A epidemia que ninguém quer falar

Por Jennifer Margulis 

Katie Meyer tinha toda a sua vida pela frente. Uma veterana em uma das universidades mais prestigiadas do mundo – Stanford – a jovem de 22 anos também era uma estrela do futebol. Goleira e capitã de sua equipe, a excelência de Meyer dentro e fora do campo ajudou Stanford a derrotar a Carolina do Norte por 5 a 4 para vencer o campeonato nacional feminino da College Cup em 2019.

Mas em 1º de março, Meyer foi encontrada morta em uma residência no campus de Stanford. Alguns dias depois, seus pais, em uma entrevista cheia de lágrimas no “The Today Show”, disseram ao mundo que sua filha havia morrido por suicídio.

Um problema global

Em 2020, quase 46.000 pessoas morreram por suicídio nos Estados Unidos e houve cerca de 1,2 milhão de tentativas, segundo a Fundação Americana para a Prevenção do Suicídio.

Em todo o mundo, mais de 700.000 pessoas tiram a própria vida a cada ano, segundo a Organização Mundial da Saúde.

De acordo com um resumo de março dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), as mortes por suicídio aumentaram de 2000 a 2018, mas diminuíram ligeiramente em 2019. Para homens e mulheres, as taxas de suicídio foram menores em 2020 do que em 2018 e 2019. Embora pareça que as taxas de suicídio em mulheres com mais de 25 anos tenham caído durante esse período, as taxas de suicídio entre meninas e mulheres de 10 a 24 anos – como Meyer – aumentaram.

O suicídio é a segunda principal causa de morte entre crianças e adultos de 10 a 34 anos e a quinta principal causa de morte em adultos de 35 a 54 anos, explicou o resumo do CDC. É “um dos principais contribuintes para a mortalidade prematura”.

Esses números, no entanto, provavelmente serão subestimados. Estigma social, mortes atribuídas ao vício em drogas, mas que podem ser suicídios, e mortes por acidentes de carro, acidentes com armas de fogo e outros incidentes trágicos (como afogamento e envenenamento) que podem ter sido realmente intencionais, mas são contados como acidentes, todos podem levar à subnotificação, dizem os especialistas.

De fato, em um estudo de 2015, pesquisadores da Universidade de Bournemouth, no Reino Unido, descobriram que em 18 dos 20 países analisados, um grande número de suicídios foi classificado erroneamente como mortes indeterminadas.

“[Nós] estamos mascarando a perda do suicídio e falhando em prevenir essas tragédias familiares…” lamentou o Dr. Colin Pritchard, professor de pesquisa em serviço social psiquiátrico que dirigiu a pesquisa, em uma declaração.

Embora ainda não saibamos como a resposta global à COVID afetou as taxas de suicídio, os profissionais de saúde mental com quem conversei no mês passado – incluindo um orientador do ensino médio, vários médicos e dois psicólogos infantis – me dizem que eles viram que mais jovens estão mais perturbados do que nunca.

Até os meios de comunicação convencionais, incluindo uma investigação da NBC News e um relatório da NPR, estão relatando que a pandemia levou a um aumento de pensamentos suicidas, tentativas de suicídio e automutilação em jovens.

“As crianças não são elásticos”, escreveu Paul Thomas, médico (com que eu co-escrevi dois livros), um pediatra de Portland, Oregon, em sua página no Facebook em referência a mais uma jovem que morreu. Sarah Schultz, uma estrela do atletismo da Universidade de Wisconsin, tirou a própria vida em 13 de abril.

“Eles não são resilientes. Eles estão sofrendo de maneiras incalculáveis.”

Suicídios impulsivos

Alguns suicídios são resultado de uma inclinação repentina que pode não estar ligada a nada além de uma situação presente, como o rompimento de um relacionamento, por exemplo, ou uma humilhação pública ou mesmo privada.

Isso pode ser o que aconteceu com Jordan John DeMay, um jovem de 17 anos que tirou a própria vida em 25 de março, como noticiado pela Daily Press.

“Imagine: você tem 17 anos, está envergonhado”, disse o xerife do condado de Marquette, Greg Zyburt, a um jornalista. “Você está morrendo de medo, e o que você faz? E, finalmente, ele tirou a própria vida.”

De acordo com Maria A. Oquendo, MD, as tentativas impulsivas podem ser responsáveis ​​pela maioria das tentativas de suicídio. Uma pesquisa com mais de 48.000 adultos descobriu que 64% das tentativas foram impulsivas.

Infâncias difíceis e o risco de suicídio

Ao mesmo tempo, as pessoas que sofreram traumas contínuos na infância também correm maior risco de morrer por suicídio.

Agora sabemos que uma experiência adversa na infância, que os pesquisadores chamam de “ACE”, pode comprometer sua saúde como adulto de várias maneiras, inclusive colocando você em maior risco de morrer por suas próprias mãos.

Nesse primeiro estudo, os cientistas encontraram uma forte correlação entre o número de ACEs que uma criança experimenta desde o nascimento até os 18 anos e futuros problemas de saúde. Essas descobertas foram replicadas desde então.

Então, em 2017, pesquisadores no Texas e na Califórnia descobriram que os adultos que experimentaram ACEs eram mais propensos a tentar o suicídio do que aqueles que não vivenciaram uma experiencia do tipo.

Ainda outro estudo, publicado em janeiro de 2019 na Child: Care, Health, and Development, amostrou os resultados de saúde de quase 9.500 pessoas ao longo de um período de 13 anos, descobrindo também que quanto mais experiências difíceis e traumatizantes as pessoas tiveram na infância, maior a probabilidade de eles considerarem seriamente o suicídio ou fazer uma tentativa.

“Em comparação com aqueles sem ACEs”, escreveram os pesquisadores, “as chances de considerar seriamente o suicídio ou tentar o suicídio aumentaram mais de três vezes entre aqueles com três ou mais ACEs”.

Além disso, uma meta-análise da literatura existente, publicada no mesmo ano, também encontrou uma forte conexão entre suicídio e trauma e abuso na infância.

O que são ACEs?

A partir de 1994, os pesquisadores começaram a estudar os efeitos das más experiências da infância na saúde física e mental de mais de 17.000 adultos. O estudo identificou 10 Eventos Adversos na Infância ou ACEs:

  1. Abuso psicológico 
  2. Abuso físico 
  3. Abuso sexual
  4. Negligência emocional 
  5. Negligência física
  6. Testemunhar violência contra sua mãe ou outra mulher adulta
  7. Abuso de substâncias ou uso excessivo por um dos pais ou outro membro da família
  8. Doença mental, tentativa de suicídio ou suicídio morte de um pai ou membro da família
  9. Prisão de um dos pais ou outro membro da família
  10. Separação ou divórcio dos pais

Impedindo a maré

O Dr. Paul Thomas, cujo filho mais velho lutou abertamente contra o vício e o suicídio, e já foi colocado em vigilância 24 horas por dia, 7 dias por semana, argumenta que é importante falar honesta e abertamente com as pessoas – especialmente com os jovens – sobre suicídio.

Meu primo morreu por suicídio, assim como o filho único de um dos meus amigos mais próximos. Como mãe de três jovens adultos e uma criança de 12 anos, acho que falar abertamente é muito importante.

Mas, ao mesmo tempo, há tanta vergonha e constrangimento em torno desse assunto que fica difícil saber por onde começar. Torna ainda mais difícil que os meios de comunicação convencionais tendam a ignorar ou encobrir o suicídio, em parte por medo de que a publicação de detalhes sobre pessoas que morrem pelas próprias mãos possa incentivar mais suicídios, especialmente entre adolescentes e jovens adultos.

“As pessoas muitas vezes têm medo da palavra e não a trazem à tona”, disse Dan Reidenberg, diretor executivo do Suicide Awareness Voices of Education, ao Huffington Post em um artigo de 2018 intitulado “Como falar sobre suicídio de uma maneira que é realmente útil”.

Ainda assim, o silêncio é a abordagem errada, segundo Reidenberg.

“A melhor maneira de falar sobre suicídio é aberta e honestamente”, disse ele.

Por mais difícil que seja, tente adquirir o hábito de dizer a seus filhos e outros entes queridos que eles podem conversar com você sobre qualquer coisa, até mesmo seus segredos mais sombrios e vergonhosos.

Se alguém em sua vida está se sentindo suicida agora, faça o possível para não deixá-lo se auto-isolar. Organize-se para ter alguém com eles em todos os momentos enquanto eles estão em crise. Não tenha vergonha de pedir a ajuda de familiares, amigos e membros da comunidade para que seu ente querido esteja cercado por ajudantes emocional e mentalmente estáveis. Apenas estar presente com eles pode salvar sua vida.

E uma vez que você está junto com eles, cara a cara, você pode ajudá-los a entrar em um programa de tratamento ou marcar uma consulta com um terapeuta, por exemplo. Você também pode ajudá-los a ligar para uma linha direta de suicídio e/ou discar para eles e entregar o telefone.

Recursos úteis:

  1. NowMattersNow.org: Um site de prevenção de suicídio e canal no YouTube para qualquer pessoa que tenha pensamentos de automutilação, NowMattersNow também fornece recursos para pessoas cujos entes queridos estão se sentindo suicidas.
  2. National Suicide Prevention Lifeline: 1-800-273-8255, uma linha de apoio confidencial e gratuita para pessoas em perigo.
  3. Ligue para 211: Se você precisar de ajuda imediata, disque 211, um número de telefone de emergência que liga pessoas em crise a organizações locais de ajuda. Você também pode discar 911 para obter ajuda da polícia local se você ou um ente querido estiver em crise.
  4. Participe de um Death Café (https://deathcafe.com): Um Death Café é um lugar para se reunir para compartilhar comida e comunidade e conversar em um espaço seguro e confidencial com outras pessoas sobre morte, luto e perda. Não especificamente sobre suicídio, o movimento The Death Café começou na Europa para promover um espaço seguro para falar sobre todos os aspectos da morte. O site irá ajudá-lo a encontrar uma reunião de voluntários perto de você.
  5. Fada da Infância Ruim: Anna Runkle, que cresceu em uma família muito pobre com pais viciados, mas amorosos, atende pelo apelido de Fada da Infância Ruim. Seu site, www.crappychildhoodfairy.com, oferece cursos e vídeos gratuitos para pessoas que estão lidando com transtornos complexos de estresse pós-traumático que se originam do caos durante a infância.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva
David Stillwell, é um general de brigada americano reformado. De 2011 a 2013 ele foi diplomata na embaixada ...
Leia Mais >
 

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA
O presidente Jair Bolsonaro discursou a uma multidão em Santa Catarina no sábado. Ele falou em “luta do ...
Leia Mais >
 

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL
Um impasse para o Brasil? Ocorreu a cúpula do BRICS. China e Rússia falam em uma expansão do ...
Leia Mais >