China realiza incursões econômicas na América Latina

Por Antonio Graceffo 

Análise de notícias

Por meio de investimentos, comércio e coerção diplomática, o regime chinês está constantemente expandindo sua influência no quintal dos Estados Unidos: América Latina e Caribe (LAC).

O Partido Comunista Chinês (PCC) deu mais um passo para isolar Taiwan quando a Nicarágua anunciou recentemente que estava mudando sua aliança diplomática de Taipei para Pequim. Isso deixa Taiwan com apenas 14 nações aliadas. Seu aliado mais forte, é claro, são os Estados Unidos. O PCC tem como objetivo deslocar os Estados Unidos como líder mundial até mesmo em seu próprio quintal, na América Central e do Sul e no Caribe.

A China atualmente lidera o comércio com a África e partes da Ásia. A China continua atrás dos Estados Unidos no continente americano, mas a diferença está diminuindo constantemente. Em 2009, o investimento chinês representou apenas 4% dos novos projetos na América Latina. Em 2019, o número subiu para 6,8%. Os Estados Unidos, por outro lado, respondem por cerca de 22% de todo o financiamento. Em alguns países, no entanto, o investimento chinês é mais proeminente. A China começou a investir no Chile há apenas cinco anos, mas tornou-se a principal fonte de capital do país.

A participação da China nas fusões e aquisições na América Latina foi de 2,4% em 2009, mas cresceu para 16,3% em 2019. Isso coloca a China em segundo lugar, após os Estados Unidos. O comércio experimentou um padrão de crescimento semelhante. Em 2000, o comércio da China com a região foi de US $16 bilhões. Agora ultrapassa US $400 bilhões.

Durante a turbulência das revoluções esquerdistas na América Latina na década de 1980, vários países da ALC mudaram seu reconhecimento diplomático de Taiwan para a China, incluindo Bolívia, Nicarágua e Uruguai. A Nicarágua mudou em 1985 e novamente em 1990 e 2020. Outros países da ALC mudaram por razões financeiras e políticas, como as Bahamas em 1997, Dominica em 2004, Grenada em 2005, Costa Rica em 2007 e El Salvador em 2018.

Os Estados Unidos entregaram o Canal do Panamá aos panamenhos em 1999, e a Zona do Canal do Panamá deixou de ser território dos Estados Unidos. Nesse mesmo ano, foi concedido à empresa chinesa, Hutchison-Whampoa, o direito de operar os portos do lado Atlântico e Pacífico do Canal. O Panamá foi o primeiro país da ALC a aderir à Iniciativa ‘Um Cinturão e Uma Rota’ (BRI) da China. Mesmo antes do Panamá reconhecer a China, Pequim havia firmado contratos para os portos de contêineres do Canal administrados por empresas estatais chinesas.

Entre 2008 e 2016, China e Taiwan tiveram uma trégua no cortejo da América Latina e os países em desenvolvimento para que mudem seu reconhecimento. A nação africana da Gâmbia ofereceu-se para mudar seu reconhecimento para Pequim, mas a China recusou, respeitando a trégua. Quando a candidata pró-independência, Tsai Ing-wen, foi eleita presidente de Taiwan em 2016, a China aceitou a oferta da Gâmbia. Além disso, São Tomé e Príncipe, outra pequena nação africana, mudou sua aliança diplomática para Pequim no mesmo ano.

O presidente da Gâmbia, Adama Barrow, caminha com o líder chinês Xi Jinping durante uma cerimônia de boas-vindas no Grande Salão do Povo, em Pequim, no dia 21 de dezembro de 2017. Os dois países restauraram suas relações diplomáticas em 2016. (Nicolas Asfouri / AFP / Getty Images)
O presidente da Gâmbia, Adama Barrow, caminha com o líder chinês Xi Jinping durante uma cerimônia de boas-vindas no Grande Salão do Povo, em Pequim, no dia 21 de dezembro de 2017. Os dois países restauraram suas relações diplomáticas em 2016 (Nicolas Asfouri / AFP / Getty Images)

Os países que trocaram a lealdade de Taiwan pela China receberam incentivos como empréstimos, investimentos, infraestrutura, estradas, estádios esportivos, clínicas e acesso ao mercado chinês. A Costa Rica, por exemplo, ganhou seu estádio esportivo imediatamente após voltar-se para a China em 2007.

Em 2017, o Panamá rompeu seus laços diplomáticos com Taiwan. Pouco antes da mudança, o China Landbridge Group iniciou a construção do Porto de Contêineres Cólon na Ilha Margarita, no Panamá, um porto de águas profundas e um complexo logístico de bilhões de dólares. O então presidente, Juan Carlos Varela, manteve a decisão em segredo e só notificou os Estados Unidos uma hora antes do anúncio oficial.

Após um ano, o líder chinês, Xi Jinping, visitou o Panamá e os dois países assinaram 19 acordos de cooperação em comércio, infraestrutura, bancos, turismo, educação, além de um tratado de extradição.

Em 2018, a República Dominicana e El Salvador também mudaram de aliança para Pequim. A República Dominicana recebeu um pacote de investimentos e empréstimos no valor de 3,1 bilhões de dólares para projetos de infraestrutura, rodovias e uma usina a gás natural.

Antes da mudança, a República Dominicana já era o segundo maior parceiro comercial da China na região, com um comércio de US $2 bilhões. Em 2020, o comércio entre as duas nações havia aumentado para cerca de US $2,4 bilhões, e a República Dominicana tinha um sério déficit comercial com a China de quase US $2 bilhões.

Os demais amigos de Taiwan no continente americano são Belize, Guatemala, Haiti, Honduras, Paraguai, Saint Kitts e Nevis, Santa Lúcia e São Vicente e Granadinas. Enquanto isso, 19 países da América Latina e do Caribe aderiram ao BRI da China. Além disso, Pequim assinou uma “parceria estratégica” com 10 outras nações da região.

A mudança no reconhecimento diplomático de Taiwan para a China muitas vezes significa um corte na ajuda dos EUA. Mesmo assim, o PCC é tão hábil em preencher cheques que a perda é quase imperceptível. Para aumentar a influência dos Estados Unidos nas Américas e combater o PCC, os Estados Unidos devem assumir um compromisso significativo com os países da ALC, ajudando-os a aumentar seu PIB. Em 2013, o então vice-presidente Joe Biden afirmou que os Estados Unidos poderiam estar interessados ​​em ingressar na Aliança do Pacífico como consultor. A aliança é um pacto comercial entre Chile, Colômbia, México e Peru.

Os Estados Unidos, junto com as outras nações do Grupo dos 7, estão planejando o programa “Reconstruir um Mundo Melhor“, um veículo de financiamento de infraestrutura para países em desenvolvimento que competiria com a iniciativa BRI.

Enquanto Taiwan está perdendo laços diplomáticos na ALC, os Estados Unidos estão intensificando seu apoio a Taiwan, incluindo a permanência de soldados americanos na ilha, sob os governos de Trump e Biden. O regime chinês está definitivamente ganhando terreno, mas os Estados Unidos mantém sua primazia na região – principalmente no que diz respeito ao Canal do Panamá.

A importância do Canal do Panamá aumentou durante a pandemia da COVID-19, à medida que os Estados Unidos pressionaram o retorno das cadeias de suprimentos ao país ou pelo menos mais perto. Os Estados Unidos continuam sendo o principal usuário, com 66% da carga. A China, por outro lado, representa apenas 13% do tráfego do Canal. No entanto, a China é o maior usuário da Zona Franca de Cólon.

Os Estados Unidos continuam liderando, mas sua política externa deve ser voltada para conter a invasão do PCC nas Américas.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

EXCLUSIVO: estados investigam aumento na taxa de mortalidade entre 18 a 49 anos – maioria não relacionada à COVID-19

EXCLUSIVO: estados investigam aumento na taxa de mortalidade entre 18 a 49 anos – maioria não relacionada à COVID-19
Departamentos de saúde em vários estados confirmaram ao Epoch Times que estão analisando um aumento acentuado na taxa ...
Leia Mais >
 

“MADE IN CHINA”

“MADE IN CHINA”
Por NTD Notícias “Made in China”. Essas palavras aparecem em tudo, de computadores a brinquedos e imensas peças ...
Leia Mais >
 

China impõe duras medidas de controle da pandemia

China impõe duras medidas de controle da pandemia
Os EUA dizem que não se deterão com as últimas sanções da China. Pequim penalizou 4 oficiais americanos ...
Leia Mais >
 

Senador americano pede cooperação com Brasil para conter China

Senador americano pede cooperação com Brasil para conter China
Um senador americano pede ao líder da defesa de seu país que aprofunde a cooperação com o Brasil. ...
Leia Mais >