Barcos iranianos tentam sem sucesso capturar petroleiros britânicos no Golfo

Por Reuters

WASHINGTON – Cinco barcos supostamente pertencentes à Guarda Revolucionária iraniana se aproximaram de um petroleiro britânico no Golfo, na quarta-feira, e pediram para que ele parasse nas águas iranianas próximas, mas se retiraram depois que um navio de guerra britânico os advertiram, disseram autoridades dos Estados Unidos.

O Ministério da Defesa da Grã-Bretanha não fez comentários imediatos.

O incidente ocorreu quase uma semana depois que os marinheiros britânicos embarcaram em Gibraltar em um navio-tanque iraniano, Grace 1, e apreenderam-no com a suspeita de que estava quebrando sanções ao levar petróleo para a Síria.

Mais cedo na quarta-feira, o presidente iraniano, Hassan Rouhani, disse que a Grã-Bretanha enfrentaria “consequências” sobre a apreensão do petroleiro iraniano.

As tensões entre o Irã e os Estados Unidos e seus aliados aumentaram desde que Washington intensificou as sanções econômicas contra o Irã e moveu as exportações de petróleo do país para zero como parte de uma política de “pressão máxima” para fazer com que o Irã suspenda as ações que dizem prejudicar a segurança regional.

O Irã respondeu às sanções ao começar a violar os limites impostos às suas atividades nucleares em um acordo de 2015 com as potências mundiais.

Vários petroleiros foram atacados em águas perto da costa sul do Irã em maio e junho, pelos quais os Estados Unidos culparam o Irã. Teerã negou qualquer envolvimento.

No mês passado, o Irã abateu um drone dos Estados Unidos perto do Estreito de Ormuz. O presidente Donald Trump cancelou ataques aéreos de retaliação dizendo que nenhuma vida americana foi perdida e ele não queria que as tensões com Teerã aumentassem.

“Nós não tínhamos um homem ou uma mulher no drone”, ele disse na época. “Isso teria feito uma grande diferença.

“Acho difícil acreditar que foi intencional, se você quer saber a verdade. Acho que poderia ter sido alguém irresponsável e estúpido que fez isso.”

As autoridades dos EUA, falando sob condição de anonimato, disseram que o incidente de quarta-feira aconteceu quando o patrimônio britânico estava na entrada norte do Estreito de Hormuz.

“A Marinha Real Britânica, com o HMS Montrose, que também estava lá, apontou armas para os barcos e os avisou por rádio, quando eles se dispersaram”, disse um dos oficiais.

“Foi o assédio e uma tentativa de interferir com a passagem”, disse o outro funcionário.

Os Estados Unidos esperam alistar aliados nas próximas duas semanas em uma coalizão militar para proteger as águas estratégicas do Irã e do Iêmen, disse na terça-feira o general Joseph Dunford, chefe do Estado-Maior Conjunto.

 
 
 

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para apoiar manifestantes de Hong Kong

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para apoiar manifestantes de Hong Kong
Por Eva Fu A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou por unanimidade, em 15 de outubro, uma ...
Leia Mais >
 

Bolsonaro não vê justa causa para sair do PSL, diz porta-voz

Bolsonaro não vê justa causa para sair do PSL, diz porta-voz
Por Pedro Rafael Vilela, Agência Brasil O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, afirmou nesta segunda-feira (15) ...
Leia Mais >
 

Peste suína na China aumenta exportações de carne de porco no Brasil

Peste suína na China aumenta exportações de carne de porco no Brasil
Por Fernando Lopes, Epoch Times As exportações da carne suína para o país Chinês seguem aumentando. O ritmo ...
Leia Mais >
 

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong
Os Estados Unidos e as autoridades europeias manifestaram alarme ao saber das detenções de vários ativistas pró-democracia de ...
Leia Mais >