China lança campanha global de desinformação na tentativa de transferir a culpa pelo vírus do PCC

Por Bowen Xiao

Uma campanha extensa e agressiva de desinformação desencadeada globalmente pelo Partido Comunista Chinês (PCC), deflagrada por uma mistura heterogênea de falhas internas, visa reverter a narrativa sobre a pandemia – e está acontecendo em tempo real.

O esforço de propaganda, que aumentou nas últimas semanas, tem como principal objetivo desviar a culpa do manejo mal feito do vírus do PCC pelo regime chinês (amplamente conhecido como o novo coronavírus), semear discórdia internacionalmente e retratar a imagem de que o regime conteve o surto.

Ex-funcionários do governo dos EUA, especialistas em China e consultores de segurança nacional disseram ao Epoch Times que a campanha de desinformação aponta para um problema maior – as aspirações globais de Pequim. A campanha ajudou a provocar a ira dos cidadãos chineses, afastando-se do regime e os remetendo em direção aos Estados Unidos, que cada vez mais é alvo de sua propaganda. E alguns nos Estados Unidos estão acreditando.

“Enganação, desinformação, manipulação, distorção dos fatos, obscurecendo suas verdadeiras intenções, e a paciente e constante erosão da vontade de resistir por parte de outros é algo que alimenta muito as ambições globais do Partido Comunista Chinês de dominar o mundo”, disse Frank Gaffney, ex-secretário assistente de defesa da Política Internacional de Segurança durante o governo Reagan, ao Epoch Times.

“É apenas uma manifestação, mas é particularmente insidiosa, e é para a qual devemos estar atentos agora”, disse Gaffney, que é presidente executivo do Center for Security Policy.

“Porque, de certa forma, é a vanguarda do esforço maior, de longo prazo e ainda mais perigoso que eles [China] estão armando.”

Documentos internos do governo obtidos pelo Epoch Times destacaram como o regime subnotificou casos do vírus do PCC e censurou as discussões sobre o surto, ajudando a alimentar a propagação da doença, que agora, confirmadamente, infectou mais de 200.000 pessoas internacionalmente.

As autoridades chinesas e a mídia estatal ampliaram as teorias da conspiração em plataformas de mídia social como o Twitter, mais recentemente afirmando que a origem do vírus não é clara, veio das forças armadas dos EUA ou que os esforços de contenção do PCC ganharam tempo para que o resto do mundo se preparasse.

Agências estatais chinesas, muitas das quais têm um site em inglês, divulgaram essas teorias quase diariamente, com alguns artigos ameaçando diretamente os Estados Unidos, como visto em um editorial da Xinhua em 17 de março, que afirmava: “O lado dos EUA deve imediatamente corrijir seus comportamentos indevidos … antes que seja tarde demais”.

Embora os cidadãos chineses sejam impedidos de usar o Twitter, os robôs invadiram a plataforma para defender o regime comunista, atacar os Estados Unidos e narrar propaganda de papagaios. Um porta-voz do Twitter não respondeu a um pedido de comentário sobre se ele está ciente dos bots e se ele tinha algum plano para removê-los.

Outra narrativa que está ganhando força na mídia americana é que chamar o surto de vírus de Wuhan é racista, apesar do fato de a mídia estatal chinesa ter usado o termo em si, como visto na Xinhua, no Global Times e muito mais. Doenças anteriores como o Ebola, o Zika, o vírus do Nilo Ocidental, a doença de Lyme e a gripe espanhola foram todos nomeados com o local de origem do vírus.

Joseph Bosco, ex-oficial da China no Gabinete do Secretário de Defesa (2005-2006), disse ao Epoch Times que o objetivo da campanha de desinformação do regime é “culpar e escapar da responsabilidade por sua negligência grave e falta de cooperação com organizações internacionais de saúde”.

Bosco, consultor de segurança nacional e membro do Instituto para Estudos Coreano-Americanos, disse que há uma razão subjacente pela qual os Estados Unidos foram especificamente alvejados.

“A China comunista vê os EUA como o principal obstáculo às suas ambições globais agressivas”, disse ele. “Ela busca aumentar a credibilidade e legitimidade do PCC e deslegitimar os EUA e o Ocidente”.

Os Estados Unidos podem combater o impulso da desinformação “combatendo o PCC com a verdade”, disse Bosco. Ele disse que o governo deve “exigir e impor reciprocidade em todos os aspectos das relações EUA-China”, como o presidente Donald Trump mencionou antes.

A campanha de desinformação não passou despercebida. Nos últimos dias, funcionários do governo Trump e políticos dos EUA se manifestaram contra o recente impulso de propaganda da China. Em um briefing de 17 de março, Trump disse: “A China divulgava informações falsas, que nossos militares espalharam esse vírus. Isso era falso, e ao invés de ter um argumento, eu tenho que denominá-lo pelo local de onde ele veio. Veio da China”.

Bonnie Glaser, ex-consultora dos Departamentos de Defesa e Estado, disse que Pequim procura proteger a representação de seu país internacionalmente e internamente. Ela observou que já existem vários casos legais que os americanos estão movendo contra a China, incluindo o The Berman Law Group, que recentemente entrou com uma ação coletiva federal contra o regime chinês por causar a pandemia.

“Isso prejudicará a imagem global da China se Pequim for responsabilizada por administrar mal a epidemia desde o início e permitir que ela afete o resto do mundo”, disse Glaser ao Epoch Times por e-mail. Glaser é consultor sênior da Ásia e diretor do China Power Project no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais.

“A China procura ser vista como um participante global responsável que pode contribuir efetivamente para lidar com os problemas globais”, disse ela. “Ao demonstrar a eficácia do sistema de governança doméstica da China, Pequim pode avançar seu objetivo de liderar a reforma da governança global e promover o modelo chinês como uma opção para que os países em desenvolvimento copiem”.

Se o regime se retratar com sucesso que administrou a crise de maneira eficaz, “o PCC poderá minar ainda mais o apelo da democracia e do capitalismo em todo o mundo”.

Internamente, a China está ativamente promovendo sua propaganda sobre o vírus em seus próprios cidadãos. O conselheiro de segurança nacional dos EUA, Robert O’Brien, durante um discurso na Heritage Foundation de Washington, em 11 de março, disse que o regime havia inicialmente tentado censurar os médicos que tentaram falar sobre o surto, “para que a palavra desse vírus não pudesse sair”.

“Isso provavelmente fez com que a comunidade mundial demorasse dois meses para responder”, disse O’Brien.

Nas últimas semanas, a China também incentivou a narrativa de um número decrescente de infecções e incentivou as pessoas a retornarem à China. Li Lanjuan, especialista sênior da Comissão Nacional de Saúde da China, disse à mídia estatal chinesa que, se tudo der certo, a China poderá ser eliminada de todas as novas infecções até 20 de março.

Gaffney disse: “Deveríamos garantir que o povo da China esteja … exposto à verdade. Fala-se muito agora em reciprocidade, especialmente com relação a jornalistas”.

O PCC está se preparando para expulsar jornalistas dos EUA com base na China que trabalham para o New York Times, o Wall Street Journal e o Washington Post, em retaliação pelas recentes ações do governo Trump que visam meios de comunicação estatais chineses nos Estados Unidos.

Há benefícios adicionais percebidos pelo regime ao focar na América.

Ao visar os Estados Unidos, o PCC atrai a atenção de todos e os permite voltar a alguns de seus acordos recentes com Washington sobre investimento comercial e propriedade intelectual, de acordo com Peter Huessy, presidente e fundador da GeoStrategic Analysis, uma empresa de defesa e segurança nacional em Potomac, Maryland.

Huessy disse ao Epoch Times que a desinformação da China tem terríveis impactos e torna mais difícil proteger a saúde e o bem-estar das pessoas, não apenas nos Estados Unidos, mas em todo o mundo.

“Toda a estratégia chinesa é de desinformação e desorientação em massa”, disse ele. “Enquanto a China finge ser um membro responsável da comunidade internacional, na realidade, eles estão agindo bastante para minar o Estado de direito e os direitos humanos”.

O Epoch Times refere-se ao novo coronavírus, que causa a doença COVID-19, como o vírus do PCC, porque o encobrimento e o mau uso do Partido Comunista Chinês permitiram que o vírus se espalhasse por toda a China e criasse uma pandemia global.

Siga Bowen no Twitter: @BowenXiao_

 
 
 

Repórteres do Epoch Times são seguidos em meio à repressão em Hong Kong

Repórteres do Epoch Times são seguidos em meio à repressão em Hong Kong
Dois jornalistas da edição de Hong Kong do The Epoch Times disseram que estavam sendo seguidos por supostos ...
Leia Mais >
 

Prisão de pró-democratas

Prisão de pró-democratas
Por NTS Notícias A Famosa Torre de TV de Shanghai, que acidentalmente recebeu o mesmo nome da cidade ...
Leia Mais >
 

Colômbia proíbe teste de produtos cosméticos em animais

Colômbia proíbe teste de produtos cosméticos em animais
A Colômbia tornou-se o primeiro país da América Latina a proibir os testes cosméticos em animais por meio ...
Leia Mais >
 

Polícia de Hong Kong prende pró-democrata

Polícia de Hong Kong prende pró-democrata
Por NTD News A polícia de Hong Kong prendeu um total de dez pessoas, incluindo o magnata da ...
Leia Mais >