A verdade sobre as mortes pela COVID está sendo revelada

Por Joseph Mercola 

Os hospitais recebem pagamentos para testar todos os pacientes para COVID, todos os diagnósticos de COVID e todas as ‘mortes pela COVID’, bem como sempre que usam Remdesivir e respiradores.

No início da pandemia da COVID, as pessoas suspeitavam que as mortes atribuídas à infecção eram exageradas. Havia muitas evidências para isso. Para começar, os hospitais foram instruídos e incentivados a marcar qualquer paciente que tivesse um teste positivo para a COVID e posteriormente morresse dentro de um determinado período de tempo como uma morte pela COVID.

Ao mesmo tempo, sabíamos que o teste de PCR não era confiável, produzindo quantidades excessivas de falsos positivos. Agora, a verdade está finalmente começando a aparecer e, como se suspeitava, o número real de mortos é muito menor do que fomos levados a acreditar.

As mortes pela COVID foram amplamente superestimadas

No vídeo acima, o Dr. John Campbell analisa dados recentes divulgados pelo governo do Reino Unido em resposta a uma solicitação da Lei de Liberdade de Informação (FOIA). Eles mostram que o número de mortes em 2020 na Inglaterra e no País de Gales, onde o COVID-19 foi a única causa de morte, foi de 9.400. Entre os quais, 7.851 tinham 65 anos ou mais. A idade média do óbito foi de 81,5 anos.

Durante o primeiro trimestre de 2021, houve 6.483 mortes em que a COVID-19 foi a única causa de morte, novamente com a grande maioria, 4.923, ocorrendo em idosos com mais de 65 anos.

Um total de 346 morreram apenas da COVID-19 durante o segundo trimestre de 2021 e, no terceiro trimestre, o número de mortes pela COVID foi de 1.142. Novamente, essas são pessoas sem outras condições subjacentes que possam ter causado sua morte.

Portanto, ao todo, nos 21 meses que abrangem janeiro de 2020 a setembro de 2021, o número total de mortes pela COVID-19 na Inglaterra e no País de Gales foi de 17.371 – muito longe do que foi relatado. No final de setembro de 2021, o governo do Reino Unido informou que havia 137.133 mortes que ocorreram 28 dias após um teste positivo e, portanto, todas essas mortes foram contadas como “mortes pela COVID”.

Em uma coletiva de imprensa no dia 19 de janeiro de 2022, o secretário de saúde do Reino Unido, Sajid Javid, admitiu que os números diários do governo não são confiáveis, pois as pessoas foram e continuam a morrer de condições não relacionadas a COVID-19, mas estão incluídas na contagem devido a um teste positivo.

Ele também admitiu que cerca de 40% dos pacientes atualmente contabilizados como pacientes hospitalizados com COVID não foram admitidos devido a sintomas de COVID. Eles foram admitidos por outras condições e simplesmente testaram positivo.

A COVID matou principalmente aqueles próximos da morte

Campbell também aponta que das 17.371 pessoas que tiveram a COVID-19 como a única causa de morte, 13.597 tinham 65 anos ou mais. A idade média de morte no Reino Unido pela COVID em 2021 foi de 82,5 anos. Compare isso com a expectativa de vida projetada no Reino Unido, que é de 79 para homens e 82,9 para mulheres. Isso dificilmente constitui uma emergência, muito menos para indivíduos saudáveis ​​em idade escolar e de trabalho.

Campbell então analisa os dados sobre o excesso de mortes por câncer. As estimativas sugerem que houve mais 50.000 mortes por câncer nos últimos 18 meses – mortes que normalmente não teriam ocorrido. Acredita-se que o diagnóstico tardio e a incapacidade de receber tratamento adequado devido às restrições da COVID sejam as principais razões para isso.

Conforme observado por Campbell, quando analisamos o excesso de mortes, realmente precisamos levar em consideração coisas como a idade da morte. A COVID-19, aparentemente, matou principalmente pessoas que estavam perto do fim da expectativa de vida, de modo que a perda de anos de vida com qualidade não é particularmente significativa.

Isso precisa ser pesado contra as mortes de pessoas na faixa dos 30, 40 e 50 anos que morreram de câncer não tratado e outras doenças crônicas, graças às restrições da COVID.

CDC destaca o papel das comorbidades nas mortes de pessoas vacinadas contra a COVID 

Nos EUA, os dados sugerem um padrão semelhante de estatísticas exageradas de mortes pela COVID. Mais recentemente, a diretora dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, Dra. Rochelle Walensky, citou pesquisas mostrando que 77,8% das pessoas que receberam a vacina contra a COVID e morreram de/com COVID também tinham, em média, quatro comorbidades.

“Então, realmente, essas são pessoas que estavam doentes para começar”, afirmou Walensky. Mas enquanto Walensky aponta para este estudo como evidência de que a vacina contra a COVID faz maravilhas para reduzir o risco de morte, exatamente o mesmo padrão foi mostrado nos não vacinados. Pessoas sem comorbidades têm muito pouco com o que se preocupar quando o assunto é COVID.

“O COVID é um risco letal apenas para os mais doentes entre nós, e isso é verdade se você está ‘vacinado’ ou não.”

Por exemplo, um estudo de 2020 descobriu que 88% dos pacientes hospitalizados com COVID na cidade de Nova Iorque tinham duas ou mais comorbidades, 6,3% tinham uma condição de saúde subjacente e 6,1% nenhuma. Naquela época, não havia vacinas contra a COVID disponíveis.

Da mesma forma, no final de agosto de 2020, o CDC publicou dados mostrando que apenas 6% da contagem total de mortes tinha a COVID-19 listada como a única causa de morte. Os 94% restantes tiveram uma média de 2,6 comorbidades ou condições de saúde preexistentes que contribuíram para suas mortes. Então, sim, a COVID é um risco letal apenas para os mais doentes entre nós, assim como Walensky disse, mas isso é verdade se você está “vacinado” ou não.

A maioria das mortes pela COVID foram provavelmente devido ao mal uso do respirador

Além da questão de saber se as pessoas morrem “de” COVID ou “com” um teste positivo para o SARS-CoV-2, há a questão de saber se o tratamento incorreto está matando pacientes com a COVID. No início de abril de 2020, os médicos alertaram que colocar os pacientes da COVID-19 em ventilação mecânica aumentava o risco de morte.

Uma investigação mostrou que 80% dos pacientes com COVID-19 na cidade de Nova Iorque que foram colocados em respiradores morreram, fazendo com que alguns médicos questionassem seu uso. Os dados do Reino Unido colocam esse número em 66% e um pequeno estudo em Wuhan descobriu que 86% dos pacientes ventilados morreram. Em um artigo de 8 de abril de 2020, o STAT News informou:

“Muitos pacientes têm níveis de oxigênio no sangue tão baixos que deveriam estar mortos. Mas eles não estão com falta de ar, seus corações não estão acelerados e seus cérebros não mostram sinais de piscar por falta de oxigênio.

Isso está fazendo com que os médicos intensivistas suspeitem que os níveis sanguíneos de oxigênio, que por décadas levaram a decisões sobre suporte respiratório para pacientes com pneumonia e desconforto respiratório agudo, possam estar enganando-os sobre como cuidar de pessoas com a COVID-19.

Em particular, cada vez mais estão preocupados com o uso de intubação e respiradores mecânicos. Eles argumentam que mais pacientes poderiam receber suporte respiratório mais simples e não invasivo, como as máscaras respiratórias usadas na apneia do sono, pelo menos no início e talvez durante a doença.”

Na época, o médico do pronto-socorro Dr. Cameron Kyle-Sidell argumentou que os sintomas dos pacientes tinham mais em comum com mal por altitude do que com pneumonia. Da mesma forma, um artigo pelo Drs. Luciano Gattinoni e John J. Marini de cuidados intensivos, descreveram dois tipos diferentes de apresentações da COVID-19, que eles chamam de Tipo L e Tipo H. Enquanto um se beneficiou da ventilação mecânica, o outro não.

Apesar disso, colocar pacientes com COVID em ventilação mecânica é “padrão de atendimento” para a COVID nos EUA até hoje. Sem dúvida, a maioria dos primeiros pacientes com COVID foi morta por negligência dos respiradores, e os pacientes continuam sendo mortos – não pela COVID, mas por tratamentos prejudiciais.

Existem melhores alternativas à respiradores

A ventilação mecânica pode facilmente danificar os pulmões, pois empurra o ar para dentro dos pulmões com força. O tratamento com oxigênio hiperbárico (HBOT) provavelmente seria uma alternativa melhor, pois permite que seu corpo absorva uma porcentagem maior de oxigênio sem forçar a entrada de ar nos pulmões. A terapia de oxigênio hiperbárico também melhora a função mitocondrial, ajuda na desintoxicação, inibe e controla a inflamação e otimiza a capacidade de cura inata do seu corpo.

Os médicos também obtiveram excelentes resultados usando cânulas nasais de alto fluxo em vez de respiradores. Conforme observado em um comunicado de imprensa de abril de 2020 dos médicos da UChicago Medicine:

“Cânulas nasais de alto fluxo, ou CNAFs, são pontas nasais não invasivas que ficam abaixo das narinas e sopram grandes volumes de oxigênio quente e umidificado no nariz e nos pulmões.

Uma equipe da sala de emergência da UChicago Medicine pegou 24 pacientes com COVID-19 que estavam com problemas respiratórios e deu-lhes CNAFs em vez de colocá-los em respiradores. Todos os pacientes se saíram extremamente bem, e apenas um deles necessitou de intubação após 10 dias…

As CNAFs são frequentemente combinadas com o posicionamento em decúbito ventral, uma técnica em que os pacientes deitam de bruços para ajudar na respiração. Juntos, eles ajudaram os médicos da UChicago Medicine a evitar dezenas de intubações e diminuíram as chances de resultados ruins para pacientes com a COVID-19, afirmou Thomas Spiegel, MD, Diretor Médico do Departamento de Emergência da Universidade de Chicago Medicine. As cânulas nasais de pronação e de alto fluxo combinadas elevaram os níveis de oxigênio do paciente de cerca de 40% para 80% e 90%”

Você também pode usar a posição de bruços em casa se tiver tosse ou dificuldade para respirar. Se você está lutando para respirar, você deve procurar atendimento médico de emergência. No entanto, em casos de tosse ou leve falta de ar sendo tratados em casa, tente evitar passar muito tempo deitado de costas.

As diretrizes do Hospital Elmhurst sugerem que “deitar de bruços e em diferentes posições ajudará seu corpo a obter ar em todas as áreas do pulmão”. As diretrizes recomendam mudar de posição a cada 30 minutos a duas horas, incluindo:

  • Deitado de barriga
  • lado direito
  • Sentado
  • Deitado do lado esquerdo

Esta é uma maneira simples de ajudar a aliviar as dificuldades respiratórias em casa. Se você ou um ente querido estiver hospitalizado, essa técnica também pode ser usada lá.

Incentivos hospitalares estão aumentando as mortes pela COVID

Você pode se perguntar por que médicos e administradores de hospitais insistem em usar tratamentos conhecidos como ineficazes na melhor das hipóteses e mortais na pior, enquanto se recusam teimosamente a administrar qualquer coisa que tenha demonstrado funcionar, seja vitamina C intravenosa, hidroxicloroquina e zinco, ivermectina ou corticosteróides.

A resposta mais provável é porque eles estão protegendo seus resultados. Nos EUA, os hospitais não apenas correm o risco de perder financiamento federal se administrarem esses tratamentos, mas também recebem uma variedade de incentivos para fazer todas as coisas erradas. Os hospitais recebem pagamentos por:

  • Teste da COVID para todos os pacientes
  • Diagnósticos da COVID
  • Admissão de um “paciente da COVID”
  • Uso de Remdesivir
  • Uso de ventilação mecânica
  • Mortes pela COVID

O que é pior, há evidências de que certos sistemas hospitalares, e talvez todos eles, renunciaram aos direitos dos pacientes, tornando qualquer pessoa diagnosticada com COVID um prisioneiro virtual do hospital, sem capacidade de exercer o consentimento informado. Em suma, os hospitais estão fazendo o que quiserem com os pacientes e têm todos os incentivos para maltratá-los, e nenhum incentivo para dar-lhes outros tratamentos além do que lhes é ditado pelos Institutos Nacionais de Saúde.

Conforme relatado pelo Citizens Journal, o governo dos EUA realmente paga aos hospitais um “bônus” se eles usarem Remdesivir, um medicamento que causa danos graves aos órgãos. Até os legistas recebem bônus por cada morte pela COVID-19.

Uma recompensa foi colocada em sua vida

“O que isso significa para sua saúde e segurança como paciente no hospital?” O Jornal do Cidadão pergunta. Sem meias palavras, isso significa que sua saúde está em sério risco. O Citizen Journal compara os tratamentos da COVID dirigidos pelo governo a uma recompensa colocada em sua vida, onde os pagamentos estão vinculados ao seu declínio, não à sua recuperação.

“Para o Remdesivir, estudos mostram que 71-75% dos pacientes sofrem um efeito adverso, e o medicamento muitas vezes teve que ser interrompido após cinco a 10 dias por causa desses efeitos, como danos nos rins, fígado e morte”, escreveu o Citizen Journal.

“Os testes de Remdesivir durante o surto de Ebola na África Ocidental de 2018 tiveram que ser interrompidos porque a taxa de mortalidade excedeu 50%. No entanto, em 2020, Anthony Fauci ordenou que o Remdesivir fosse o medicamento usado pelos hospitais para tratar a COVID-19, mesmo quando os ensaios clínicos do Remdesivir para tratar a COVID mostraram efeitos adversos semelhantes.

Em pacientes em respirador, o número de mortos é impressionante … [o advogado Thomas] Renz anunciou em uma conferência de imprensa da Truth for Health Foundation que os dados do CMS mostraram que nos hospitais do Texas, 84,9% de todos os pacientes morreram após mais de 96 horas em um respirador.

Depois, há mortes por restrições a tratamentos eficazes para pacientes hospitalizados. Renz e uma equipe de analistas de dados estimaram que mais de 800.000 mortes nos hospitais dos Estados Unidos, em casos da COVID-19 e em outros pacientes, foram causadas por abordagens que restringem fluidos, nutrição, antibióticos, antivirais eficazes, anti-inflamatórios e doses terapêuticas de anticoagulantes..

Agora vemos os cuidados médicos ditados pelo governo no pior de nossa história, desde que o governo federal ordenou esses tratamentos ineficazes e perigosos para a COVID-19 e, em seguida, criou incentivos financeiros para hospitais e médicos usarem apenas aquelas abordagens ‘aprovadas’ (e pagas).

Nossa comunidade médica anteriormente confiável de hospitais e equipe médica empregada em hospitais tornaram-se efetivamente ‘caçadores de recompensas’ para sua vida.

Os pacientes precisam agora tomar medidas sem precedentes para evitar ir ao hospital por causa da COVID-19. Os pacientes precisam tomar medidas ativas para planejar antes de adoecer para usar o tratamento inicial em casa, o qual pode ajudá-lo a salvar sua vida.”

Trate os sintomas da COVID de forma imediata e agressiva

Considerando as incertezas em torno do diagnóstico, é melhor tratar precocemente qualquer sintoma de resfriado ou gripe. Aos primeiros sinais de sintomas, inicie o tratamento. Talvez seja o resfriado comum ou uma gripe comum, talvez seja a Ômicron, muito mais leve, mas como é difícil dizer, sua melhor aposta é tratar os sintomas como trataria as formas anteriores da COVID.

Considerando o quão contagiosa é a Omicron, é provável que você a contraia, então compre o que você precisa agora, para que você o tenha à mão se/quando os sintomas surgirem. E, lembre-se, isso também se aplica àqueles que receberam a injeção, já que você tem a mesma probabilidade de ser infectado – e talvez até mais. Os protocolos de tratamento precoce com eficácia demonstrada incluem:

Com base na minha revisão desses protocolos, desenvolvi o seguinte resumo das especificidades do tratamento que acredito serem as mais fáceis e eficazes.

Referências

The Telegraph 19 de janeiro de 2022 (arquivado)

Gov.UK National Life Tables 2018-2020

CDC MMWR 7 de janeiro de 2022; 71(1): 19-25

Delta News 10 de janeiro de 2022

Washington Examiner 10 de janeiro de 2022

JAMA 22 de abril de 2020 DOI: 10.1001/jama.2020.6775 [Epub à frente]

CDC.gov 26 de agosto de 2020, Tabela de Comorbidades 3, atualizado em 14 de outubro de 2020

Medscape 6 de abril de 2020

Daily Mail 9 de abril de 2020

Business Insider 9 de abril de 2020

The Associated Press 8 de abril de 2020

STAT News 8 de abril de 2020

JAMA Insights 24 de abril de 2020 DOI: 10.1001/jama.2020.6825 Newswise

abril 23, 2020

Elmhurst Hospital Guia de Posicionamento de Prona

Diário do Cidadão 20 de dezembro de 2021

The Daily Jot 2 de novembro de 2021

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

Trump: FBI invadiu sua casa na Flórida, propriedade está ‘sob cerco’

Trump: FBI invadiu sua casa na Flórida, propriedade está ‘sob cerco’
O ex-presidente Donald Trump disse que sua casa em Mar-a-Lago na Flórida está "sob cerco" e "ocupada por ...
Leia Mais >
 

Biden se diz “preocupado” com manobras da China, mas não crê em passo além

Biden se diz “preocupado” com manobras da China, mas não crê em passo além
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou nesta segunda-feira estar "preocupado" com o uso de armas pela ...
Leia Mais >
 

Alimentos ultraprocessados podem contribuir para perda cognitiva

Alimentos ultraprocessados podem contribuir para perda cognitiva
Dificuldade de lembrar datas, fazer cálculos ou realizar tarefas básicas do dia a dia. As habilidades cognitivas geralmente ...
Leia Mais >