Afeganistão do pós-guerra abre portas para colaboração de Pequim e Teerā, afirmam especialistas

Por Rachel Brooks

A saída dos Estados Unidos do Afeganistão abriu as portas para uma maior cooperação entre Pequim, Moscou e Irã no país da Ásia Central, dizem especialistas.

Pequim e Moscou têm interesses no valor estimado de US$ 1 trilhão em minerais no Afeganistão. No entanto, analistas alertam que pode demorar muito para que as metas econômicas sejam alcançadas.

“Não tenho certeza se a China ou a Rússia podem tirar proveito dos minerais do Afeganistão”, disse Gordon Chang, especialista em China e autor de “The Coming Collapse of China”. “O motivo é a instabilidade política.”

Pequim tem um contrato de arrendamento de 30 anos em uma grande mina de cobre no Afeganistão, mas ainda não produziu cobre lá devido aos riscos de segurança na área, disse Chang.

Embora Pequim e a Rússia possam perseguir objetivos de curto prazo no país, levará muitos anos até que possam fazê-lo de forma realista no longo prazo, acrescentou.

Enquanto isso, as preocupações com a segurança decorrentes da tomada de poder do Talibã aumentaram a possibilidade de uma cooperação mais estreita em defesa entre a China, o Irã e a Rússia.

Cooperação entre Irã e Pequim

Tanto Pequim quanto Moscou, que estão preocupados com milícias apoiadas por sunitas na região, podem ver o Irã como um regulador do levante islâmico, disseram analistas, observando que Teerã é um apoiador de milícias xiitas, como o ramo Khorasan do grupo terrorista ISIS.

“Os fundamentalistas sunitas são um problema para os governos da China e da Rússia, mas nenhum desses governos tem problemas com os xiitas”, disse Mitra Jashni, diretora-executiva da Fundação Farashgard, um grupo iraniano de defesa da democracia e da liberdade. “Um dos objetivos de Moscou e Pequim é usar fundamentalistas xiitas para controlar os fundamentalistas sunitas.”

Qualquer cooperação entre os três países seria reforçada por laços econômicos crescentes, especialmente entre Pequim e Teerã, que tem servido de tábua de salvação para um regime islâmico prejudicado pelas sanções ocidentais.

“A China concordou em investir US$ 400 bilhões no Irã ao longo de 25 anos em troca de um suprimento estável de petróleo para impulsionar sua economia crescente sob um acordo abrangente de segurança e economia assinado em março no início deste ano”, disse Jashni.

“As relações econômicas da República Islâmica com a China são o principal fator na manutenção do regime do mulá.”

Jashni acrescentou que “tanto a China quanto a Rússia têm enorme influência em manter a República Islâmica à tona”.

“Nos últimos anos, com o aumento da pressão ocidental sobre a República Islâmica, a República Islâmica tornou-se mais dependente militarmente do Leste, especialmente na compra de armas militares da Rússia”, disse ele.

Pequim, Rússia e Irã também trabalharam nos bastidores nos últimos anos para contornar as sanções ocidentais.

“China e Irã são parceiros estratégicos em um esforço massivo para confrontar a influência dos EUA em todo o mundo; portanto, eles se ajudam em face das sanções e outras punições dos EUA “, disse Reza Parchizadeh, teórico político e analista afiliado à Universidade de Indiana.

Parchizadeh observou que, embora Pequim e a Rússia estejam cooperando com o Talibã, eles não concordam necessariamente com o grupo. No entanto, ambos provavelmente cooperarão e trabalharão com qualquer grupo que possa tirar a influência ocidental da região, disse Parchizadeh.

Enquanto isso, o Irã também saudou a saída das forças americanas do Afeganistão.

“A presença dos EUA no Afeganistão representou um desafio para a Iniciativa do Um Cinturão e Um Caminho do PCC [Partido Comunista Chinês], bem como o expansionismo do regime iraniano para o centro e sudeste da Ásia”, disse Parchizadeh.

“Portanto, ambos se beneficiam da retirada dos EUA do Afeganistão, porque ela remove um obstáculo geopolítico de longa data à sua agenda expansionista”, disse ele.

“O que está acontecendo basicamente aqui é que o Talibã extremista e seus confederados islâmicos estão reduzindo a influência dos EUA em um dos lugares mais estrategicamente importantes do mundo, e o Irã e a China estão facilitando isso”, acrescentou.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
 
 

Relatórios do IG detalham crimes sexuais contra crianças por funcionários da CIA

Relatórios do IG detalham crimes sexuais contra crianças por funcionários da CIA
Relatórios do inspetor-geral da Agência Central de Inteligência (CIA) divulgados recentemente mostram que pelo menos 10 funcionários ou ...
Leia Mais >
 

RISCO: 52% dos americanos vê China como principal ameaça

RISCO: 52% dos americanos vê China como principal ameaça
Os americanos parecem estar, drasticamente, mudando de ideia sobre o Regime comunista chinês. Pela primeira vez, metade dos americanos ...
Leia Mais >
 

EUA: Comunismo na educação

EUA: Comunismo na educação
Maduro vira desenho animado. A União Soviética e a China promoveram o culto à personalidade de tiranos como ...
Leia Mais >
 

EUA: Compromisso “inabalável” com defesa de Taiwan

EUA: Compromisso “inabalável” com defesa de Taiwan
Os EUA reiteraram seu compromisso “inabalável” com a defesa de Taiwan, e o ex-primeiro-ministro japonês disse que o ...
Leia Mais >