China considera utilizar tecnologia Blockchain em vigilância, tática militar

Por Chriss Street

A Insight Global Blockchain Survey anual da Deloitte, classificou a China como a principal defensora de interrupção da blockchain, mas a vigilância e as forças armadas também parecem ser iniciativas de primeira linha.

A mais recente pesquisa global da Insight entrevistou 1.386 executivos seniores de grandes empresas de receita, incluindo 200 na China continental, em relação à relevância da blockchain para sua organização, expectativa de adoção e maiores barreiras de investimento. Embora 53% classificassem a blockchain como uma das cinco principais prioridades críticas, 73% dos executivos chineses avaliaram a blockchain em seus cinco primeiros e 40% classificaram como sua principal prioridade.

O Parceiro consultor da DeloitteAdvisory Ltd. e líder da blockchain da região Ásia-Pacífico, Paul Sin, afirmou: “A China, mais do que em qualquer outro lugar do mundo, usará a blockchain estrategicamente em vez de taticamente”.  Ele acrescentou: “Mais projetos são conduzidos pela alta gerência que usam a blockchain como uma arma estratégica em vez de uma ferramenta de produtividade.”

O Comitê Central do Partido Comunista da China alvejou uma série de tecnologias de ponta como prioridades estratégicas para alcançar seu 13º Plano Quinquenal de Desenvolvimento Econômico e Social da República Popular da China (2016-2020). O Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação prosseguiu com um white paper afirmando: “construiremos um sistema técnico avançado e auto-avançado, formularemos um plano de implementação de um projeto de país de força de rede e organizaremos a implementação de um projeto de força de rede”.

O white paper descreveu especificamente como a China pretendia maximizar o controle interno e alcançar a supremacia militar construindo “uma infra-estrutura de informação integrada para terra, mar e ar, estabelecer um mecanismo nacional de coordenação e coordenação de infraestrutura do ciberespaço”. A China procurou acelerar a aplicação de aplicativos blockchain à “economia real” e implantar um recurso de Internet baseado em espaço habilitado para 5G.

Apesar da proibição de aplicativos comerciais para criptomoedas e redes privadas que dependem de registros distribuídos e códigos abertos, a China manteve estrategicamente 790 das mais de 2.747 patentes mundiais de blockchain no final de 2018. A capacidade de transmitir comunicações seguras entre as unidades sempre tem sido um imperativo fundamental de segurança nacional. Mas os registros descentralizados da blockchain, contratos inteligentes e tecnologias relacionadas oferecem cenários militares interessantes para atacar o ciberespaço e usar soldados drones para dominar os campos de batalha.

A China destinou US$ 400 bilhões para financiar P & D, colaborações com parceiros tecnológicos internacionais e financiamento de projetos para ajudar as empresas estatais Huawei e ZTE a obter o status de pioneira necessária para estabelecer padrões técnicos internacionais 5G.

O Epoch Times informou que o Conselho de Inovação de Defesa dos Estados Unidos, alertou o Congresso de que o projeto de telecomunicações de quinta geração da China interferirá diretamente em seus sistemas de armas militares e na segurança das comunicações governamentais, incorporando o espectro eletromagnético de “Baixa a Média” em sua implantação de rede sem fio 5G.

A China colocou mais satélites em órbita do que qualquer outra nação em 2018, de acordo com uma revisão tecnológica feita pela Universidade do MIT.. O Exército de Libertação do Povo alega estar trabalhando em estreita colaboração com empresas estatais, Spacety e Commsat, para montar grandes constelações de pequenas imagens e satélites de comunicação para fins comerciais e científicos.

Mas de acordo com o MIT: “os satélites de monitoramento ambiental e os satélites de reconhecimento militar são semelhantes; os satélites de comunicações podem transmitir ordens ultrassecretas ou fornecer Wi-Fi aos passageiros das linhas aéreas. Satélites manobráveis para reabastecer e consertar outros satélites também podem ser usados como armas contra as plataformas orbitais de um adversário”.

A Comissão Militar Central da China, que supervisiona o Exército Popular de Libertação, planeja usar seu pesado foguete Long March 5 para levantar o núcleo de uma estação espacial chinesa no início de 2020, segundo o MIT. Uma vez concluído em 2022, ele se unirá rapidamente à Estação Espacial Internacional Estados Unidos-Rússia como as únicas plataformas permanentemente tripuladas que orbitam a Terra.

O Epoch Times também informou no final de junho que o Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação da China está lançando uma iniciativa para estabelecer seu próprio servidor raiz de nome de domínio. A mudança é consistente com a “coordenação nacional de infraestrutura do ciberespaço” porque expandirá os 13 servidores lógicos independentes de nomes de domínio da Internet para um 14º servidor de nomes raiz gerenciado diretamente pelas autoridades da China.

A força de segurança Great Firewall da China tem sido eficaz na censura e vigilância do tráfego doméstico da Internet e pode bloquear ou desacelerar o acesso ao tráfego de Internet, pesquisa e mídia social através do controle direto dos roteadores do Border Gateway Protocol.

Mas os países estrangeiros que implantam estratégias de internet 5G e blockchain baseadas em criptografia são uma ameaça existencial para contornar o Grande Firewall da China. Forçar todos os usuários chineses da Internet da China continental a se inscreverem no servidor-raiz do domínio de propriedade do governo aumentaria o controle estratégico do ciberespaço na China.

 
 
 

Rússia é banida da Olimpíada de 2020 e de campeonatos mundiais por esquema de doping

Rússia é banida da Olimpíada de 2020 e de campeonatos mundiais por esquema de doping
Agência Mundial Antidopagem (AMA) suspendeu a Rússia por quatro em provas internacionais como os Jogos Olímpicos ou os ...
Leia Mais >
 

Finalmente uma boa política em relação à China

Finalmente uma boa política em relação à China
Comentário Em fevereiro de 1947, o presidente dos Estados Unidos, Harry Truman, decidiu ajudar o governo grego em ...
Leia Mais >
 

Projeto de lei uigur sobre direitos humanos desencadeia outra reação de Pequim

Projeto de lei uigur sobre direitos humanos desencadeia outra reação de Pequim
A adoção de um projeto de lei que se opõe à supressão dos direitos humanos dos uigures e ...
Leia Mais >
 

Efeitos da exposição ao gás lacrimogêneo aumentam tensão em Hong Kong

Efeitos da exposição ao gás lacrimogêneo aumentam tensão em Hong Kong
Por Annie Wu, Epoch Times HONG KONG - Em um domingo de novembro, Chau saiu com sua família ...
Leia Mais >