China possui programas militares que visam distorcer percepções estrangeiras, informa relatório do Pentágono

Por Joshua Phillip, The Epoch Times

O regime chinês está usando operações de influência nos Estados Unidos para distorcer as percepções do público e alterar as decisões sobre negócios e política. De acordo com um novo relatório do Pentágono, a China faz isso para “alcançar resultados favoráveis aos seus objetivos de segurança e estratégia militar”.

O relatório anual de 2019 para o Congresso do Departamento de Defesa, divulgado em 2 de maio, tem uma seção especial sobre as operações de influência do Partido Comunista Chinês (PCC). Dá uma visão geral dos tipos de operações que o PCC está executando para alterar a percepção do público e explica como o governo e as agências militares estão envolvidas.

A seção curta começa com uma breve visão geral da estratégia das Três Guerras do PCC, que está em operação militar desde pelo menos 2003. As Três Guerras são guerra psicológica, para alterar a forma como um alvo interpreta informações; guerra de opinião pública, também conhecida como “guerra da mídia”, para controlar as informações divulgadas ao público; e guerra legal, para manipular a lei internacional e nacional.

Segundo o relatório, o PCC usa a estratégia ao lado de suas operações cibernéticas e militares. Ele diz que os militares chineses “provavelmente procuram usar atividades de influência on-line” para apoiar sua estratégia de Três Guerras e “solapar a resolução de um adversário em uma contingência ou conflito”.

Juntamente com a estratégia militar, o PCC tem programas para influenciar agências de notícias, empresas, acadêmicos e círculos que fazem regras políticas nos Estados Unidos.

O relatório afirma: “A China conduz operações de influência contra instituições culturais, organizações de mídia e as comunidades empresariais, acadêmicas e políticas dos Estados Unidos, outros países e instituições internacionais”. Ela afirma que o objetivo desses programas é “alcançar resultados” favoráveis aos seus objetivos de segurança e estratégia militar”.

“O PCC procura condicionar os estabelecimentos políticos nacionais e estrangeiros e multilaterais e a opinião pública a aceitar a narrativa chinesa em torno de suas prioridades”, afirma, observando exemplos como o domínio do PCC no mar do Sul da China e sua  Iniciativa de desenvolvimento internacional “One Belt, One Road”(Um Cinturão, Uma Rota)”.

O relatório menciona o infame Departamento da Frente Unida do PCC, que recebeu pouca atenção do público até recentemente: “As operações de influência chinesa são coordenadas em alto nível e executadas por diversos atores, como o Departamento de Trabalho da Frente Unida, o Ministério de Propaganda e Ministério da Segurança do Estado ”.

O Departamento da Frente Unida trabalha para estender o poder político do PCC a países estrangeiros, estabelecendo uma “frente unida” de chineses que vivem no exterior. A filial do PCC trabalha através dos consulados chineses, que por sua vez administram “pinças” (associações chinesas fraternas e locais), as “tríades” (organizações mafiosas chinesas que operam sob algumas algemas), as Associações Estudantis e de Estudiosos Chinesas (CSSAs) e Institutos Confúcio. O PCC usa essa rede para controlar comunidades chinesas no exterior e para subverter sociedades estrangeiras.

“A China também usa às vezes coerção ou chantagem para manipular cidadãos chineses no exterior para conduzir operações de influência em nome da China, como ameaçar os uigures étnicos que vivem nos Estados Unidos com a prisão de seus familiares”, diz o documento. “Os serviços de inteligência chineses geralmente facilitam essas operações”.

Ele observa que, sob programas como os Mil Talentos, o PCC usa essa rede para roubo econômico. Com isso, o regime “prioriza recrutar pessoas de ascendência chinesa ou emigrantes chineses recentes cujo recrutamento o governo chinês considera necessário para a modernização científica e técnica da China, especialmente no que diz respeito à tecnologia de defesa”.

O PCC também usa essa rede para “aproveitar a academia e instituições educacionais, think tanks e a mídia estatal para promover sua campanha de poder brando em apoio aos interesses de segurança da China”.

Como exemplos, o relatório observa que “estudantes chineses no exterior e organizações acadêmicas são usados para espalhar a narrativa do Partido sobre o Tibete e o Dalai Lama”. Diz que os CSSAs e os Institutos Confúcio organizam eventos para apoiar as reivindicações de soberania da China e apresentar queixas e organizar protestos contra instituições acadêmicas que realizam atividades que diferem das políticas da China”.

Além disso, observa que, a partir de 2018, a principal agência de notícias estatal do PCC, a Xinhua, ignorou um pedido do Departamento de Justiça para que seus funcionários se registrassem como agentes estrangeiros sob a Lei de Registro de Agentes Estrangeiros.

Como o relatório avalia corretamente, “os líderes da China provavelmente consideram democracias abertas como suscetíveis para influenciar operações, incluindo os Estados Unidos”. Como o Epoch Times relatou anteriormente, a estratégia em jogo é o slogan do PCC para “estrangular você com suas próprias instituições”, usando a ideia de que a natureza aberta das sociedades ocidentais as torna fáceis de manipular.

As operações de influência do PCC se concentram principalmente em “estabelecer e manter agentes de poder dentro de um governo estrangeiro”, afirma o relatório. Ele usa isso para “promover políticas que a China acredita que facilitarão sua ascensão, apesar da posição declarada da China de não interferir nos assuntos internos dos países estrangeiros”.

Para isso, observa, o PCC dirige suas operações na diplomacia para construir “relacionamento pessoal com pessoas influentes”, para fornecer “assistência” e para oferecer programas sobre comércio e diplomacia sob o pretexto de acordos “ganha-ganha”. O relatório diz: “Essa abordagem permite que a China ofereça realizações rápidas e de pequena escala para parceiros no exterior, muitas vezes em troca de gestos aparentemente simbólicos que apóiem os objetivos estratégicos de longo prazo da China”.

 
 
 

Vítimas silenciosas: um mundo oculto onde meninos são traficados

Vítimas silenciosas: um mundo oculto onde meninos são traficados
Meninos e homens constituem uma “porção significativa” de vítimas de tráfico humano, tanto nos Estados Unidos quanto internacionalmente.
Leia Mais >
 

Matteo Salvini garante que não abrirá portos da Itália ao navio da Open Arms

Matteo Salvini garante que não abrirá portos da Itália ao navio da Open Arms
O ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, ordenou nesta terça-feira (13) que o navio da ONG Open ...
Leia Mais >
 

Especialistas ensinam como aumentar chances de sobrevivência contra atirador ativo (Vídeo)

Especialistas ensinam como aumentar chances de sobrevivência contra atirador ativo (Vídeo)
Depois de três tiroteios em massa no intervalo de uma semana, especialistas deram um passo à frente e ...
Leia Mais >
 

Malta, novo aliado de Maduro, que o ajuda a evitar sanções

Malta, novo aliado de Maduro, que o ajuda a evitar sanções
Malta, um arquipélago localizado no Mediterrâneo que fica entre a Sicília e a costa do norte da África, ...
Leia Mais >