A história da Smartmatic: da Venezuela, sem amor

Por Roger L. Simon

Muitos debateram, e Rudy Giuliani explicou apenas vagamente no programa de Lou Dobbs, dizendo que eles tinham “teorias diferentes” do caso, por que a equipe jurídica de Trump se separou de Sidney Powell.

A Navalha de Occam tem uma explicação mais simples: o que Powell está investigando – fraude informática transnacional complicada, envolvendo vários países, não apenas os Estados Unidos, com imensas implicações para o sistema democrático em todo o mundo – leva muito mais tempo para explicar e provar do que o tempo disponível para questionar uma eleição presidencial antes que os votos sejam certificados e o Colégio Eleitoral se reúna.

Isso foi corroborado por discussões que mantive com dois homens em posição de entender uma grande parte dessa fraude que eles dizem ter se originado e ainda emana em grande medida da Venezuela (com uma pequena ajuda de amigos cubanos, iranianos e do Hezbollah, e possivelmente de outros).

Esses homens desejam permanecer anônimos porque temem por sua segurança operando em território estrangeiro, como costumam fazer.

Um deles é um ex-oficial da CIA que serviu na Diretoria de Operações e como chefe de estação em vários países. O outro é um venezuelano e mora nos Estados Unidos.

Nos últimos anos, em conjunto com a Drug Enforcement Administration (DEA) e outros, eles têm trabalhado para “virar” líderes e militares dentro dos estabelecimentos venezuelanos e cubanos, muitos dos quais estavam envolvidos ou tinham informações sobre o extenso comércio de narcóticos realizado por esses dois países, bem como Irã e Hezbollah.

Este empreendimento criminoso de bilhões de dólares, particularmente em relação ao Hezbollah neste caso, estava à beira de uma denúncia e processo que foi finalmente ignorado, como relatou o Politico, pelo governo Obama sobre os apelos dos mulás para proteger o então incipiente Acordo do Irã.

Algumas das coisas que esses homens me disseram podem ser autenticadas, outras não por razões além do controle de ninguém no momento. Deixo para os leitores decidir por si próprios.

No entanto, para que conste, e para entender com o que estamos lidando, os seguintes membros da liderança venezuelana são atualmente indiciados nos Estados Unidos por tráfico de drogas: Presidente Nicolas Maduro, líder da Assembleia Nacional Diosdado Cabello, ministro do Petróleo Tareck El Aissami, o vice-presidente Delcy Rodriguez, o ex-chefe da inteligência Hugo Carvajal e o chefe do Estado-Maior do Exército venezuelano, Vladimir Padrino.

Para se ter uma ideia da extensão do crime, o notório “narcotrafficante” mexicano El Chapo valia US $ 1,2 bilhão. Diosdado Cabello, me disse um de meus informantes, vale mais de US$ 20 bilhões! Isso o coloca entre as pessoas mais ricas do mundo. Misture petrodólares – a Venezuela, em qualquer condição, tem um dos campos de petróleo mais ricos do planeta – com dólares de drogas e você tem um coquetel lucrativo.

Smartmatic

Os dois homens falaram comigo sobre as origens do sistema da Smartmatic que eles compararam em alguns aspectos ao 11 de setembro, mencionando que era mais um exemplo de como tendemos a subestimar nossos adversários, neste caso, suas capacidades de iformática.

Com a China e a Rússia para se preocupar, a Venezuela tem estado mais ou menos fora do nosso radar, mas, dados os números acima, não deveria estar. Sua classe dominante – não seu povo, obviamente – tem capital de giro suficiente para causar tantos danos quanto qualquer um.

Mais do que uma mera república das bananas, eles são um estado criminoso em crescimento, com tentáculos que alcançam a Colômbia e o Atlântico até chegar a um dos maiores partidos de nosso aliado da OTAN, a Espanha, me disseram.

Mas voltando ao Smartmatic.

Em 1998, o socialista Hugo Chávez, em seu caminho para ser o líder máximo vitalício, mudou a constituição de seu país, permitindo-lhe cumprir um mandato de seis anos em vez de cinco – com a ressalva de que se 20 por cento dos venezuelanos assinassem um petição exigindo uma revocação, uma eleição seria realizada.

Para surpresa de Chávez, tal petição foi divulgada e sua tentativa de invalidar as assinaturas falhou.

Um sistema teve que ser inventado para garantir a vitória do caudilho no próximo referendo de revogação presidencial.

Entra na Smartmatic, uma empresa fundada em Delaware em abril de 2000 por três jovens engenheiros venezuelanos.

Em janeiro de 2004, uma agência do governo venezuelano, informou o New York Times, investiu US$ 200.000 em uma empresa de tecnologia de propriedade dessas mesmas três.

O investimento de um empresário

Segundo os senhores com quem conversei, esse dinheiro veio de um empresário que havia sido procurado pela inteligência cubana para fazer os investimentos necessários na nascente Smartmatic, a fim de melhorar sua tecnologia ao nível necessário.

(NB: Desde Chávez, a inteligência cubana teve um controle quase total das ações venezuelanas significativas, incluindo a seleção ção de Maduro para substituir Chávez quando ele morreu de câncer, de acordo com minhas fontes.)

Este mesmo empresário, disseram-me, “pirou” e está atualmente sob a proteção de uma de nossas agências – presumivelmente a DEA – em um país estrangeiro onde está testemunhando em um processo criminal contra o governo venezuelano.

Podemos esperar que informações também estejam sendo coletadas, com as quais todos possamos aprender. Um dos aspectos lamentáveis ​​do governo dos EUA é que nossas agências como a DEA ainda parecem se compartimentar. Pelo que se sabe, o Departamento de Justiça ainda não está envolvido.

Este empresário é o segundo a prestar declarações sobre o assunto, depois do oficial militar venezuelano citado por Sidney Powell há algumas semanas.

Pouco depois do investimento desse empresário (agosto de 2004), Hugo Chávez venceu o referendo, mas foi denunciado como fraudulento por organizações locais de direitos civis.

Esta última é corroborada em uma extensa entrevista em inglês por Debbie D’Souza de Maria Corina Machado, uma líder política e dos direitos civis venezuelana, que tem sido alvo de perseguição.

Entre outras coisas, a Sra. Corina Machado relata a formação do Súmate, um grupo ad hoc que conseguiu reunir as assinaturas necessárias para a eleição revogatória em um único dia (2 de fevereiro de 2003), acumulando um total de 3 milhões enquanto apenas 2,4 milhões eram necessários.

Mas esse foi um interlúdio extraordinariamente feliz na tragédia que é a Venezuela. Um amigo meu boliviano, um visitante recente do país, disse-me que viu pessoas famintas em suas ruas que lembram imagens do Holocausto.

Propriedade

Mas voltando ao Smartmatic. Quem é o dono?

Não está claro, ela embora ela supostamente tenha começado nos Estados Unidos (veja acima). Em 2006, ela foi usada em eleições disputadas na Argentina, aparentemente para corrigi-las, e em 2011 ela foi estabelecida no Reino Unido por nada menos que o vice-secretário-geral da ONU, Lord Malloch-Brown, “que assumiu posições de liderança de [George ] Fundos e institutos de Soros em 2007”.

Hmmm…

Igualmente importante, um e-mail WikiLeaked de 2006 conta esta história:

“A Smartmatic alegou ser de origem americana, mas seus verdadeiros proprietários – provavelmente a elite venezuelana de várias tendências políticas – permanecem escondidos atrás de uma rede de holdings na Holanda e em Barbados. … Pensa-se que a empresa está desistindo dos eventos eleitorais venezuelanos, concentrando-se agora em outras partes do mundo, incluindo os Estados Unidos por meio de sua subsidiária, Sequoia.”

Além dos três engenheiros iniciais, Smartmatic e, em seguida, Sequoia, tinham pelo menos trinta investidores anônimos, incluindo, possivelmente, um então vice-presidente venezuelano, conforme encontrado no sistema do WikiLeaks em CARACAS 00002063 001.2 OF 004.

Domínion

Mas onde a Dominion se encaixa? Não eram elas que estavam com as urnas eletrônicas dos EUA?

Bem, em 2010, depois de trabalhar mais de cinco anos para a Smartmatic, o ex-vice-presidente de desenvolvimento da Sequoia que também era seu arquiteto-chefe de software, Eric Coomer, passou para a Dominion Voting Systems como vice-presidente de engenharia dos EUA.

As respostas das pessoas da Dominion / Smartmatic / Sequoia foram de relações públicas deliberadamente opacas a nauseantes. Só a verdadeira pesquisa forense de computador resolverá alguma coisa, sem mencionar o abandono da votação por computador (provavelmente a abordagem certa).

Os mistérios abundam, como, sem dúvida, Sidney Powell concordaria. Não importa o nível de Kraken que ela libere, sempre pode haver mais.

Um dos alegados por minhas fontes, e que não posso verificar, é que alguém de alto escalão no Comitê Nacional Democrata é um “ex” chavista.

Sabotando nossa eleição

Outro envolve uma viagem feita à Cidade do México em 21 de outubro de 2020 pelo embaixador Richard Grenell – um homem tremendamente admirado por minhas fontes e por mim.

O embaixador Grenell foi lá para se encontrar com Jorge Rodriquez, irmão do agora vice-presidente venezuelano Delcy Rodriquez (veja a lista de acusações acima). Jorge é um homem, podemos supor, de uma riqueza tremenda e algo como um “poder por trás do trono”, como sua irmã Delcy.

Como explica o New York Times, em meio a seus previsíveis bufos sobre o Departamento de Estado não ter sido informado da reunião, o objetivo era negociar a saída de Maduro e companhia, libertando o povo venezuelano de seu longo pesadelo nacional.

Era um objetivo louvável, com certeza, mas fadado ao fracasso por razões desconhecidas pelo embaixador Grenell. (Eu o contatei para discutir isso, mas ele hesitou.)

De acordo com minhas fontes, Rodriquez estava bem ciente naquele momento de que a liderança de seu país estava participando da sabotagem de nossa eleição por meio de seu sistema de computador.

Isso tornava qualquer negociação discutível, mas mais do que isso Rodriquez realmente desprezava os Estados Unidos a tal ponto que não gostaria de participar de um acordo.

Grenell não teria nenhuma razão para saber disso, disseram minhas fontes, mas o ódio de Jorge teria sido motivado por mais do que o antiamericanismo usual. Tinha vingança anexada. Embora o próprio Jorge agora pudesse ser chamado do que é conhecido como um “boligarca” (os ricos empresários venezuelanos de hoje – oligarcas da revolução de Bolívar), seu pai era um guerrilheiro comunista que foi morto muitos anos atrás.

Jorge culpa a CIA.

Enquanto digito isso, soube que Sidney Powell está prestes a lançar seu primeiro “Kraken”, sobre fraude eleitoral na Geórgia. Como escrevi outro dia, ganhe, perca ou empate, suas queixas devem ser levantadas por nós, mas mais por nossos filhos e netos.

Algo deu muito errado.

Roger L. Simon é um romancista premiado, roteirista indicado ao Oscar, cofundador da PJMedia e, agora, editor geral do Epoch Times. Seus livros mais recentes são “The GOAT” (ficção) e “I Know Best: How Moral Narcisism Is Destring Our Republic, If It Is Nready” (não ficção). Encontre-o no Parler @rogerlsimon.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
 
 

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América
Hoje, as "plataformas de entretenimento" dos EUA estão tão "desesperadas pelo mercado chinês" que agora estão dispostas a ...
Leia Mais >
 

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.
Por NTD Notícias Evidências apontam que a catástrofe das enchentes na China vem das autoridades do Partido Comunista. ...
Leia Mais >
 

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição
O Epoch Times realizou um painel de discussão em 19 de julho entre os principais especialistas na Constituição ...
Leia Mais >
 

Enchentes mortíferas na China

Enchentes mortíferas na China
Por NTD Notícias O senador Marco Rubio na terça-feira disse em tuite que o fechamento do instituto Confúcio ...
Leia Mais >