Boxeador Anthony Joshua é requisitado a falar dos direitos humanos na Arábia Saudita

Por Chris Summers 

O britânico Anthony Joshua foi requisitado pela Anistia Internacional a usar a “plataforma” de sua próxima revanche pelo título mundial dos pesos pesados ​​com o campeão Oleksandr Usyk, na Arábia Saudita, para falar sobre o histórico de direitos humanos no país.

Em setembro, Joshua perdeu seus cinturões de pesos pesados ​​da WBA, IBF e WBO para o ucraniano de 35 anos em uma luta de 12 rounds no estádio Tottenham Hotspur, em Londres.

Mas o contrato da luta incluía uma cláusula de revanche e no domingo foi confirmado que Joshua–Usyk II – uma luta apelidada de A Raiva no Mar Vermelho – acontecerá no Jeddah Super Dome, com capacidade para 35.000 pessoas, em 20 de agosto.

Anthony Joshua espera no ringue antes de sua luta com Oleksandr Usyk pelo título mundial dos pesos pesados ​​no estádio do Tottenham Hotspur, em Londres, em 25 de setembro de 2021 (Chris Summers/Epoch Times)
Anthony Joshua espera no ringue antes de sua luta com Oleksandr Usyk pelo título mundial dos pesos pesados ​​no estádio do Tottenham Hotspur, em Londres, em 25 de setembro de 2021 (Chris Summers/Epoch Times)

 ​A ​Arábia Saudita foi acusada pela Anistia de tentar “disfarçar pelo esporte” seu histórico de direitos humanos, ao sediar grandes lutas de boxe, comprar o clube da Premier League inglesa Newcastle United e patrocinar a série de golfe LIV.

Peter Frankental, diretor de assuntos econômicos da Anistia Internacional do Reino Unido, disse ao The Guardian na segunda-feira: “como dissemos aos golfistas da série LIV e com a venda do Newcastle United, gostaríamos de ver figuras esportivas de grande importância se pronunciando sobre os direitos humanos para quebrar o feitiço maligno da lavagem esportiva saudita”.

“Nós exortamos Anthony Joshua a usar sua plataforma para mostrar solidariedade com aqueles que foram perseguidos sob a repressão de Mohammed bin Salman”, acrescentou.

Em 2020, o governo britânico impôs as chamadas sanções Magnitsky a 20 cidadãos sauditas acusados ​​de participar do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi no consulado saudita em Istambul. O governo saudita negou ter ordenado a morte de Khashoggi.

O país de Usyk, a Ucrânia, foi invadido pela Rússia no início deste ano e o conflito gerou alegações de violações generalizadas dos direitos humanos, principalmente por parte da Rússia.

A revanche Joshua-Usyk estava originalmente marcada para junho, mas Usyk retornou à Ucrânia em fevereiro após a invasão russa e parecia pronto para lutar na linha de frente, junto com o prefeito de Kiev, Vitaly Klitschko, e seu irmão Wladimir, ex-campeão dos pesos pesados.

Mas Usyk mais tarde recebeu permissão do governo ucraniano para deixar o país e retornar ao seu campo de treinamento e agora está se preparando para a luta em agosto.

Usyk, que derrotou Joshua na primeira luta e permanece invicto, disse esta semana: “Tenho um objetivo, com a ajuda do Senhor, completarei minha missão”.

Joshua, que conquistou os mesmos três títulos na Arábia Saudita em 2019 depois de perdê-los para o americano Andy Ruiz, disse que estava “mais motivado do que nunca” e estava convencido de que seria campeão mundial dos pesos pesados ​​pela terceira vez, igualando o recorde de Muhammad Ali.

O vencedor de Joshua-Usyk II é fortemente cotado para lutar contra o campeão do WBC Tyson Fury, que defendeu seu título contra o britânico Dillian Whyte no mês passado.

No ano passado, Joshua concordou em princípio em encontrar Fury em uma luta para decidir quem é o campeão indiscutível dos pesos pesados ​​do mundo, mas Fury foi ameaçado com uma ação legal por Deontay Wilder e foi forçado a lutar contra o americano pelo título do WBC pela terceira vez.

Joshua optou por defender seu título da WBO contra o desafiante obrigatório, Usyk, mas sua derrota chocante atrasou ainda mais uma luta Joshua-Fury, que os fãs de boxe esperavam desde 2018.

Fury disse ao The Sun que teve a entrada nos Estados Unidos negada na sexta-feira, supostamente devido a sua associação com o promotor irlandês Daniel Kinahan, que foi sancionado pelo Tesouro dos EUA.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva
David Stillwell, é um general de brigada americano reformado. De 2011 a 2013 ele foi diplomata na embaixada ...
Leia Mais >
 

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA
O presidente Jair Bolsonaro discursou a uma multidão em Santa Catarina no sábado. Ele falou em “luta do ...
Leia Mais >
 

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL
Um impasse para o Brasil? Ocorreu a cúpula do BRICS. China e Rússia falam em uma expansão do ...
Leia Mais >