China, Argentina e Brasil: retrospectiva, opinião e alerta

Por Marcos Schotgues

Ao fim de 2018, a CGTN, mídia estatal da ditadura comunista chinesa, noticiava uma nova era de parceria entre seu país natal e a Argentina. À época o presidente Mauricio Macri e o ditador vitalício Xi Jinping haviam se encontrado cinco vezes em menos de três anos. Eram públicos os pronunciamentos sobre “uma nova era nas negociações sino-argentinas”.

Semana passada a jornalista Cleide Silva, do Estadão, publicou com imenso eco um anúncio de que a China substituiu o Brasil como maior parceiro comercial da Argentina em abril. É o ápice das interações entre Pequim e Buenos Aires que tomaram forma em 1972 como parte do projeto de Chou En-Lai e Mao Tsé-Tung para reabrir conversas comerciais com o ocidente. Na década de 1970, Mao estabeleceu em poucos anos relações com diversos países na América do Sul que, assim como os Estados Unidos*, alteraram seu reconhecimento diplomático da República da China, em Taiwan, para o regime totalitário do Partido Comunista Chinês (PCC).

Desde então, a constante expansão da influência amarela vem sendo entusiasticamente incentivada no continente. A China é hoje o parceiro de negócios mais importante da América do Sul. O valor do comércio mandarim com o Brasil, principal economia local, foi de 98,142 bilhões de dólares em 2019 de acordo com números publicados via Macau Hub, jornal chinês.

Entretanto, a cooperação econômica internacional com o Partido Comunista Chinês levanta preocupações, conforme alerta José Augusto de Castro, da Associação de Comércio Exterior do Brasil ao comentar sobre a situação sino-argentina: “No curto prazo não tem como reverter isso, pois o custo Brasil continua alto”, diz. “Mas se o Brasil deixar a China colocar seus pés na América do Sul, ela vai ocupar todos os países da região”.

O presidente argentino Mauricio Macri e sua esposa Juliana Awada recebem o líder chinês Xi Jinping e sua esposa Peng Liyuan após a Cúpula de Líderes do G-20 em 2018, em 2 de dezembro de 2018, em Buenos Aires, Argentina (Ricardo Ceppi / Getty Images)
O presidente argentino Mauricio Macri e sua esposa Juliana Awada recebem o líder chinês Xi Jinping e sua esposa Peng Liyuan após a Cúpula de Líderes do G-20 em 2018, em 2 de dezembro de 2018, em Buenos Aires, Argentina (Ricardo Ceppi / Getty Images)

De fato, é manifesto o interesse chinês em “ocupar todos os países da região”. O estarrecedor é isto ser tratado com tamanha naturalidade, e mesmo ser abraçado, tanto por governantes como pelo público em geral. Dois dos aspectos mais fundamentais destes eventos vêm sendo amplamente ignorados. Um deles é o fato de o comércio com a China mostrar-se algo feito por certo preço e sob certas condições.

Um regime que foi formado pelo comunismo soviético e que dedicou 71 anos de existência a matar mais de sua própria população em tempos de paz do que a somatória de mortos da 2ª Guerra Mundial, conflito mais intenso da história do mundo, possui imensas noções de controle, autoproteção e estratégias extrajudiciais de ação. Isto não é uma condição que possa ser ignorada, tratando-o como um mero competidor de mercado. A literatura acadêmica no assunto, como a obra “The Dictator’s Dilemma”, de Bruce Dickson, valida esta declaração.

Este preço e estas condições são muito bem expressos pelo antigo secretário de estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson. Já em 2018, Tillerson postulava sobre a postura da China: “…encoraja dependência, usando contratos opacos, práticas de empréstimo predatórias e negociações corruptas para subjugar nações através de dívidas e minar sua soberania, negando-as crescimento sustentável em longo prazo”. Os exemplos de países levados tornarem-se reféns do Partido Comunista Chinês por estas circunstâncias abundam e de forma bem documentada. Sri Lanka; Paquistão; Montenegro; Ilhas Maldivas e Djibouti estão entre os mais explícitos, cedendo terra, infraestrutura, bases militares e controle sobre seu planejamento estrutural. É possível identificar diretrizes do PCC para a implantação deste modelo de negócios também em solo latino.

O segundo aspecto é o de que estabelecer comércio com a China pode, em essência, ser considerado falha moral e acovardamento perante a tirania. Se esta declaração pode a um leitor desavisado parecer extrema ou inverossímil, cabe explicação: este é um governo abertamente genocida. Seus crimes foram comprovados por corpos legais internacionais como o London China Tribunal. Investigações quanto a seus métodos utilizados para a tortura de prisioneiros de consciência foram indicadas a condecorações como o Prêmio Nobel, a exemplo do Kilgour-Matas Report. Não restam dúvidas de suas extensas atrocidades. Não há evidências da intenção de encerrá-las.

Para fins de proporção, estabeleça-se um paralelo compreensível ao ocidente: o comércio, de qualquer país com a China do Partido Comunista Chinês está, no mínimo, em equivalência moral com relações de negócios frente à Alemanha Nazista de Adolf Hitler. Exatamente como à época da década de 1930 estas eram tidas como livres de qualquer problema, ou ao menos viáveis, o governo Maoísta de Xi Jinping, originário do Marxismo-Leninismo, é tratado como propulsor de uma nação industrializada e moderna. O mundo todo, e certamente a América do Sul, deseja negociar com este.

Em assustadores esforços, a China, sob a boa vontade e cooperação plena e absolutamente irrestrita de governantes como Mauricio Macri e João Dória afirma-se perante o continente, jamais confrontada com os empecilhos aqui postulados. Ao contrário, vem a ser a principal parceira comercial da Argentina, desbancando da posição a maior economia regional, o Brasil.

Resta saber do equilíbrio entre a conivência com o inaceitável e a capacidade de reação frente ao nefasto: terão Argentina, Brasil e América do Sul compreensão, integridade e condições para impedir que se replique o destino dado aos países subjugados pelo Partido Comunista Chinês mundo afora?

*Os Estados Unidos mantém formalmente seu reconhecimento diplomático da China, e sua embaixada, junto à Pequim, abdicando pelo “Princípio de Uma Só China” estabelecido pelo Partido Comunista Chinês, governante da República Popular da China, desde 1979. É concedida aos Estados Unidos por Pequim uma série única de liberdades para interação não oficial com Taiwan em regime de exceção. Para fins de esclarecimento, postulamos que o TAIPEI Act, lei sancionada pelo governo dos EUA em março contendo manifesto apoio ao fortalecimento das relações entre Taiwan e os países do mundo não altera em caráter oficial o status diplomático firmado na década de 1970.

As opiniões deste artigo são ideias do autor e não refletem necessariamente os pontos de vista do Epoch Times.

Ajude nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

A conexão de Wall Street com a pandemia

 
 
 

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América
Hoje, as "plataformas de entretenimento" dos EUA estão tão "desesperadas pelo mercado chinês" que agora estão dispostas a ...
Leia Mais >
 

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.
Por NTD Notícias Evidências apontam que a catástrofe das enchentes na China vem das autoridades do Partido Comunista. ...
Leia Mais >
 

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição
O Epoch Times realizou um painel de discussão em 19 de julho entre os principais especialistas na Constituição ...
Leia Mais >
 

Enchentes mortíferas na China

Enchentes mortíferas na China
Por NTD Notícias O senador Marco Rubio na terça-feira disse em tuite que o fechamento do instituto Confúcio ...
Leia Mais >