Argentina inicia novo confinamento em meio a seu pior momento na pandemia

Por Agência EFE

A Argentina iniciou no sábado(22) um confinamento total de nove dias que inclui a suspensão de todas as atividades não essenciais em áreas do país de alto risco para a segunda onda de covid-19, que está deixando um número recorde de contágios e mortes e aumentando a pressão sobre os hospitais.

O governo de Alberto Fernández estabeleceu que as pessoas devem permanecer em suas residências habituais e só podem circular nas proximidades de casa entre 6h e 18h – ou fora disso apenas por razões especialmente autorizadas – em áreas do país de “alto risco” e de “alerta” sanitário.

Também foram suspensas atividades sociais, econômicas, educacionais, religiosas e esportivas.

Só estão permitidos negócios essenciais (como alimentos, medicamentos e materiais de limpeza), e setores não essenciais só podem funcionar através de serviços de entrega ou coleta em domicílio.

“A medida é temporária”, disse a ministra da Saúde, Carla Vizzotti, à “Radio 10”, ressaltando que a situação será reavaliada após nove dias e que “medidas intermitentes” serão tomadas, se necessário.

Pior momento da Pandemia

As restrições que começam hoje aprofundam as que o governo Fernández havia implementado a partir de 9 de abril, particularmente em Buenos Aires e sua região metropolitana, porque os casos continuaram a aumentar.

A Argentina está passando por uma segunda onda da pandemia de covid-19 e, durante a semana, registrou um recorde de 39.652 contágios no período de um dia, na última quarta-feira. Com isso, 3.482.512 milhões de casos da doença foram registrados desde o início da crise sanitária, além de 73.391 mortes.

Este aumento vertiginoso nos casos coloca o sistema de saúde em tensão, com uma ocupação de unidades de terapia intensiva (UTI) para todos os tipos de patologias de 73,1% em todo o país e de 76,4% se consideradas apenas Buenos Aires e sua região metropolitana.

“Há cidades e províncias que hoje têm seu sistema de saúde no limite. O problema não está mais limitado a um determinado território. É muito sério, e é evidente em todo o país”, advertiu Fernández na última quinta-feira.

Em meio a essas restrições, o governo espera a chegada de novas vacinas, pois o país, com uma população de cerca de 45 milhões de habitantes, aplicou até agora aproximadamente 10,9 milhões de doses, e apenas 2,3 milhões de pessoas foram inoculadas com duas doses.

Economia e aulas

O governo argentino ampliou a ajuda estatal para proteger setores vulneráveis e empresas afetadas pelas medidas restritivas, lembrando a longa quarentena que no ano passado fez com que a economia despencasse 9,9% e levou o índice de pobreza a 42% da população.

O prefeito de Buenos Aires, Horacio Rodríguez Larreta, surpreendeu ao suspender as aulas presenciais e virtuais durante os três dias úteis da próxima semana para recuperá-las em dezembro, esperando por novas vacinas.

A garantia ou não das aulas presenciais diante do aumento dos contágios continua sendo parte de uma disputa pública entre Fernández e Rodríguez Larreta que chegou aos tribunais e que é discutida amplamente pela população.

Controles de tráfego

Desde a meia-noite de sábado, controles rigorosos de trânsito começaram a funcionar em rodovias e acessos à capital argentina, além de em estações ferroviárias, de metrô e terminais de ônibus. Transportes de longa distância só podem ser utilizados por trabalhadores de setores essenciais.

O fechamento das fronteiras para o turismo foi prorrogado até 11 de junho, assim como a suspensão dos voos de e para o Reino Unido e para os de origem em Brasil, Chile, México e Índia.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
 
 

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América
Hoje, as "plataformas de entretenimento" dos EUA estão tão "desesperadas pelo mercado chinês" que agora estão dispostas a ...
Leia Mais >
 

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.
Por NTD Notícias Evidências apontam que a catástrofe das enchentes na China vem das autoridades do Partido Comunista. ...
Leia Mais >
 

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição
O Epoch Times realizou um painel de discussão em 19 de julho entre os principais especialistas na Constituição ...
Leia Mais >
 

Enchentes mortíferas na China

Enchentes mortíferas na China
Por NTD Notícias O senador Marco Rubio na terça-feira disse em tuite que o fechamento do instituto Confúcio ...
Leia Mais >