China admite que “Um Cinturão, Uma Rota” tem objetivos comerciais e militares

Por Chriss Street, Epoch Times

O ministro da Defesa da China, Wei Fenghe, reconheceu pela primeira vez publicamente que a iniciativa comercial chinesa “Um Cinturão, Uma Rota” (OBOR, na sigla em inglês), de US $ 1,3 bilhão, também tem objetivos militares. Ele fez esses comentários em 10 de julho durante uma visita a um grupo de chefes militares do Pacífico Sul e do Caribe, segundo a agência de notícias Xinhua.

Em 2017, o líder chinês Xi Jinping se referiu à iniciativa OBOR como o “projeto do século” que criará a maior rede mundial de portos, ferrovias, oleodutos, rodovias e passagens de fronteira simplificadas. Mais de 126 nações – representando dois terços da população mundial – assinaram ou mostraram interesse pela iniciativa.

A magnitude desse sonho é agora evidente com a revelação de que a Gazprom já completou o trecho de 3.000 km até a fronteira norte da China do “Gasoduto O Poder da Sibéria”, de US$ 55 bilhões. Em 9 de julho, o primeiro-ministro Dmitry Medvedev anunciou que a Rússia vai investir mais US$ 9,5 bilhões para construir um trecho de rodovia de 2.000 km para caminhões pesados sob o projeto OBOR, que irá estender 6.400 km do oeste da China até os portos holandeses no Oceano Atlântico.

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, saudou o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, e a diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, 37 chefes de Estado e representantes de 150 nações, que participaram do Fórum Um Cinturão, Uma Rota, que foi realizado em Pequim em 25 de abril, afirmando que o OBOR “está se tornando um caminho limpo para cooperação, prosperidade, abertura, desenvolvimento verde e um resultado que beneficiará todos os países”.

O Epoch Times publicou em sua edição em inglês um artigo do escritor independente James Gorrie que advertia que o Partido Comunista Chinês (PCC) está promovendo o projeto OBOR porque sua única “reivindicação de legitimidade está diretamente relacionada à prosperidade econômica”. O Conselho de Relações Exteriores recentemente advertiu que o OBOR pode ser um “cavalo de Troia para o desenvolvimento regional liderado pela China, a expansão militar e as instituições controladas por Pequim”.

O jornal The New York Times informou que os planos de “desenvolvimento verde” da iniciativa OBOR incluem a construção de 700 geradores movidos a carvão no país asiático e outras 300 usinas a carvão em lugares como Turquia, Vietnã, Indonésia, Bangladesh, Egito e Filipinas.

O Centro para o Desenvolvimento Global (CDG) informou que os termos dos empréstimos OBOR oferecidos pela China aos países emergentes representaram pesada carga para Djibuti, Sri Lanka, Quirguistão, Laos, Maldivas, Mongólia, Montenegro, Paquistão e Tajiquistão “com um risco particular de problemas de endividamento”. Quando o Sri Lanka deixou de pagar um empréstimo de US$ 8 bilhões para uma empresa chinesa que construiu um porto de águas profundas, ele foi forçado a transferir ativos em 2017 para atender à dívida.

O CDG cita uma análise do Banco Asiático de Desenvolvimento sobre os US$ 26 bilhões em empréstimos para financiar os projetos de infraestrutura planejados para o período 2016-2030; aparentemente, esses projetos fracassarão financeiramente se os países mutuários não forem capazes de manter taxas de crescimento anuais de 3 a 7%.

Menosprezando os “desafios e turbulências” de uma guerra comercial com os Estados Unidos e alguns projetos OBOR no mundo em desenvolvimento, em 8 de julho, o vice-presidente chinês Wang Qishan disse na reunião do Fórum Mundial da Paz na prestigiada Universidade Tsinghua, de Pequim, que a China deveria permanecer comprometida com o globalismo econômico.

“O desenvolvimento da China não pode ser separado do mundo e o desenvolvimento do mundo não pode ser separado da China.” Ele acrescentou: “As grandes nações têm que assumir mais responsabilidade e contribuir mais para a estabilidade e a paz do mundo”.

Mas o conselheiro de Estado e ministro da Defesa da China, Wei Fenghe, dispensou as sutilezas em 10 de julho quando disse a um contingente de chefes militares do Pacífico Sul e do Caribe que, através dos projetos globais de infraestrutura da iniciativa OBOR “a cooperação será promovida em áreas como a luta contra o terrorismo, a manutenção da paz e a ajuda em situações de desastre para fortalecer os intercâmbios e a cooperação dentro da estrutura do OBOR”, segundo a Xinhua.

O site Geopolitical Futures comentou que a confissão foi uma surpresa, porque Pequim negou “por muito tempo e em voz alta” que o projeto OBOR seja destinado a expandir sua presença militar no exterior:

“Para que Pequim se sinta segura, tem que ser capaz de impedir que potências externas imponham um bloqueio em torno de passagens estreitas ao longo de sua periferia. Isso significa que ela precisa de tropas longe da costa chinesa, e precisa de portos, aeródromos, redes de logística em países amigos para apoiá-la. A China apenas simulou o oposto para minimizar a oposição política nos países parceiros da OBOR e diminuir o senso de urgência em potenciais adversários, como os Estados Unidos e seus aliados, para combater projetos da OBOR.”

A atitude da maioria dos especialistas em política externa dos Estados Unidos era: se a China quer gastar muito dinheiro em infraestrutura OBOR com valor comercial duvidoso, “devemos sair”.

Mas o Geopolitical Futures enfatiza que com o domínio dos mares como base da segurança nacional americana, se a China usar a iniciativa OBOR para construir instalações militares camufladas e potencialmente armá-las com armas hipersônicas que viajam a uma velocidade cinco vezes maior que a velocidade do som representará a primeira ameaça existencial ao domínio da frota de porta-aviões dos Estados Unidos.

Para que as armas hipersônicas ataquem efetivamente qualquer um dos onze grupos de forças de operações americanas com porta-aviões, serão necessárias plataformas de reconhecimento espacial e seleção de alvos. Defender e combater esse ataque exigirá plataformas de contra-ataque espacial. Portanto, quem dominar o espaço dominará os oceanos.

 
 
 

Jornal Epoch Times é removido de cadeia de lojas em Hong Kong, gerando preocupação sobre a pressão de Pequim

Jornal Epoch Times é removido de cadeia de lojas em Hong Kong, gerando preocupação sobre a pressão de Pequim
Os moradores de Hong Kong estão expressando suas preocupações depois que uma franquia local da popular cadeia de ...
Leia Mais >
 

Governo e empresários planejam campanha para estimular economia

Governo e empresários planejam campanha para estimular economia
Com o objetivo de movimentar a economia e estimular o turismo interno e o varejo, o governo brasileiro ...
Leia Mais >
 

EUA: Comitê Nacional Republicano aprova resolução contra extração forçada de órgãos na China

EUA: Comitê Nacional Republicano aprova resolução contra extração forçada de órgãos na China
O Comitê Nacional Republicano (RNC) dos Estados Unidos aprovou por unanimidade uma resolução em 2 de agosto de ...
Leia Mais >
 

Câmara aprova urgência para projeto que autoriza porte de arma para novas categorias profissionais

Câmara aprova urgência para projeto que autoriza porte de arma para novas categorias profissionais
O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou na tarde desta quarta-feira (14) o regime de urgência para o ...
Leia Mais >