China tenta subverter Europa com estratégia “dividir para conquistar” (Vídeo)

Por Joshua Philipp, Epoch Times

Depois da Segunda Guerra Mundial, quando o Partido Comunista Chinês (PCC) lançou sua ofensiva para tomar o poder na China, o então líder Mao Tsé-tung criou uma estratégia única: “Circunde a cidade com o campo”.

Essa mesma estratégia está agora em jogo nas tentativas do PCC de subverter a Europa — dominá-la a partir de dentro, e de uma maneira que aqueles que estão sendo subvertidos não percebam até que seja tarde demais.

A Europa estava tentando conseguir termos mais equitativos com a China através da União Europeia. O PCC, por outro lado, quer se comprometer com cada país europeu individualmente, tornando-se o principal ator, e permitindo que ele aproveite ao máximo seu poder, influência e força.

Líderes da União Europeia se reuniram com o líder chinês Xi Jinping em 26 de março na França, em negociações consideradas “prudentes” pela UE. Um relatório da Comissão Europeia de 12 de março demonstra essa cautela e descreve o PCC como um “competidor econômico” e um “rival sistêmico” da Europa.

No entanto, pouco antes desta reunião supostamente cautelosa, sobre ter condições mais equitativas, Xi viajou para Roma, onde se encontrou com o primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte em uma visita de três dias. Então Conte endossou a iniciativa do programa “Um Cinturão, Uma Rota” do PCC, tornando a Itália a primeira nação do G7 a fazê-lo.

Ao conseguir que Conte apoie os objetivos chineses, sem a opinião de outros líderes europeus, isso permitiu que Xi metesse um pé na porta da Europa antes da reunião oficial que ele teria com a União Europeia mais tarde.

Uma tática mais profunda

Nos primeiros dias do PCC, a estratégia de Mao de “cercar a cidade com o campo” funcionou a princípio permitindo que as forças do PCC evitassem batalhas difíceis e, em vez disso, tirassem vantagem dos campos e recursos de que as cidades dependiam para sobreviver. Quando os líderes da China perceberam o que estava acontecendo, já era tarde demais para agir.

Outras versões dessa estratégia de subversão foram empregadas nas “táticas do salame” soviéticas e na mais recente “estratégia do repolho” do regime chinês usado no Mar do Sul da China. Ambos os métodos funcionam a partir do anel externo do alvo e, em seguida, gradualmente vai conquistando-o em direção ao centro.

Sob os soviéticos, essa estratégia assumiu várias formas. Também incluiu operações de influência para envolver os políticos estrangeiros lentamente, a criação de facções de oposição dentro dos partidos políticos existentes, a criação de organizações de base para gerar discórdia e muitas outras táticas.

Enquanto as táticas do salame estavam sendo realizadas, um dos principais objetivos dos instigadores soviéticos era manter seus objetivos separados do que estava acontecendo.

A estratégia do repolho

Em maio de 2013, o então major-general do PCC, Zhang Zhaozhong, descreveu como ele tomaria o Mar do Sul da China usando essa estratégia.

Zhaozhong explicou que para tomar o território em disputa, o PCC enviaria primeiro barcos de pesca, depois navios de vigilância marítima para patrulhar e finalmente navios de guerra.

“A ilha fica assim embrulhada camada por camada como um repolho… uma estratégia do repolho tomou forma”, disse ele, acrescentando que “para muitas coisas, temos que escolher o momento certo para realizá-las.”

Quando se aplica aos ambientes políticos atuais, o PCC está usando a mesma abordagem básica. Em suas iniciativas, como o projeto “Um Cinturão, Uma Rota”, o principal objetivo do PCC é superar os Estados Unidos como líder mundial, tanto em termos de economia quanto de influência, mas ele não pode fazer isso diretamente.

Em vez de enfrentar os Estados Unidos, ou mesmo a Europa, o PCC começou pelas áreas circunvizinhas. Ele começou promovendo o projeto “Um Cinturão, Uma Rota” nos países do terceiro mundo e já conquistou um controle significativo sobre a política e a infraestrutura locais por meio dessa e de outras iniciativas relacionadas na América Latina, África e partes da Ásia.

Para a estratégia do PCC, a América Latina, a África e a Ásia são os anéis exteriores do território. Os seguintes anéis para os Estados Unidos são Austrália, Nova Zelândia, Europa e Canadá, países para os quais o PCC está atualmente visando projetos de infraestrutura, com diferentes níveis de controvérsia.

Se o PCC puder assumir o controle desses países centrais — usando sua combinação de infraestrutura crítica, comprando setores econômicos básicos, subvertendo círculos políticos e usando armadilhas de dívidas — os Estados Unidos poderão ficar isolados do resto do mundo em termos de influência e economia.

Condições favoráveis

Do ponto de vista da guerra tradicional chinesa, observando os padrões das mudanças atuais na sociedade para entender a direção futura, a Europa se tornou um campo de batalha que poderia ser derrotado pela subversão.

Com o Brexit, a União Europeia corre o risco de quebrar. E muitos líderes europeus do lado socialista da política se opõem abertamente ao modelo liderado pelos Estados Unidos. Aos olhos do PCC, estas são condições favoráveis para explorar.

Esta é uma ferramenta comum de subversão em geral: observe as tendências destrutivas dentro de uma sociedade e amplie sua repercussão.

Em termos de política internacional, quando os países rompem com o modelo norte-americano que valoriza a liberdade individual e os direitos humanos, eles tendem a ser orientados para o modelo chinês, que tem uma abordagem “faça o que quiser” com respeito às violações dos direitos humanos e o controle social totalitário.

Isso foi implementado graças aos efeitos da “revolução rosa” da América Latina, que levou muitos países a se separarem dos Estados Unidos e se moverem em direção a um sistema global dominado pelo Irã, Rússia e China.

Para o PCC, o nome do jogo é dividir para conquistar. É difícil enfrentar as grandes nações cara a cara, mas se essas nações puderem ser divididas em pequenos países balcanizados e tratadas uma a uma, elas se tornarão alvos fáceis.

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Epoch Times

 
 
 

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong
Os Estados Unidos e as autoridades europeias manifestaram alarme ao saber das detenções de vários ativistas pró-democracia de ...
Leia Mais >
 

Esconderijos na fronteira: um fenômeno oculto e deplorável

Esconderijos na fronteira: um fenômeno oculto e deplorável
As casas esconderijo são usadas há décadas para manter humanos e contrabando nos dois lados da fronteira sudoeste, ...
Leia Mais >
 

EUA anunciam medida para manter imigrantes ilegais detidos por mais tempo

EUA anunciam medida para manter imigrantes ilegais detidos por mais tempo
O governo dos Estados Unidos anunciou nesta quarta-feira (21) um plano destinado a permitir a detenção das famílias ...
Leia Mais >
 

“Polônia deve resistir ao ‘teatro viajante’ das marchas do orgulho gay”, diz partido governista do país

“Polônia deve resistir ao ‘teatro viajante’ das marchas do orgulho gay”, diz partido governista do país
A Polônia deve resistir ao “teatro viajante” das marchas do orgulho gay, disse neste domingo (18) o líder ...
Leia Mais >