China comunista é o ‘novo império do mal’ que deseja ‘derrotar totalmente’ os EUA, diz senador Ted Cruz

Por Cathy He e Jan Jekielek

O regime comunista chinês é o “novo império do mal” que pretende derrotar os Estados Unidos para se tornar a única superpotência do mundo, alertou o senador republicano Ted Cruz, do Texas.

“Os objetivos da China são dominar o mundo”, disse Cruz em uma entrevista recente ao programa American Thought Leader do Epoch Times. “Eles pretendem derrotar completamente os Estados Unidos”.

Baseando-se no famoso discurso do presidente Ronald Reagan sobre a Guerra Fria, que descreveu a União Soviética como um “império do mal”, Cruz declarou que o mundo agora está lutando contra um novo regime maligno que foi formado pelo Partido Comunista Chinês.

Para conter a ameaça, o senador acredita que o governo dos Estados Unidos deveria observar uma página do livro de Reagan.

“Durante a Guerra Fria, não entramos em uma guerra de tiro com a União Soviética”, observou ele. “Em vez disso – e Reagan entendeu isso melhor – nos comprometemos com um esforço sistemático e abrangente para lançar uma luz, usar o poder da verdade, usar pressão econômica, usar pressão diplomática, usar o poder do sistema de livre empresa dos Estados Unidos, para derrubá-los e levá-los à falência”.

“Precisamos ter a mesma estratégia abrangente que tínhamos quando vencemos a Guerra Fria, precisamos ter a mesma estratégia para derrotar a China.”

Cruz diz que esta abordagem requer entender a amplitude da agressão do regime comunista contra os Estados Unidos, da espionagem à propaganda, do roubo de propriedade intelectual às campanhas de influência maliciosa, bem como suas ameaças no exterior, incluindo abusos dos direitos humanos em seu território, a subversão das liberdades de Hong Kong e a intimidação da autodeterminação em Taiwan.

Hong Kong é a “nova Berlim, a nova frente entre a tirania e a liberdade”, acrescentou ele, observando que, desde que Pequim impôs uma nova lei de segurança nacional a Hong Kong no início deste ano, a cidade viu restrições irrestritas precedentes para as liberdades, que ativistas dizem que deram início a um regime autoritário sobre o centro financeiro.

Enquanto isso, disse o senador Cruz, Hong Kong e Taiwan são importantes porque representam “um farol de liberdade para o mundo”.

“Isso mostra a fragilidade do governo chinês porque revela paz e prosperidade em pessoas de origem étnica chinesa, mas que vivem – ou viveram, no caso de Hong Kong – livres, com liberdade de negócios e desfrutando de incrível prosperidade”, disse Cruz.

O Partido Comunista Chinês (PCC) há muito promove a propaganda de que o povo chinês precisa do Partido para prosperar e ter sucesso como nação.

Como um crítico ferrenho do PCC no Congresso, Cruz despertou sua ira. Ele foi sancionado duas vezes por Pequim nos últimos meses, primeiro por se manifestar contra a repressão do regime aos muçulmanos uigures na região de Xinjiang, e depois por abusos em Hong Kong. Cruz também apresentou vários projetos de lei, visando uma série de ameaças do PCC, como combater sua influência em Hollywood e reduzir a dependência da cadeia de suprimentos dos EUA da China.

De acordo com o senador, antes da pandemia havia muitas pessoas em Washington que eram “apologistas da China”, incluindo legisladores de ambos os lados do corredor.

“Eles só viam que poderiam conseguir dólares, viam o enorme mercado chinês e, infelizmente, vimos isso com as empresas americanas. Vemos isso em Hollywood. Vemos isso com as ligas esportivas”, disse ele.

“Eles querem tanto que estão dispostos a fazer negócios com torturadores e assassinos. Eles estão dispostos a fechar os olhos. Eles estão dispostos a dar ao Partido Comunista Chinês a pena da censura”.

A pandemia do vírus PCC, no entanto, fez com que muitos em Washington e em outros lugares repensassem fundamentalmente a relação dos Estados Unidos com o regime chinês, observou o senador.

Na semana passada, Cruz se juntou a um grupo bipartidário de legisladores que convidou o CEO da Walt Disney Co. para explicar como a empresa fez parceria com a propaganda de Xinjiang e as autoridades de segurança para o filme “Mulan”. A empresa foi criticada por sua decisão de filmar cenas na região de Xinjiang, onde mais de um milhão de uigures e outras minorias muçulmanas estão detidos em campos de internamento. Os créditos finais do filme agradecem à agência das autoridades de segurança da região, bem como outras agências governamentais.

“A Disney agradece às forças policiais, os capangas com botas que comandam os campos de concentração”, disse Cruz.

“Esta é a Disney, pelo amor de Deus. Quero dizer, isso é, você sabe, deveria ser como uma torta de maçã e a mamãe.”

Siga Cathy no Twitter: @CathyHe_ET

Siga Jan no Twitter: @JanJekielek

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
 
 

Epstein e Bill Clinton viajaram juntos, Maxwell confirma em novo comunicado divulgado

Epstein e Bill Clinton viajaram juntos, Maxwell confirma em novo comunicado divulgado
Ghislaine Maxwell, associada de longa data do falecido criminoso sexual Jeffrey Epstein, confirmou em uma declaração recentemente divulgada ...
Leia Mais >
 

Trump: conta em banco chinês?

Trump: conta em banco chinês?
Por NTD Notícias A eleição americana se aproximando destaca os negócios de cada candidato, particularmente com a China. ...
Leia Mais >
 

Sócio de Hunter Biden afirma que falou com Joe Biden sobre acordo com China

Sócio de Hunter Biden afirma que falou com Joe Biden sobre acordo com China
O ex-parceiro de negócios de Hunter Biden disse na quinta-feira que se encontrou com o ex-vice-presidente Joe Biden ...
Leia Mais >
 

FDA aprova primeiro tratamento COVID-19 com remdesivir

FDA aprova primeiro tratamento COVID-19 com remdesivir
A Food and Drug Administration dos EUA aprovou o remdesivir, medicamento antiviral da Gilead Sciences, na quinta-feira, para ...
Leia Mais >