Ainda estão defendendo bloqueios

Por Jeffrey A. Tucker 

Comentário

Quinze anos atrás, escritores formados em ciência da computação começaram a imaginar vários esquemas totalitários para o controle da pandemia. Autoridades de saúde pública experientes, em 2006, alertaram que isso levaria ao desastre. Donald Henderson, por exemplo, passou por toda a lista de possíveis restrições, derrubando-as uma a uma.

Ainda assim, uma década e meia depois, governos de todo o mundo tentaram bloqueios de qualquer maneira. E com certeza, desde abril de 2020, os estudiosos observaram que essas políticas de bloqueio não funcionaram. Os políticos pregaram, os policiais forçaram, os cidadãos envergonharam uns aos outros e as empresas e escolas fizeram o possível para cumprir todas as restrições. Mas o vírus continuou com aparente desrespeito por todas essas travessuras.

Nem oceanos de desinfetante, nem torres de acrílico, nem bocas e narizes cobertos, nem fuga de multidões, nem a aparente magia de um metro e oitenta de distância, nem mesmo injeções obrigatórias fizeram com que o vírus desaparecesse ou fosse suprimido.

As evidências estão presentes. As restrições não estão associadas a nenhum conjunto específico de metas de mitigação de vírus. Quarenta estudos não mostraram nenhuma conexão entre a política (violações flagrantes da liberdade humana) e os resultados pretendidos (diminuição do impacto geral da doença).

Você pode esquecer a “inferência causal” aqui porque há uma ausência de correlação entre política e resultados. Você pode fazer um mergulho mais profundo e encontrar 400 estudos mostrando que as imposições de liberdades básicas não alcançaram o resultado pretendido, mas produziram resultados terríveis à saúde pública.

Os dois anos de inferno em que centenas de governos simultaneamente mergulharam o globo não conseguiram nada além de destruição econômica, social e cultural. Muito obviamente, essa percepção é chocante e sugere uma necessidade gritante de uma reavaliação do poder e influência das pessoas que fizeram isso.

Essa reavaliação está acontecendo agora, em todo o mundo.

Uma grande frustração para aqueles de nós que denunciaram os bloqueios (que têm muitos nomes e assumem muitas formas) é que esses estudos não abalaram exatamente as manchetes. Na verdade, eles foram enterrados por quase dois anos.

Entre os estudos ignorados estava um exame de dezembro de 2020 de medidas leves e voluntárias (desencorajar grandes aglomerações, isolar os doentes, ser cuidadoso de modo geral) versus medidas pesadas e forçadas. Esta publicação de Bendavid et al. observa alguns efeitos das medidas leves quanto na propagação, mas nada estatisticamente significativo em medidas pesadas, como ordens de ficar em casa.

“Não questionamos o papel de todas as intervenções de saúde pública ou de comunicações coordenadas sobre a epidemia, mas não conseguimos encontrar um benefício adicional de pedidos de permanência em casa e fechamento de negócios. Os dados não podem excluir totalmente a possibilidade de alguns benefícios. No entanto, mesmo que existam, esses benefícios podem não corresponder aos inúmeros malefícios dessas medidas agressivas. Intervenções de saúde pública mais direcionadas que reduzam de forma mais eficaz as transmissões podem ser importantes para o futuro controle da epidemia sem os danos de medidas altamente restritivas.”

A metanálise mais recente da Universidade Johns Hopkins (Jonas Herby do Centro de Estudos Políticos de Copenhague, na Dinamarca, Lars Jonung da Universidade de Lund e Steve Hanke da Johns Hopkins) parece ter alcançado alguma atenção da mídia. Concentra-se em particular nos efeitos de intervenções pesadas sobre a mortalidade, encontrando pouca ou nenhuma relação entre as políticas e os resultados de casos graves da doença.

A atenção dada a esta metanálise parece ter incomodado a pequena cabala de acadêmicos que ainda defendem os bloqueios. Um site chamado HealthFeedBack criticou os métodos do estudo, citando fontes tendenciosas e não lidando seriamente com os resultados. Este falho esforço foi completamente esmagado por Phil Magness.

Também buscando reverter a má imprensa contra os bloqueios, o Science Media Center, um projeto que parece financiado principalmente pelo The Wellcome Trust (principal fonte de financiamento da Grã-Bretanha para estudos epidemiológicos), publicou uma refutação deste artigo pelos principais defensores dos bloqueios.

Entre os comentários estavam os de Seth Flaxman, de Oxford, uma figura importante nesse campo, que não é treinado em ciências biológicas ou medicina, mas em ciência da computação com especialização em aprendizado de máquina. E, no entanto, seu trabalho tem sido o mais citado em defesa da ideia de que os bloqueios alcançaram algum bem.

Em oposição ao estudo da JHU, Flaxman escreve:

“Fumar causa câncer, a terra é redonda e ordenar que as pessoas fiquem em casa (a definição correta de bloqueio) diminui a transmissão de doenças. Nada disso é controverso entre os cientistas. Um estudo que pretende provar o contrário é quase certo de ser fundamentalmente falho.”

Viu como essa retórica funciona? Se você questiona a afirmação dele, você não é um cientista; você está negando a ciência!

Essas frases são certamente escritas por frustração. A primeira vez na história moderna ou talvez em toda a história em que quase todos os governos se comprometeram a “ordenar que as pessoas ficassem em casa” (o que equivale a uma quarentena universal) para “diminuir a transmissão de doenças” foi em 2020.

Dizer que isso não é controverso é ridículo, uma vez que tais políticas nunca haviam sido tentadas nesta escala. Tal política não é como uma afirmação causal estabelecida (fumar aumenta o risco de câncer) nem uma mera observação empírica (a Terra é redonda). Está sujeito a verificação.

Há muitas razões pelas quais se pode esperar que a transmissão de doenças seja maior em espaços fechados com contato próximo prolongado, como casas, em comparação a lojas ou até mesmo ambientes de concertos bem ventilados. Como o próprio Henderson afirma, isso poderia resultar em colocar pessoas saudáveis ​​não infectadas em ambientes próximos com pessoas infectadas, piorando a propagação da doença.

De fato, em dezembro de 2020, o gabinete do governador de Nova Iorque descobriu que “os dados de rastreamento de contatos mostram que 70% dos novos casos da COVID-19 são originários de residências e pequenas reuniões”. Também foi verdade com a hospitalização em Nova Iorque: dois terços deles contraíram a COVID em casa.

“‘Eles não estão funcionando; eles não estão viajando’”, afirmou Cuomo sobre esses pacientes com coronavírus recentemente hospitalizados. “Estávamos pensando que talvez encontraríamos uma porcentagem maior de funcionários essenciais que estavam adoecendo porque estavam indo trabalhar – que podem ser enfermeiros, médicos, trabalhadores de trânsito. Esse não é o caso. Eles estavam predominantemente em casa’”.

Flaxman ainda afirmaria o contrário após toda a experiência demonstrar que ele não está observando a realidade, mas inventando dogmas a partir de sua própria intuição. Flaxman pode declarar que tem certeza de que a transmissão poderia ter sido maior se as pessoas não tivessem sido ordenadas a ficar em casa, e pode haver ambientes em que isso seja verdade, mas ele não está em posição de elevar essa reivindicação ao status de “a terra é redonda”.

Além disso, mesmo sob condições ideais, a redução na transmissão de doenças pode ser apenas de curto prazo, chutando a lata na descida. Uma olhada nos aumentos de infecções selvagens no inverno de 2021 sugere isso. As ordens podem resultar em piores resultados em geral, devido a tudo o que tal ordem implica para a vida das pessoas. Transformar as casas das pessoas em suas próprias prisões, em outras palavras, tem um lado negativo para a qualidade de vida. E certamente isso deve ser levado em consideração em qualquer análise de bem-estar social das políticas pandêmicas.

Por fim, não é possível ordenar que todos fiquem em casa, nem mesmo por um ou dois dias. Os mantimentos têm que chegar à loja ou ser entregues em casas e apartamentos. As pessoas têm que equipar os hospitais. As usinas elétricas ainda precisam de pessoal. Os policiais ainda precisam estar na ativa. Não há literalmente nenhuma opção disponível para “desligar” a sociedade na vida real versus em modelos de computador.

Os pedidos de permanência em casa na vida real se tornam um esquema de proteção de classe para manter os profissionais de laptops de última geração protegidos do vírus, enquanto impõem o fardo da exposição às pessoas que não têm opção a não ser sair por aí. Em outras palavras, as classes trabalhadoras são efetivamente forçadas a arcar com o fardo da imunidade de rebanho, enquanto os ricos e financeiramente seguros permanecem seguros e esperam a pandemia passar.

Por exemplo, no início da pandemia, a mensagem do The New York Times era instruir seus leitores a ficarem em casa e receberem suas compras. O jornal conhece bem sua base de leitores: não sugeriu que nenhum deles realmente entregasse mantimentos! Como afirma Sunetra Gupta, “Bloqueios são um luxo dos ricos”.

E qual é, afinal, o sentido das ordens de ficar em casa? Para um vírus generalizado como este, todos acabarão encontrando o vírus de qualquer maneira. Somente quando a onda de inverno de 2021 finalmente varreu a classe Zoom, começamos a ver uma mudança nas mensagens da mídia de que não há vergonha na doença e talvez precisemos começar a relaxar essas restrições.

O dogma de que ordenar que as pessoas fiquem em casa – por quanto tempo? – sempre reduz a propagação não vem da evidência, mas da modelos ao estilo Flaxman, além de uma notável capacidade de ignorar a realidade.

As políticas de bloqueio são facilmente comercializadas para agentes políticos que podem obter uma corrida de poder com o exercício. Mas, no final, a previsão de Henderson estava correta: essas intervenções transformaram uma pandemia gerenciável em uma catástrofe.

É uma aposta certa, no entanto, que os proponentes do bloqueio estarão em negação pelo menos por mais uma década.

Do Brownstone Institute

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA
O presidente Jair Bolsonaro discursou a uma multidão em Santa Catarina no sábado. Ele falou em “luta do ...
Leia Mais >
 

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL
Um impasse para o Brasil? Ocorreu a cúpula do BRICS. China e Rússia falam em uma expansão do ...
Leia Mais >
 

ABORTO DEIXA DE SER DIREITO CONSTITUCIONAL NOS EUA; VEXAME DE BIDEN

ABORTO DEIXA DE SER DIREITO CONSTITUCIONAL NOS EUA; VEXAME DE BIDEN
O aborto agora não é mais um direito protegido pela constituição nos EUA. Isso depois que a Suprema ...
Leia Mais >