China realiza incursões econômicas na América Latina

Por Antonio Graceffo 

Análise de notícias

Por meio de investimentos, comércio e coerção diplomática, o regime chinês está constantemente expandindo sua influência no quintal dos Estados Unidos: América Latina e Caribe (LAC).

O Partido Comunista Chinês (PCC) deu mais um passo para isolar Taiwan quando a Nicarágua anunciou recentemente que estava mudando sua aliança diplomática de Taipei para Pequim. Isso deixa Taiwan com apenas 14 nações aliadas. Seu aliado mais forte, é claro, são os Estados Unidos. O PCC tem como objetivo deslocar os Estados Unidos como líder mundial até mesmo em seu próprio quintal, na América Central e do Sul e no Caribe.

A China atualmente lidera o comércio com a África e partes da Ásia. A China continua atrás dos Estados Unidos no continente americano, mas a diferença está diminuindo constantemente. Em 2009, o investimento chinês representou apenas 4% dos novos projetos na América Latina. Em 2019, o número subiu para 6,8%. Os Estados Unidos, por outro lado, respondem por cerca de 22% de todo o financiamento. Em alguns países, no entanto, o investimento chinês é mais proeminente. A China começou a investir no Chile há apenas cinco anos, mas tornou-se a principal fonte de capital do país.

A participação da China nas fusões e aquisições na América Latina foi de 2,4% em 2009, mas cresceu para 16,3% em 2019. Isso coloca a China em segundo lugar, após os Estados Unidos. O comércio experimentou um padrão de crescimento semelhante. Em 2000, o comércio da China com a região foi de US $16 bilhões. Agora ultrapassa US $400 bilhões.

Durante a turbulência das revoluções esquerdistas na América Latina na década de 1980, vários países da ALC mudaram seu reconhecimento diplomático de Taiwan para a China, incluindo Bolívia, Nicarágua e Uruguai. A Nicarágua mudou em 1985 e novamente em 1990 e 2020. Outros países da ALC mudaram por razões financeiras e políticas, como as Bahamas em 1997, Dominica em 2004, Grenada em 2005, Costa Rica em 2007 e El Salvador em 2018.

Os Estados Unidos entregaram o Canal do Panamá aos panamenhos em 1999, e a Zona do Canal do Panamá deixou de ser território dos Estados Unidos. Nesse mesmo ano, foi concedido à empresa chinesa, Hutchison-Whampoa, o direito de operar os portos do lado Atlântico e Pacífico do Canal. O Panamá foi o primeiro país da ALC a aderir à Iniciativa ‘Um Cinturão e Uma Rota’ (BRI) da China. Mesmo antes do Panamá reconhecer a China, Pequim havia firmado contratos para os portos de contêineres do Canal administrados por empresas estatais chinesas.

Entre 2008 e 2016, China e Taiwan tiveram uma trégua no cortejo da América Latina e os países em desenvolvimento para que mudem seu reconhecimento. A nação africana da Gâmbia ofereceu-se para mudar seu reconhecimento para Pequim, mas a China recusou, respeitando a trégua. Quando a candidata pró-independência, Tsai Ing-wen, foi eleita presidente de Taiwan em 2016, a China aceitou a oferta da Gâmbia. Além disso, São Tomé e Príncipe, outra pequena nação africana, mudou sua aliança diplomática para Pequim no mesmo ano.

O presidente da Gâmbia, Adama Barrow, caminha com o líder chinês Xi Jinping durante uma cerimônia de boas-vindas no Grande Salão do Povo, em Pequim, no dia 21 de dezembro de 2017. Os dois países restauraram suas relações diplomáticas em 2016. (Nicolas Asfouri / AFP / Getty Images)
O presidente da Gâmbia, Adama Barrow, caminha com o líder chinês Xi Jinping durante uma cerimônia de boas-vindas no Grande Salão do Povo, em Pequim, no dia 21 de dezembro de 2017. Os dois países restauraram suas relações diplomáticas em 2016 (Nicolas Asfouri / AFP / Getty Images)

Os países que trocaram a lealdade de Taiwan pela China receberam incentivos como empréstimos, investimentos, infraestrutura, estradas, estádios esportivos, clínicas e acesso ao mercado chinês. A Costa Rica, por exemplo, ganhou seu estádio esportivo imediatamente após voltar-se para a China em 2007.

Em 2017, o Panamá rompeu seus laços diplomáticos com Taiwan. Pouco antes da mudança, o China Landbridge Group iniciou a construção do Porto de Contêineres Cólon na Ilha Margarita, no Panamá, um porto de águas profundas e um complexo logístico de bilhões de dólares. O então presidente, Juan Carlos Varela, manteve a decisão em segredo e só notificou os Estados Unidos uma hora antes do anúncio oficial.

Após um ano, o líder chinês, Xi Jinping, visitou o Panamá e os dois países assinaram 19 acordos de cooperação em comércio, infraestrutura, bancos, turismo, educação, além de um tratado de extradição.

Em 2018, a República Dominicana e El Salvador também mudaram de aliança para Pequim. A República Dominicana recebeu um pacote de investimentos e empréstimos no valor de 3,1 bilhões de dólares para projetos de infraestrutura, rodovias e uma usina a gás natural.

Antes da mudança, a República Dominicana já era o segundo maior parceiro comercial da China na região, com um comércio de US $2 bilhões. Em 2020, o comércio entre as duas nações havia aumentado para cerca de US $2,4 bilhões, e a República Dominicana tinha um sério déficit comercial com a China de quase US $2 bilhões.

Os demais amigos de Taiwan no continente americano são Belize, Guatemala, Haiti, Honduras, Paraguai, Saint Kitts e Nevis, Santa Lúcia e São Vicente e Granadinas. Enquanto isso, 19 países da América Latina e do Caribe aderiram ao BRI da China. Além disso, Pequim assinou uma “parceria estratégica” com 10 outras nações da região.

A mudança no reconhecimento diplomático de Taiwan para a China muitas vezes significa um corte na ajuda dos EUA. Mesmo assim, o PCC é tão hábil em preencher cheques que a perda é quase imperceptível. Para aumentar a influência dos Estados Unidos nas Américas e combater o PCC, os Estados Unidos devem assumir um compromisso significativo com os países da ALC, ajudando-os a aumentar seu PIB. Em 2013, o então vice-presidente Joe Biden afirmou que os Estados Unidos poderiam estar interessados ​​em ingressar na Aliança do Pacífico como consultor. A aliança é um pacto comercial entre Chile, Colômbia, México e Peru.

Os Estados Unidos, junto com as outras nações do Grupo dos 7, estão planejando o programa “Reconstruir um Mundo Melhor“, um veículo de financiamento de infraestrutura para países em desenvolvimento que competiria com a iniciativa BRI.

Enquanto Taiwan está perdendo laços diplomáticos na ALC, os Estados Unidos estão intensificando seu apoio a Taiwan, incluindo a permanência de soldados americanos na ilha, sob os governos de Trump e Biden. O regime chinês está definitivamente ganhando terreno, mas os Estados Unidos mantém sua primazia na região – principalmente no que diz respeito ao Canal do Panamá.

A importância do Canal do Panamá aumentou durante a pandemia da COVID-19, à medida que os Estados Unidos pressionaram o retorno das cadeias de suprimentos ao país ou pelo menos mais perto. Os Estados Unidos continuam sendo o principal usuário, com 66% da carga. A China, por outro lado, representa apenas 13% do tráfego do Canal. No entanto, a China é o maior usuário da Zona Franca de Cólon.

Os Estados Unidos continuam liderando, mas sua política externa deve ser voltada para conter a invasão do PCC nas Américas.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Ex-ministro Milton Ribeiro preso em operação da PF

Ex-ministro Milton Ribeiro preso em operação da PF
O ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro, foi preso preventivamente na manhã desta quarta-feira, dia 22, pela operação “Acesso ...
Leia Mais >
 

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL
Um impasse para o Brasil? Ocorreu a cúpula do BRICS. China e Rússia falam em uma expansão do ...
Leia Mais >
 

ABORTO DEIXA DE SER DIREITO CONSTITUCIONAL NOS EUA; VEXAME DE BIDEN

ABORTO DEIXA DE SER DIREITO CONSTITUCIONAL NOS EUA; VEXAME DE BIDEN
O aborto agora não é mais um direito protegido pela constituição nos EUA. Isso depois que a Suprema ...
Leia Mais >
 

CHINA AUTORIZA OPERAÇÕES MILITARES FORA DE GUERRAS; BRASIL E ÍNDIA: “RACHA” NO BRICS?

CHINA AUTORIZA OPERAÇÕES MILITARES FORA DE GUERRAS; BRASIL E ÍNDIA: “RACHA” NO BRICS?
Especialistas comentam a nova diretriz do Partido Comunista Chinês: Uma possível invasão a Taiwan fica em pauta, pelas ...
Leia Mais >