China anuncia que está impondo sanções a advogados e políticos do Reino Unido em retaliação pelas medidas em Xinjiang

Por Alexander Zhang

O regime chinês anunciou na sexta-feira que está impondo sanções a indivíduos e entidades britânicas em retaliação às sanções do Reino Unido contra autoridades chinesas responsáveis ​​pelo suposto abuso de uigures em Xinjiang.

A Grã-Bretanha anunciou sanções em 22 de março em coordenação com a União Européia , Canadá e Estados Unidos contra autoridades chinesas por supostas violações dos direitos humanos de muçulmanos uigures.

O Ministério das Relações Exteriores da China disse na sexta-feira que convocou o embaixador da Grã-Bretanha na China para “apresentar representações solenes, expressando firme oposição e forte condenação”.

Pequim decidiu sancionar nove indivíduos e quatro entidades do lado do Reino Unido que “espalham mentiras e desinformação maliciosamente”, disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês.

Em resposta, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson disse: “Os parlamentares e outros cidadãos britânicos sancionados pela China hoje estão desempenhando um papel vital para iluminar as graves violações dos direitos humanos perpetradas contra os muçulmanos uigures”.

“A liberdade de se opor ao abuso é fundamental e estou firmemente com eles”, escreveu ele no Twitter.

O secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, Dominic Raab, disse em um comunicado: “É bastante significativo que, enquanto o Reino Unido se junta à comunidade internacional para punir os responsáveis ​​por abusos aos direitos humanos, o governo chinês sanciona seus críticos.

“Se Pequim quiser refutar com credibilidade as alegações de abusos dos direitos humanos em Xinjiang, deve permitir ao Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos total acesso para verificar a verdade.

Os nove indivíduos do Reino Unido incluem cinco parlamentares conservadores – Tom Tugendhat, Iain Duncan Smith , Neil O’Brien, Tim Loughton e Nusrat Ghani – que falaram sobre os abusos dos direitos humanos do regime chinês em Xinjiang.

Tugendhat, um dos parlamentares visados, que preside o Comitê de Relações Exteriores da Câmara dos Comuns, respondeu no Twitter que “Tentar silenciar os eleitos pelo povo britânico é um ataque direto à democracia britânica e à nossa soberania”.

Ghani disse que “não será intimidada ou silenciada”, nem o governo britânico.

“Usarei minha liberdade para levantar a situação dos uigures e considerarei essa sanção como um emblema de honra”, escreveu ela no Twitter .

A lista inclui dois membros da Câmara dos Lordes – Lord David Alton, um cross-bencher, e sua colega trabalhista Baronesa Helena Kennedy.

O alvo também foi Sir Geoffrey Nice QC, que presidiu o Tribunal da China sobre extração forçada de órgãos e agora lidera um tribunal que investiga o tratamento dado aos uigures por Pequim.

Além disso, uma acadêmica britânica – Joanne Nicola Smith Finley, da Universidade de Newcastle – foi submetida às medidas.

Finley escreveu no Twitter : “Parece que estou sendo sancionado pelo governo da RPC (chinês) por falar a verdade sobre a tragédia de #Uyghur em #Xinjiang e por ter uma consciência. Bem, que assim seja. Não me arrependo de falar abertamente e não serei silenciado. ”

As entidades visadas incluem o Grupo de Pesquisa da China, estabelecido por um grupo de parlamentares conservadores para reformular a política do Reino Unido para a China; a Comissão Conservadora de Direitos Humanos; e Essex Court Chambers, que emitiu um parecer jurídico em fevereiro de que “as evidências disponíveis estabelecem com credibilidade que crimes contra a humanidade e o crime de genocídio foram cometidos” no tratamento dado aos uigures em Pequim, de acordo com a Global Legal Action Network.

O Ministério das Relações Exteriores da China disse que os indivíduos sancionados e seus familiares próximos estão proibidos de entrar na China continental, Hong Kong e Macau, e suas propriedades na China, se houver, serão congeladas.

O regime já sancionou indivíduos da UE em retaliação às sanções da UE contra funcionários chineses. Ele disse em 22 de março que decidiu impor sanções aos legisladores europeus, o principal órgão de decisão de política externa da UE conhecido como Comitê Político e de Segurança, e dois institutos.

A Reuters contribuiu para esta reportagem.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
 
 

Grupo bipartidário pede ‘revisão abrangente’ do financiamento dos EUA para pesquisa de vírus na China

Grupo bipartidário pede ‘revisão abrangente’ do financiamento dos EUA para pesquisa de vírus na China
Um grupo bipartidário de senadores está convocando o presidente Joe Biden para garantir que os Estados Unidos concluam ...
Leia Mais >
 

Autoridades chinesas destroem barragem

Autoridades chinesas destroem barragem
Por NTD Notícias Chineses, passaram dias e noites fortificando as margens de rios para evitar inundações, apenas para ...
Leia Mais >
 

Movimento fundado por Oswaldo Payá propõe medidas para isolar o regime comunista de Cuba

Movimento fundado por Oswaldo Payá propõe medidas para isolar o regime comunista de Cuba
O Movimento Cristão de Libertação (MCL) fundado pelo falecido Oswaldo Payá na terça-feira propôs medidas para isolar o ...
Leia Mais >
 

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.
Por NTD Notícias Evidências apontam que a catástrofe das enchentes na China vem das autoridades do Partido Comunista. ...
Leia Mais >