Adeptos do Falun Gong em Hong Kong se preocupam com a possibilidade da lei de segurança de Pequim ameaçar liberdade religiosa

Por Frank Fang

Os adeptos do Falun Gong de Hong Kong manifestaram preocupações sobre sua segurança pessoal e direitos básicos diante da implementação da lei de segurança nacional pela China, durante uma recente mesa redonda online de portas fechadas realizada com grupos religiosos que incluíram a Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA entre os participantes.

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma prática espiritual com exercícios meditativos e ensinamentos morais baseados na verdade, compaixão e tolerância. Desde julho de 1999, quando o regime chinês lançou uma perseguição em todo o país, a prática foi proibida e fortemente reprimida na China continental. Milhares foram detidos em prisões, centros de lavagem cerebral e campos de trabalho, segundo o Centro de Informações do Falun Dafa.

No entanto, o Falun Dafa é praticado livremente por milhões em mais de 100 países e regiões ao redor do mundo, incluindo Hong Kong.

Embora o território tenha retornado ao domínio chinês em 1997, Hong Kong ainda garante liberdades não usufruídas no continente, incluindo a liberdade de crença.

No entanto, após a legislatura da China ter aprovado recentemente a legislação de segurança nacional de Hong Kong que penalizaria atividades consideradas relacionadas à subversão, secessão, intervenção estrangeira, entre outros, grupos de direitos humanos expressaram preocupação de que a proposta permitiria que Pequim reprimisse os dissidentes.

Assim como acontece com muitos dissidentes, ativistas e minorias religiosas, os adeptos do Falun Gong na China continental foram condenados por acusações como subversão do poder do Estado – uma acusação que o regime costuma usar para silenciar seus críticos.

Durante a mesa redonda realizada em 9 de junho, Ingrid Wu, porta-voz da Associação do Falun Dafa de Hong Kong, expressou preocupação de que a perseguição de Pequim aos praticantes do Falun Gong seja estendida a Hong Kong assim que a lei de segurança entrar em vigor. O evento ocorreu pouco antes do Departamento de Estado dos EUA divulgar seu relatório anual sobre liberdade religiosa.

“Temos medo de que o Falun Gong seja tratado como os praticantes do continente”, disse Wu em uma entrevista por telefone, “não sendo mais capaz de praticar livremente nossa fé em Hong Kong e poder ser preso … a qualquer momento”. A supressão também pode ser estendida a outros grupos religiosos em Hong Kong, acrescentou.

Wu observou que desde o início da perseguição na China, Pequim interferiu “direta ou indiretamente” nas atividades dos praticantes do Falun Gong em Hong Kong.

Por exemplo, os pedidos para realizar eventos em locais governamentais têm sido continuamente negados, enquanto os aderentes têm sido repetidamente perseguidos por organizações pró-Pequim desde 2013, quando realizam eventos públicos para aumentar a conscientização sobre a perseguição da China.

Mais recentemente, em setembro do ano passado, uma aderente local chamada Liao Qiulan foi agredida por pessoas que se acredita estarem ligadas ao regime, quando ela se saia de uma delegacia de polícia local para providenciar detalhes para uma parada do Falun Gong.

Wu disse na mesa-redonda que os adeptos locais temiam que seus direitos de reunião e protesto pacíficos fossem negados ainda mais depois que a lei de segurança fosse implementada, porque “as atividades que expõem os crimes do PCC [Partido Comunista Chinês] também podem ser consideradas subversão do poder do Estado” disse ela ao Epoch Times.

Ela expressou preocupação de que os praticantes locais pudessem enfrentar tortura ou extração forçada de órgãos, como fazem os adeptos do continente.

Desde a década de 2000, o regime chinês colhe órgãos de prisioneiros de consciência, incluindo adeptos do Falun Gong, para abastecer sua indústria de transplantes. Um Tribunal da China com sede em Londres, em seu relatório de março, concluiu que a prática sancionada ainda estava acontecendo, apesar das alegações do regime de que impediria a obtenção de órgãos de prisioneiros executados e dependeria exclusivamente de um novo sistema de doações voluntárias em 2015.

Wu pediu ao embaixador-geral da liberdade religiosa internacional dos EUA, Sam Brownback, para emitir uma declaração “para enfrentar a ameaça à liberdade religiosa em Hong Kong” e apelou ao governo geral dos EUA pedindo ajuda para garantir os direitos dos moradores de Hong Kong à crença e assembleia religiosa.

Em resposta à proposta de Pequim para Hong Kong, o presidente Donald Trump disse no final de maio que os Estados Unidos imporiam sanções a Hong Kong e às autoridades chinesas que corroerem a autonomia da cidade e revogarem o status comercial especial da cidade sob a lei dos EUA.

Pequim não respondeu formalmente ao anúncio de Trump, mas afirmou que pretende implementar a lei em Hong Kong.

Wu disse que, apesar da ameaça iminente, os adeptos da cidade continuarão a aumentar a conscientização sobre a perseguição do regime e como sua “ideologia é uma ameaça para a humanidade”.

“Continuaremos a contar a mais pessoas sobre seus crimes hediondos, sobre o que é o Falun Gong e por que o regime chinês escolhe nos perseguir”, disse ela. “Somente quando persistirmos, o autoritarismo [será exposto e] rejeitado por todas as pessoas”.

Este artigo foi atualizado para descrever com mais precisão o evento da mesa redonda on-line.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

Você sabia que somos independentes?

O Epoch Times é independente de qualquer influência de empresas, governos ou partidos políticos. Nosso único objetivo é levar aos leitores informações precisas e ser responsáveis ​​perante o público.

Estamos trabalhando dia e noite para cobrir o surto de vírus do PCC para você. Doar tão pouco quanto uma xícara de café ajudará a manter nossa mídia em funcionamento.

Ajude-nos agora doando para o ‘CAFÉ’ para a equipe.

Veja também:

 
 
 

Repórteres do Epoch Times são seguidos em meio à repressão em Hong Kong

Repórteres do Epoch Times são seguidos em meio à repressão em Hong Kong
Dois jornalistas da edição de Hong Kong do The Epoch Times disseram que estavam sendo seguidos por supostos ...
Leia Mais >
 

Prisão de pró-democratas

Prisão de pró-democratas
Por NTS Notícias A Famosa Torre de TV de Shanghai, que acidentalmente recebeu o mesmo nome da cidade ...
Leia Mais >
 

Colômbia proíbe teste de produtos cosméticos em animais

Colômbia proíbe teste de produtos cosméticos em animais
A Colômbia tornou-se o primeiro país da América Latina a proibir os testes cosméticos em animais por meio ...
Leia Mais >
 

Polícia de Hong Kong prende pró-democrata

Polícia de Hong Kong prende pró-democrata
Por NTD News A polícia de Hong Kong prendeu um total de dez pessoas, incluindo o magnata da ...
Leia Mais >