China é ‘maior prioridade’ para agência de inteligência britânica MI6

Por Alexander Zhang

O chefe da agência de inteligência britânica, MI6, afirmou na terça-feira, que o regime chinês representa um “sério desafio” para a paz mundial e tornou-se a “maior prioridade” para sua organização.

Em sua fala no Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS), em Londres, o chefe do MI6, Richard Moore, listou China, Rússia, Irã e o terrorismo internacional como as “quatro grandes” prioridades das comunidades de inteligência ocidentais, mas enfatizou que “adaptar-se à um mundo afetado pela ascensão da China é a maior prioridade individual do MI6”.

Moore também declarou que “não há dúvida” de que a tomada do Afeganistão pelo Taleban não apenas aumentou o moral dos terroristas em todo o mundo, mas também encorajou regimes como China, Rússia e Irã.

Moore alertou que as agências de espionagem chinesas são “muito capazes” e estão realizando operações de espionagem de “grande escala” contra o Reino Unido e seus aliados. “Isso inclui mirar naqueles que trabalham no governo, indústria ou pesquisa de interesse especial para o Estado chinês. Eles também monitoram e tentam exercer influência indevida perante a diáspora chinesa”.

Moore afirma que os funcionários da inteligência chinesa buscam tirar vantagem da “natureza aberta” das sociedades ocidentais e que o regime chinês tentou “distorcer o discurso público e a tomada de decisões políticas em todo o mundo”.

Risco do ‘excesso de confiança’

O chefe do serviço de inteligência declarou que a crescente confiança da China – especialmente seu “desejo de resolver a questão de Taiwan” – ameaça a paz mundial e pode levar a um conflito.

“O Partido Comunista Chinês está cada vez mais a favor de uma ação decisiva justificada por motivos de segurança nacional”, afirmou ele. “Os dias de ‘esconder sua força, esperar seu momento’ de Deng Xiaoping já se foram”.

Pequim acredita em sua própria propaganda sobre as fraquezas do Ocidente e subestima a determinação de Washington. O risco de um erro de cálculo chinês por excesso de confiança é real.”

Moore observou que Pequim removeu direitos e liberdades individuais em Hong Kong em nome da segurança nacional, e seu status de vigilância cometeu violações generalizadas aos direitos humanos, incluindo a detenção arbitrária de um milhão de muçulmanos uigures.

“É preocupante que a China esteja exportando cada vez mais essas tecnologias de vigilância e controle para outros governos: expandindo a rede de controle autoritário em todo o planeta”, afirmou.

‘Armadilhas de dívida e armadilhas de dados’

Moore relata que o Reino Unido quer que outros países tenham “uma visão clara das armadilhas de dívida, exposição de dados e vulnerabilidade à coerção política que surgem da dependência das relações quando nenhum recurso pode ser feito a um judiciário independente ou uma imprensa livre”.

“Buscaremos um conjunto de parcerias com diferentes países e regiões sobre essas questões, trazendo causas comuns quanto a preocupações comuns.”

Anteriormente, em uma entrevista ao programa “Today” da BBC Radio 4, Moore alertou sobre o uso da China de “armadilhas de dívidas e de dados” para colocar países e indivíduos no lugar certo, “o anzol”.

Ele afirmou que a “armadilha da dívida” permitiu ao regime chinês usar portos – que poderiam ser usados ​​como bases navais – de países que não podem pagar os empréstimos.

“A armadilha dos dados é esta: se você permitir que outro país acesse dados realmente críticos sobre sua sociedade, com o tempo isso irá corroer sua soberania, você não terá mais controle sobre esses dados”, acrescentou.

Moore afirma que o Reino Unido está “muito ciente” desses riscos e tomou medidas para se defender deles.

A China “não compartilha nossos valores e muitas vezes seus interesses colidem com os nossos” e o líder chinês Xi Jinping está “muito ciente que agora estamos em um estágio mais assertivo com a China”, declarou.

Embora o Reino Unido não busque uma “relação adversa” com a China, “temos que ser muito sólidos na luta por nossos próprios interesses”, acrescentou.

Com informações da PA mídia

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

EXCLUSIVO: estados investigam aumento na taxa de mortalidade entre 18 a 49 anos – maioria não relacionada à COVID-19

EXCLUSIVO: estados investigam aumento na taxa de mortalidade entre 18 a 49 anos – maioria não relacionada à COVID-19
Departamentos de saúde em vários estados confirmaram ao Epoch Times que estão analisando um aumento acentuado na taxa ...
Leia Mais >
 

“MADE IN CHINA”

“MADE IN CHINA”
Por NTD Notícias “Made in China”. Essas palavras aparecem em tudo, de computadores a brinquedos e imensas peças ...
Leia Mais >
 

China impõe duras medidas de controle da pandemia

China impõe duras medidas de controle da pandemia
Os EUA dizem que não se deterão com as últimas sanções da China. Pequim penalizou 4 oficiais americanos ...
Leia Mais >
 

Senador americano pede cooperação com Brasil para conter China

Senador americano pede cooperação com Brasil para conter China
Um senador americano pede ao líder da defesa de seu país que aprofunde a cooperação com o Brasil. ...
Leia Mais >