no entanto, exigem que essas análises, onde quer que comecem, precisem levar em conta essa enorme mudança que está chegando na China, como ela limitará aquela economia notável e, por implicação, como isso afetará as capacidades de Pequim nos próximos anos, econômica, política ou diplomática, bem como militar.

Nesta foto sem data, trabalhadores caminham pelo Porto de Gwadar, no Paquistão, um projeto de infraestrutura de vários bilhões de dólares em que a China investiu como parte de sua Iniciativa Um Cinturão Uma Rota (Amelie Herenstein / AFP / Getty Images)

As crescentes pressões demográficas de hoje são radicalmente diferentes daquelas desfrutadas pela China durante o período de seu notável desenvolvimento. Em 1979, quando Deng abandonou o modelo econômico fracassado de Mao (e incidentalmente promulgou a política do filho único), a China tinha abundância de recursos de mão-de-obra.

Embora Pequim tenha relaxado recentemente a política do filho único, levará de 15 a 20 anos antes que qualquer novo nascimento possa ter um impacto na força de trabalho, e além dos dados preliminares indicarem que a taxa de fertilidade não aumentou. Conseqüentemente, os demógrafos da ONU estimam que em 2040, os números absolutos da população ativa do país terão diminuído 10% em relação ao nível atual, enquanto sua população de aposentados dependentes terá aumentado cerca de 50%. A economia terá apenas três trabalhadores para cada aposentado dependente. Isso é um pouco diferente do Japão. Esses três trabalhadores terão que produzir o suficiente para suas próprias necessidades, as de seus outros dependentes e um terço do sustento de um aposentado. A China terá pouco excedente produtivo para investimentos futuros, muito menos os grandes projetos que tanto chamaram a atenção no passado.

Ao contrário do envelhecimento das economias ocidentais, a China não pode contar com a imigração para mitigar esse impacto. Poucos estão clamando para entrar na China e, mesmo que as pessoas estivessem, a população existente no país é tão grande que o fluxo teria de superar todos os precedentes para fazer a diferença. Em qualquer caso, isso não está acontecendo.

Trabalhadores migrantes chineses chegam para embarcar em um trem na estação de Xangai antes de retornar às suas cidades natais para o feriado do Ano Novo Chinês, em Xangai, China, em 8 de fevereiro de 2007 (Mark Ralston / AFP via Getty Images)

É claro que a força de trabalho não é tudo. Os avanços tecnológicos, especialmente a inteligência artificial (IA), e os aumentos de produtividade que trarão, permitirão um uso mais eficiente dos recursos humanos disponíveis na China. Sem dúvida, a China dará passos largos nessas áreas, mas o envelhecimento demográfico também limitará a capacidade de inovação da economia.

Demógrafos, usando dados de patentes e estatísticas sobre ganhadores do Prêmio Nobel, determinaram que pessoas na faixa de 30 a 40 anos fornecem a maior parte da inventividade da sociedade. Estudos entre países mostram que esse fato é válido em todas as culturas e sistemas econômicos. Essa faixa etária na China deve encolher nos próximos 20 anos, de 43% da força de trabalho para 37%. Essa perda relativa pode causar menos danos à economia centralmente planejada da China do que faria a uma economia ocidental mais aberta, que depende da competição por inovação, mas, mesmo assim, dificilmente é um fator positivo para a economia chinesa no futuro.

Nesse cenário, Pequim pode muito bem ver a iniciativa Um Cinturão Uma Rota como uma forma de mitigar os efeitos demográficos. Se antes que as pressões demográficas se intensifiquem, essa iniciativa permitir que a China acumule a propriedade e o controle de instalações estrangeiras, o país terá adquirido um substituto parcial para o que perderá em sua capacidade econômica doméstica. Atualmente, a China usa principalmente seu próprio trabalho para construir e administrar projetos no Um Cinturão Uma Rota, mas com o tempo poderia, assim como o Império Britânico, usar mão de obra nativa, reservando para seus próprios cidadãos papéis de gerenciamento. Talvez, como também aconteceu com o Império Britânico, o arranjo gere para a China uma lealdade entre um grupo de nativos que substitui a lealdade desse grupo para com a autoridade local ou nacional.

Nada disso diz que a China desaparecerá como grande potência ou que sua economia deixará de crescer. No entanto, ele diz que, ao contrário de muitas das discussões e análises da mídia sobre as relações sino-americanas, a taxa de crescimento econômico da China diminuirá consideravelmente no futuro, assim como seu ritmo de desenvolvimento e inovação.

Pequim será menos capaz do que no passado de impressionar os observadores com grandes esquemas de investimento. As circunstâncias também afetarão as ambições militares e espaciais de Pequim, embora sejam baratas em termos financeiros e econômicos em comparação com o desenvolvimento de base ampla ou as futuras demandas por pensões. A China começará a se parecer com o Japão em aspectos cruciais, exceto que o Japão ficou rico antes de envelhecer, enquanto a China, ainda não rica, envelhecerá primeiro.

Milton Ezrati é editor colaborador do The National Interest, afiliado do Centro para o Estudo do Capital Humano da Universidade de Buffalo (SUNY), e economista-chefe da Vested, empresa de comunicações com sede em Nova Iorque. Seu livro mais recente é “Trinta Amanhãs: As Próximas Três Décadas de Globalização, Demografia e Como Viveremos”.

As visões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
 
 

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América
Hoje, as "plataformas de entretenimento" dos EUA estão tão "desesperadas pelo mercado chinês" que agora estão dispostas a ...
Leia Mais >
 

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.
Por NTD Notícias Evidências apontam que a catástrofe das enchentes na China vem das autoridades do Partido Comunista. ...
Leia Mais >
 

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição
O Epoch Times realizou um painel de discussão em 19 de julho entre os principais especialistas na Constituição ...
Leia Mais >
 

Enchentes mortíferas na China

Enchentes mortíferas na China
Por NTD Notícias O senador Marco Rubio na terça-feira disse em tuite que o fechamento do instituto Confúcio ...
Leia Mais >