Ameaça do PCC de atacar Taiwan é mera propaganda, dizem especialistas

Por Luo Ya, Li Jing

Na cerimônia de 1º de julho marcando o 100º aniversário da fundação do Partido Comunista Chinês (PCC), o líder Xi Jinping fez um discurso no qual levantou a questão de Taiwan, novamente demonstrando a intenção do PCC de assumir o controle da ilha autônoma pela força.

Naval and Merchant Ships, uma revista militar do PCC, publicou um artigo naquele mesmo dia revelando três passos para atacar Taiwan, o que atraiu a atenção de vários meios de comunicação estrangeiros e alguns especialistas militares.

Xi afirmou que “resolver a questão de Taiwan” é uma “missão histórica com o firme compromisso do Partido Comunista Chinês” e que “ninguém deve subestimar a determinação, vontade e grande capacidade do povo chinês de defender sua soberania e integridade nacional e territorial”.

Ecoando o discurso de Xi, Naval and Merchant Ships, revista militar chinesa de grande circulação, publicou um artigo e um vídeo no mesmo dia propondo os três estágios do ataque a Taiwan.

No primeiro, mísseis balísticos são usados ​​para atacar aeroportos de Taiwan, radares de alerta precoce, bases de mísseis antiaéreos e instalações de coleta e tomada de decisão, como centros de comando localizados em toda a ilha.

No segundo estágio, os mísseis de cruzeiro bombardearão as bases militares, arsenais, radares, infraestruturas de comunicação, rodovias e outras avenidas importantes de Taiwan.

No terceiro estágio, os navios de superfície e as forças de foguetes terrestres lançariam ataques de artilharia para remover os últimos obstáculos para o Corpo de Fuzileiros Navais e as forças anfíbias de desembarque em Taiwan.

Um vídeo animado postado pela revista em sua página Weibo demonstrou como o porta-aviões Liaoning evitaria a intervenção de forças estrangeiras.

O porta-aviões USS Carl Vinson (CVN 70) realiza um reabastecimento no mar com a frota de reabastecimento do petroleiro USNS Yukon (T-AO 202) no Oceano Pacífico em 26 de julho de 2016 (Especialista em Comunicação de Massa da Marinha dos EUA 2ª Classe Patrick W. Menah Jr. / Marinha dos EUA)

Não subestime a trama do PCC

Um especialista militar de Taiwan é de opinião que a mídia oficial do PCC divulgando um plano para atacar Taiwan implica que há uma conspiração do PCC para assumir o controle de Taiwan, e ele acredita que isso não deve ser subestimado.

Cheng-Hsiu Lee, um especialista militar da Fundação de Política Nacional de Taiwan, disse à edição chinesa do Epoch Times: “O PCC pode modelar seu ataque a Taiwan  na incursão iraquiana no Kuwait durante a Guerra do Golfo. A razão é que eles [o PCC] pensam que têm que colocar os taiwaneses de joelhos em um período muito curto de tempo para que os Estados Unidos, Japão e outros países não tenham a oportunidade de intervir. ”

“A julgar pelo plano de ataque militar divulgado pela mídia oficial do PCC, o partido prevê a conquista de Taiwan no menor tempo possível com táticas relâmpago. Essa é uma meta que o PCC sempre quis alcançar e não pode ser subestimada ”, acrescentou Lee. “Taiwan também realizou implantações defensivas nesta área por quase duas décadas.”

A supressão da “intervenção estrangeira” pelo PCC parece “muito questionável”

Kris Osborn, um pesquisador e editor de defesa do Center for National Interest, escreveu em setembro de 2020 : “A alegação de que o ataque das forças chinesas iria ‘suprimir’ rapidamente qualquer intervenção americana é otimista para dizer o mínimo. Se não absurda, com base em qualquer tipo de análise objetiva ”, em resposta a uma simulação de computador publicada pela Naval and Merchant Ships no ano passado que se gabava de que um ataque aéreo com dois porta-aviões sobre Taiwan, seguido por um pouso anfíbio bem-sucedido, teria como resultado o exército do PCC apreendendo a ilha em 24 horas.

“Os meios de vigilância espacial, de superfície e aérea dos Estados Unidos e seus aliados veriam as forças chinesas atacantes muito antes de qualquer ataque”, escreveu Osborn. “Os Estados Unidos não apenas mantêm uma presença naval constante no Pacífico, e na área ao redor de Taiwan em particular, mas os militares dos EUA têm muitas plataformas de ataque baseadas nas proximidades, em lugares como Guam.”

“Além disso, nem é preciso dizer que os Estados Unidos estão monitorando de perto a área com patrulhas regulares de bombardeiros e missões de vigilância”, acrescentou.

A revista do PCC publicou seu vídeo de simulação em 20 de maio de 2020, o dia da posse presidencial da presidente taiwanês Tsai Ing-Wen.

O Plano da Revista do PCC é um Ataque de Propaganda

Tzu-Yun Su, diretor da Divisão de Estratégia e Recursos de Defesa do Instituto de Pesquisa de Segurança e Defesa Nacional de Taiwan, disse à edição chinesa do Epoch Times: “A revista Naval and Merchant Ships tem um fundo oficial. Publica uma edição especial em julho de cada ano, que é parte do ataque de propaganda do PCC [a Taiwan]. Anteriormente, ele usava programas de computador para simular ataques a Taiwan e, neste ano, ele transformou a simulação em um plano. ”

“Não é surpreendente ver no plano os chamados três ataques de poder de fogo, desde as forças de mísseis à frota naval e foguetes de longo alcance, mas do ponto de vista profissional, a capacidade de combate está vazia, e o combate de precisão na capacidade da força aérea não aparece na simulação. Claramente, do ponto de vista profissional, esta é apenas uma estratégia improvisada cunhada por um grupo de editores e repórteres ”, disse Su.

Além disso, Cheng-Hsiu Lee também acredita que, embora a mídia oficial do PCC tente noticiar sobre ataques militares, a possibilidade de usar a força é pequena no momento. Ele disse que as defesas de Taiwan não são fáceis de destruir e que Taiwan tem uma capacidade de contra-ataque bastante alta. Se o PCC ataca Taiwan sem nenhuma circunstância, isso equivale a uma provocação e destruição do status quo no Estreito de Taiwan, Lee disse.

O almirante Sam Paparo, comandante da Frota do Pacífico dos EUA, disse durante um webinar em 29 de junho que estava “preocupado com a República Popular da China como uma ameaça”, mas também estava “confiante em suas forças, aliados e projetos operacionais para impedir qualquer tentativa da China de tomar Taiwan à força. ”

Paparo também disse que tem “o dever de estar preparado para responder a ameaças à segurança dos Estados Unidos”, o que “inclui a entrega de uma frota capaz de frustrar qualquer plano dos chineses de virar essa ordem [ mundial], de cabeça para baixo, para incluir a unificação pela força de Taiwan à República Popular da China ”.

Cheng-Hsiu Lee disse ao Epoch Times: “O PCC sabe muito bem que a comunidade internacional não permitirá que ataque Taiwan. Ele é muito duro nas palavras, mas é mais contido na ação. Portanto, não acho que os líderes do PCC sejam tão imprudentes e impetuosos. ”

“Nos últimos anos, Taiwan reforçou muitas medidas defensivas. Acho que Taiwan será prudente, mas não entrará em pânico ”, disse Tzu-Yun Su.

Sophia Lam e Mary Hong contribuíram para este artigo.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

 
 
 

ONU adverte que IA pode representar uma ameaça ‘negativa e até mesmo catastrófica’ aos direitos humanos

ONU adverte que IA pode representar uma ameaça ‘negativa e até mesmo catastrófica’ aos direitos humanos
A Organização das Nações Unidas advertiu que os sistemas de inteligência artificial (IA) podem representar uma ameaça "negativa, ...
Leia Mais >
 

Navios de guerra chineses entram em zona americana

Navios de guerra chineses entram em zona americana
Navios de guerra chineses entraram na zona econômica exclusiva americana. A mídia estatal chinesa disse ser uma medida ...
Leia Mais >
 

EUA, Austrália e Reino Unido firmam pacto histórico de defesa contra a China

EUA, Austrália e Reino Unido firmam pacto histórico de defesa contra a China
Estados Unidos, Austrália e Reino Unido anunciaram nesta quarta-feira um pacto de defesa histórico, que inclui o apoio ...
Leia Mais >
 

Investidores de empresa chinesa exigem seu dinheiro de volta

Investidores de empresa chinesa exigem seu dinheiro de volta
Um novo surto do vírus do PCC atinge a China. Um homem testa positivo após 3 semanas em ...
Leia Mais >