Autonomia de Hong Kong sob escrutínio após vigília anual pelo massacre da Praça da Paz Celestial ser cancelada

Por Frank Fang

Pela primeira vez em 30 anos, a polícia de Hong Kong proibiu uma vigília anual para comemorar as vítimas do Massacre da Praça da Paz Celestial em 1989.

A decisão ocorre em meio a preocupações crescentes com o rígido controle de Pequim sobre a cidade, depois que a legislatura fantoche aprovou uma lei de segurança nacional a ser aplicada em Hong Kong.

A organização pró-democracia Aliança de Hong Kong para apoiar os movimentos democráticos patrióticos da China, criada em maio de 1989 em solidariedade aos estudantes chineses que protestam na Praça Tiananmen, realizou a vigília à luz de velas no Victoria Park, todos os anos desde 1990.

Os protestos de 1989, que foram brutalmente reprimidos pelo regime chinês em junho daquele ano, são um assunto tabu na China continental. A vigília anual em Hong Kong continua sendo o único evento de comemoração pública no território governado pela China.

No ano passado, a Aliança disse que mais de 180.000 pessoas participaram da vigília. A polícia fez uma estimativa muito mais baixa de 37.000.

Na tarde de 1º de junho, a Aliança publicou o aviso de rejeição da polícia em sua página no Facebook. O grupo solicitou permissão para realizar atividades das 9h às 22h, horário local, em 4 de junho.

A razão que a polícia deu para rejeitar o evento foi porque poderia “aumentar as chances de os participantes contrairem o vírus” e “ameaçar a vida e a saúde dos cidadãos”.

Para impedir a propagação do vírus do Partido Comunista Chinês (PCC), vulgarmente conhecido como novo coronavírus, o governo de Hong Kong proibiu reuniões de grupos com mais de oito pessoas. A polícia disse que o evento violaria a proibição.

Em resposta à decisão da polícia, o presidente e o vice-presidente da Aliança, Lee Cheuk-yan, e Albert Ho, ex-parlamentares de Hong Kong, realizaram uma conferência de imprensa em Victoria Park na segunda-feira à tarde.

Lee disse que a proibição da polícia era “irracional e não científica”, já que “tudo está normal” em Hong Kong, e disse que a polícia estava usando a proibição de distanciamento social para reprimir sua manifestação anual.

De meados de março a meados de abril, Hong Kong experimentou um grande aumento de casos confirmados, de menos de 200 casos para mais de 1.000 casos em 11 de abril. Desde então, a taxa de infecção se estabilizou na cidade. Em 1º de junho, existem 1.088 casos confirmados, dos quais 1.037 foram atendidos em hospitais e quatro morreram.

Lee instou o público a participar de sua vigília on-line ou a comemorar à sua maneira. Ele acrescentou que os membros da Aliança ainda participarão do Victoria Park no dia 4 de junho à noite, em grupos de menos de oito pessoas, mantendo uma distância social adequada, para acender velas e manter um minuto de silêncio às 8:09. pm hora local naquele dia.

Lee Cheuk-yan (à esquerda) e Albert Ho, presidente e vice-presidente da Aliança de Hong Kong para o Apoio aos Movimentos Democráticos Patrióticos da China, organizam uma conferência de imprensa em Hong Kong em 1º de junho de 2020 (Song Bilung / The Epoch Times)
Lee Cheuk-yan (à esquerda) e Albert Ho, presidente e vice-presidente da Aliança de Hong Kong para o Apoio aos Movimentos Democráticos Patrióticos da China, organizam uma conferência de imprensa em Hong Kong em 1º de junho de 2020 (Song Bilung / The Epoch Times)

Lee também expressou preocupação sobre se a Aliança ainda manterá vigília no próximo ano, devido à lei de segurança nacional que será implementada em breve em Hong Kong. A lei foi aprovada pela legislatura fantoche da China na semana passada.

Muitos dos detalhes da lei serão implementados nos próximos meses. Atualmente, o projeto de resolução diz que terá como alvo qualquer atividade que o regime chinês considere como “secessão, subversão, infiltração ou sabotagem”. Também permitiria às autoridades centrais enviar agências de segurança para Hong Kong.

O ministro da Segurança Pública da China, Zhao Kezhi, disse em uma reunião política em Pequim na semana passada que, para implementar a lei, o ministério “forneceria orientação abrangente” à polícia de Hong Kong sobre como “parar os tumultos”, usando um termo que o regime chinês usou para descrever manifestantes em Hong Kong.

Lee disse que a vigília anual seria um teste decisivo para ver se Hong Kong ainda poderá gozar de sua autonomia e liberdade, já que uma das demandas da Aliança é acabar com o governo de partido único na China.

De acordo com a lei de segurança nacional proposta, as críticas ao PCC poderiam ser consideradas um crime de “subversão” ou “secessão”, segundo os legisladores pró-democracia.

No domingo de manhã, a Aliança colocou dez perguntas em sua página do Facebook, questionando a linguagem ambígua no rascunho da lei de segurança nacional de Pequim.

A Aliança questionou se o grupo seria censurado sob a nova lei. Em outra pergunta, ele perguntou se os julgamentos seriam realizados em Hong Kong ou na China continental para casos legais cobrados pela lei de segurança nacional.

A edição de Hong Kong do Epoch Times contribuiu para esta reportagem.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

 

Veja também:

O Método do PCC

 

 
 
 

China fracassa em sua quinta tentativa de lançar foguete este ano, apesar de tentar dominar o espaço

China fracassa em sua quinta tentativa de lançar foguete este ano, apesar de tentar dominar o espaço
O regime chinês não conseguiu lançar um foguete em 10 de julho - a quinta tentativa fracassada que ...
Leia Mais >
 

EUA alertam que Irã poderá comprar armas para vender à Venezuela

EUA alertam que Irã poderá comprar armas para vender à Venezuela
O enviado especial dos Estados Unidos para a Venezuela, Elliott Abrams, alertou na sexta-feira a possibilidade de o ...
Leia Mais >
 

Diosdado Cabello, número dois do Chavismo, tem COVID-19

Diosdado Cabello, número dois do Chavismo, tem COVID-19
O líder pró-governo Diosdado Cabello, presidente da Assembleia Nacional Constituinte (ANC) do Chavismo, testou positivo para o vírus ...
Leia Mais >
 

Pequim: origem do mais recente surto de vírus permanece um mistério e autoridades tentam contê-lo

Pequim: origem do mais recente surto de vírus permanece um mistério e autoridades tentam contê-lo
O regime chinês reverteu sua teoria inicial de que o recente ressurgimento do vírus do PCC em Pequim ...
Leia Mais >