Argentina abre investigação sobre crimes de genocídio em Mianmar, outra pode ser aberta na China

Por Alicia Marquez 

Na quinta-feira, um tribunal criminal federal da Argentina abriu investigações por crimes contra a humanidade e genocídio supostamente cometidos pelo exército da Brimânia, também conhecido como Mianmar.

No final de novembro, a Argentina concordou em abrir um processo judicial contra o exército birmanês pelo genocídio de Rohingya uma minoria muçulmana que vive principalmente no estado de Rakhine, na fronteira com Bangladesh – que continua até hoje, de acordo com um comunicado da Organização Rohingya da Birmânia do Reino Unido (BROUK). 

A investigação argentina contra crimes contra a humanidade e genocídio será realizada sob o princípio legal da jurisdição universal, que considera que alguns crimes são tão hediondos que podem ser julgados em qualquer lugar.

“Hoje foi um dia histórico para Rohingya em todo o mundo e nossa longa luta para acabar com o genocídio. Estou profundamente grato pela oportunidade de testemunhar em um tribunal sobre a situação de nosso povo. Este caso não vai terminar da noite para o dia, mas estou confiante de que a justiça vai prevalecer no final”, declarou Tun Khin, presidente da BROUK, na quinta-feira.

Refugiados Rohingya voltam para casa após coletar suprimentos de socorro perto do escritório do líder comunitário assassinado de Rohingya, Mohib Ullah, que foi morto a tiros por homens armados no mês anterior, no campo de refugiados de Kutupalong em Ukhia, no dia 6 de outubro de 2021 (MUNIR UZ ZAMAN / AFP via Getty Images)
Refugiados Rohingya voltam para casa após coletar suprimentos de socorro perto do escritório do líder comunitário assassinado de Rohingya, Mohib Ullah, que foi morto a tiros por homens armados no mês anterior, no campo de refugiados de Kutupalong em Ukhia, no dia 6 de outubro de 2021 (MUNIR UZ ZAMAN / AFP via Getty Images)

“Este é o início de um processo judicial que, em última análise, esperamos que termine com os arquitetos do genocídio Rohingya atrás das grades. Vamos nos concentrar na identificação dos perpetradores desses crimes, até a liderança militar de Mianmar”, acrescentou Tun Khin. 

A organização informou que Tun Khin, durante seu depoimento, destacou sua própria história e as décadas de repressão que os Rohingya enfrentaram na Birmânia. Também chamou a atenção do tribunal para uma série de crimes cometidos pelo Tatmadaw – exército birmanês – e seus representantes durante a violência contra os Rohingya no estado de Rakhine, desde agosto de 2017. 

Julgamento sobre os uigures pode coincidir com as Olimpíadas de Pequim

Além disso, na Argentina, crimes contra a humanidade cometidos pelo Partido Comunista Chinês (PCC) contra a minoria uigur muçulmana, em Xinjiang, na China, podem ir a julgamento por um tribunal no país sul-americano, a partir de 4 a 20 de fevereiro, no momento dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 em Pequim.

Michael Polak, um advogado britânico que representa o Congresso Mundial Uigur, assim como o Projeto Uigur de Direitos Humanos, afirmou que estão preparando uma “queixa penal da jurisdição universal” que será apresentada em fevereiro, antes dos tribunais uigures argentinos, a Associated Press reportou no dia 13 de dezembro.

“Achamos que o que fazemos na Argentina constitui o próximo passo natural para avançar em direção à justiça”, declarou Polak em entrevista à AP.

Polak afirma que o princípio legal da jurisdição universal existe em diferentes sistemas judiciários ao redor do mundo, mas ressaltou que sua aplicação é mais viável na Argentina.

“Existem disposições da jurisdição universal em diferentes regiões ao redor do mundo”, afirmou Polak. “Mas a Argentina é a mais realista porque os tribunais são realmente capazes de usá-la. E eles estão muito interessados ​​em usá-la devido à sua própria história. Realisticamente, o objetivo seria levar essas pessoas aos tribunais argentinos e fazer com que respondessem às denúncias”.

Membros do painel no primeiro dia de audiências no 'Uyghur Court', um painel de advogados e especialistas em direitos com base no Reino Unido que investiga supostos abusos contra uigures na China, em Londres, no dia 4 de junho de 2021 (Tolga Akmen / AFP via Getty Images)
Membros do painel no primeiro dia de audiências no ‘Uyghur Court’, um painel de advogados e especialistas em direitos com base no Reino Unido que investiga supostos abusos contra uigures na China, em Londres, no dia 4 de junho de 2021 (Tolga Akmen / AFP via Getty Images)

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Rússia corta fornecimento de energia elétrica da Finlândia

Rússia corta fornecimento de energia elétrica da Finlândia
O fornecedor russo de energia RAO A Nordic Oy cortou o fornecimento de eletricidade para a Finlândia no ...
Leia Mais >
 

“RÚSSIA CONSIDERA ESSA UMA ‘GUERRA SANTA’ CONTRA O OCIDENTE”: EX-ASSESSOR DE PUTIN | ENTREVISTA

“RÚSSIA CONSIDERA ESSA UMA ‘GUERRA SANTA’ CONTRA O OCIDENTE”: EX-ASSESSOR DE PUTIN | ENTREVISTA
O que se passa na mente de Vladimir Putin? O Dr. Andrei Illarionov. Andrei foi assessor econômico de ...
Leia Mais >
 

“FINLÂNDIA PRECISA SE CANDIDATAR À OTAN ‘SEM DEMORA’”: PRIMEIRA-MINISTRA

“FINLÂNDIA PRECISA SE CANDIDATAR À OTAN ‘SEM DEMORA’”: PRIMEIRA-MINISTRA
A primeira-ministra da Finlândia disse que o país precisa entrar na OTAN “sem demora”. A nação tem se ...
Leia Mais >
 

ALLAN DOS SANTOS, DO TERÇA LIVRE, FALA SOBRE ÚLTIMO BANIMENTO E LIBERDADE DE IMPRENSA

ALLAN DOS SANTOS, DO TERÇA LIVRE, FALA SOBRE ÚLTIMO BANIMENTO E LIBERDADE DE IMPRENSA
Allan dos Santos, jornalista e fundador do canal Terça Livre, teve uma nova conta no youtube banida nesta ...
Leia Mais >