China: empresária canadense é condenada a oito anos de prisão por praticar o Falun Dafa

Por Omid Ghoreishi

Uma empresária canadense que era co-proprietária de uma empresa multibilionária foi condenada a oito anos de prisão na China por ser praticante do Falun Dafa.

Sun Qian, uma cidadã canadense, foi presa em sua residência em Pequim em fevereiro de 2017 e permanece em custódia desde então. Ela foi sentenciada na manhã de 30 de junho por um tribunal de Pequim, de acordo com um de seus ex-advogados, Xie Yiyang.

“Sun Qian é inocente”, disse Xie. “A prisão e a acusação de Sun Qian foram ilegais desde o início.”

Xie disse que a sentença de Sun viola a própria constituição chinesa, que prevê a liberdade de crença religiosa. Ele disse que a decisão atropela o Estado de direito e mostra “os atos criminosos” dos envolvidos em “um caso tão injusto”.

Xun Li, presidente da Associação do Falun Dafa do Canadá, pediu a libertação imediata da Sun.

“Sun sofre nas mãos do Partido Comunista há mais de três anos. Ela foi detida ilegalmente e torturada mental e fisicamente com relatos de que foi acorrentada, algemada a uma cadeira de aço, borrifada com spray de pimenta no rosto e sujeita a lavagem cerebral constante e manipulação psicológica”, disse Li.

Sun tem sido representada por quase uma dúzia de advogados desde sua prisão, os quais tiveram que abandonar o caso devido à pressão das autoridades chinesas. Desde 2019, ela só tem permissão para usar um advogado nomeado pelo governo, que na melhor das hipóteses poderia pedir misericórdia em vez de argumentar sua inocência.

O caso Meng

Xie disse que um dos principais fatores por trás do caso de Sun, que durou mais de três anos antes da sentença, e sua extensa sentença de prisão em 30 de junho, é o caso de Meng Wanzhou.

Manifestantes mantêm fotos dos canadenses Michael Spavor e Michael Kovrig, que foram detidos pelo regime chinês, do lado de fora da Suprema Corte da Colúmbia Britânica em Vancouver, enquanto a diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, aparece no tribunal em 6 de março de 2019 (JASON REDMOND / AFP via Getty Images)
Manifestantes mantêm fotos dos canadenses Michael Spavor e Michael Kovrig, que foram detidos pelo regime chinês, do lado de fora da Suprema Corte da Colúmbia Britânica em Vancouver, enquanto a diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, aparece no tribunal em 6 de março de 2019 (JASON REDMOND / AFP via Getty Images)

Meng, diretor financeiro da Huawei Technologies da China, foi presa em Vancouver em dezembro de 2018 por um pedido de extradição nos EUA. Logo depois, a China prendeu os canadenses Michael Kovrig e Michael Spavor.

No final de maio, a Suprema Corte da Colúmbia Britânica rejeitou uma oferta de Meng para ser liberada.

Logo depois, em 19 de junho, Kovrig e Spavor foram formalmente acusados ​​de espionagem na China.

Desde a prisão de Kovrig e Spavor, Pequim insistiu rotineiramente que as prisões não estavam relacionadas à prisão de Meng. Mas o regime mudou de curso em 24 de junho, quando um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China sugeriu que, se Meng fosse libertada, os dois canadenses poderiam ser libertados.

Xie disse que as mesmas táticas estão desempenhando um papel no caso de Sun, sinalizando o momento em que Sun de repente recebe uma longa sentença de prisão.

Ele disse que vários advogados de direitos humanos na China escreveram uma carta aberta ao primeiro-ministro canadense Justin Trudeau antes de sua viagem à China em 2017, dizendo que a prisão e detenção de Sun eram ilegais, na esperança de obter sua ajuda.

Coerção

Segundo Xie, Sun concordou em usar um advogado nomeado pelo governo “sob coação”. Ela também disse que Sun foi mentalmente manipulada a ponto de decidir doar sua riqueza – centenas de milhões de dólares – para o centro de detenção onde estava sendo mantida.

“Sun Qian basicamente desistiu de tudo. No entanto, ela o fez enquanto estava detida e sem estar livre. Legalmente, isso não deve ser válido porque não é uma expressão do seu livre-arbítrio.”

Antes de ser presa, Sun era a fundadora e vice-presidente da Beijing Leadman Biochemistry, uma empresa multibilionária que ela co-possuía com o marido, Shen Guangqian.

A irmã de Sun, Sun Zan, disse ao Epoch Times em entrevistas anteriores que Shen conspirou com autoridades chinesas para aprisionar a Sun, a fim de assumir as ações da Sun na empresa.

“[Shen] conspirou com certos indivíduos no departamento de segurança pública, usando a política de supressão do Falun Gong para provocar a prisão e a acusação ilegal da Sun”, disse Sun Zan.

Os parlamentares canadenses e a Anistia Internacional pediram repetidamente que Pequim liberasse Sun. O Parlamento Europeu também pediu sua libertação como parte de uma resolução que pede sanções contra violadores de direitos humanos na China.

Li, presidente da Associação Canadense do Falun Dafa, disse que Sun é inocente e não deveria ter sido presa em primeiro lugar.

“A perseguição ao Falun Gong viola a Carta das Nações Unidas e outras convenções internacionais de direitos humanos. Também viola a própria constituição e as leis da China”, afirmou.

O Falun Dafa, também conhecido como Falun Gong, é uma disciplina de meditação baseada na verdade, benevolência e tolerância, que, segundo os adeptos, melhora a saúde e o bem-estar. Foi brutalmente suprimida na China desde 1999, quando o então líder chinês Jiang Zemin lançou uma ampla campanha de perseguição contra a prática.

Antes disso, dados do governo mostraram que entre 70 e 100 milhões de pessoas eram praticantes do Falun Dafa na China.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
 
 

49 legisladores da Virgínia pedem fim da tortura e extração de órgãos do Falun Gong na China

49 legisladores da Virgínia pedem fim da tortura e extração de órgãos do Falun Gong na China
Quarenta e nove legisladores do estado da Virgínia redigiram recentemente uma carta ao Secretário de Estado Mike Pompeo, ...
Leia Mais >
 

Polícia de Hong Kong prende pró-democrata

Polícia de Hong Kong prende pró-democrata
Por NTD News A polícia de Hong Kong prendeu um total de dez pessoas, incluindo o magnata da ...
Leia Mais >
 

Uma luta pelo poder na China pode estar ocorrendo agora mesmo em Beidaihe

Uma luta pelo poder na China pode estar ocorrendo agora mesmo em Beidaihe
Os sete principais líderes do Partido Comunista Chinês (PCC) não aparecem na mídia chinesa desde o início de ...
Leia Mais >
 

Empresas chinesas saem da NYSE e Nasdaq em meio à crescente pressão dos EUA

Empresas chinesas saem da NYSE e Nasdaq em meio à crescente pressão dos EUA
Um número crescente de empresas chinesas está considerando sair das bolsas de valores dos EUA, à medida que ...
Leia Mais >