A China pode derrubar a Starlink de Musk?

Por Rick Fisher 

Comentário

O exército chinês está cada vez mais destacando a ameaça à China da crescente constelação de satélites de banda larga (Wi-Fi) Starlink de Elon Musk, com um jornal militar chinês pedindo que a China tenha a capacidade de derrubá-los.

Mas o Exército de Libertação Popular da China (ELP) tem essa capacidade?

A resposta curta é que hoje, a China pode não ser capaz de abater uma quantidade suficiente deles, mas tem o potencial de danificar grandes porções dessa crescente megaconstelação.

Em 25 de maio, o South China Morning Post, o antigo principal jornal de língua inglesa de Hong Kong, revelou que um artigo de abril no jornal chinês Modern Military Technology concluiu que a China “precisa ser capaz de desativar ou destruir satélites da Starlink da SpaceX”.

Este artigo foi digno de cobertura do Post, pois uma de suas principais missões é ajudar a gerar medo entre as democracias do crescente poder militar da China na Terra e no espaço.

Naquele mesmo dia, uma tradução completa do artigo do jornal foi postada no blog do ex-funcionário do Departamento de Estado dos EUA David Cowhig.

O artigo observou que o principal autor Ren Yuanzhen é afiliado ao Instituto de Rastreamento e Telecomunicações de Pequim. O Post acrescentou que este instituto está “sob a Força de Apoio Estratégico do ELP”.

Isso é importante porque a Força de Apoio Estratégico do ELP é o principal serviço militar da China para combate no espaço sideral. Também é responsável pela operação dos programas espaciais tripulados e não tripulados da China.

Embora hoje tenha cerca de 2.400 satélites em órbita baixa da Terra, a Starlink pode eventualmente crescer para mais de 40.000 satélites, expandindo os serviços de internet de banda larga de 33 países para um possível acesso global.

A Starlink é temida pelo Partido Comunista Chinês (PCCh) porque oferece às pessoas em todo o mundo um meio de evitar a campanha insidiosa de Pequim de décadas para controlar os sistemas nacionais de Internet, dominando seus mercados em hardware de servidor de computador e sistemas de software / hardware de comunicação 5G subsidiados.

A Starlink não apenas oferece serviços que podem superar as manipulações de sistemas de internet fabricados na China, mas também permitir que países invadidos pelo regime chinês ou sua principal aliada, a Rússia, acessem uma infraestrutura de comunicações capaz de permitir a condução de operações militares – o que acontece hoje na Ucrânia, talvez aconteça amanhã em Taiwan.

Mesmo que o regime chinês invada e conquiste Taiwan, a Starlink poderia fornecer uma plataforma de internet muito mais segura para ajudar a unir comunidades de taiwaneses étnicos em todo o mundo para sustentar um governo virtual no exílio completo com uma rede global de embaixadas.

Para combater a Starlink, Ren escreveu: “Uma combinação de métodos soft e hard kill deve ser adotada para fazer com que alguns satélites Starlink percam suas funções e destruam o sistema operacional da constelação”.

Ren aparentemente observou que os mísseis anti-satélite baseados em terra (ASAT) da China poderiam ser usados, mas causariam detritos maciços, e o número de alvos significaria que o custo de atacar a Starlink seria muito alto.

Em vez disso, segundo Ren, o objetivo de atacar a Starlink “requer algumas medidas de baixo custo e alta eficiência”. O Post notou quanto à observação de Ren de que “seria possível que satélites transportando cargas militares fossem lançados em meio a um lote de naves comerciais da Starlink”.

A China vem desenvolvendo rapidamente armas de laser e micro-ondas, e é possível que a Força de Apoio Estratégico do ELP possa modificar sua nova estação espacial tripulada Tiangong ou seus componentes proeminentes, como as 6 toneladas de carga transportando o navio de suprimentos de Tianzhou – dois dos quais agora são ancorado na estação espacial Tiangong.

Futuros módulos ligados à estação espacial Tiangong, ou Tianzhou, poderiam transportar lasers elétricos ou armas de microondas capazes de disparar um número ilimitado de “rodadas” nos satélites da Starlink.

A Tianzhou também poderia ser modificada para transportar centenas a milhares de pequenos “pontas” que poderiam ser direcionados com precisão para a passagem de satélites Starlink.

Hoje, o ELP pode lançar até quatro satélites interceptores de Tianzhou em um único veículo de lançamento espacial (SLV) da Corporação de Ciência e Tecnologia Aeroespacial da China (CASC) Long March-5 (SLV). Ainda assim, eles só podem ser lançados a partir do Centro de Lançamento de Satélites Wenchang, na Ilha de Hainan, na China.

Pessoas assistem a um foguete Longa Marcha-8, a mais recente frota de veículos de lançamento da Longa Marcha da China, enquanto decola do Centro de Lançamento Espacial Wenchang, na província de Hainan, no sul da China, em 22 de dezembro de 2020 (STR/AFP via Getty Images)
Pessoas assistem a um foguete Longa Marcha-8, a mais recente frota de veículos de lançamento da Longa Marcha da China, enquanto decola do Centro de Lançamento Espacial Wenchang, na província de Hainan, no sul da China, em 22 de dezembro de 2020 (STR/AFP via Getty Images)

No final desta década, o CASC também lançará seu programa lunar Long March-9 SLV, que também pode ser adotado para lançar até 18 interceptores de satélite baseados em Tianzhou – mas estes também devem ser lançados da ilha de Hainan.

No curto prazo, no entanto, o combustível sólido CASC Kuaizhou-21 poderia lançar três interceptores baseados em Tianzhou de qualquer lugar da China.

Portanto, é possível considerar que, no final desta década, a Força de Apoio Estratégico do ELP poderia lançar ondas de 20 a 40 interceptadores de satélite baseados na plataforma de Tianzhou, ou talvez uma nova plataforma de interceptores não tripulados um pouco maior, mas mais capaz.

Essa capacidade potencial seria adicional a sistemas de laser de alta potência mais poderosos e até móveis implantados na China, ou em uma rede global, talvez contrabandeados para bases de rastreamento por satélite, controladas pelo ELP, como na província de Neuquén, na Argentina, ou em muitos navios implantados globalmente na China.

Mas mesmo com uma ameaça potencial de combate espacial do ELP, direcionada à Starlink, a corporação SpaceX de Musk sozinha tem os meios para tornar a tarefa do ELP muito difícil.

Os SLVs reutilizáveis, ​​Falcon-9, da empresa SpaceX podem lançar cargas úteis de 16,25 toneladas métricas ou cerca de 53 satélites Starlink. Mas o SLV reutilizável SpaceX Starship, que em breve realizará seu primeiro lançamento no espaço, tem uma carga útil anunciada de 100 toneladas ou o potencial de lançar mais de 300 satélites Starlink.

Quando se trata de uma corrida SLV com a China, Musk pode estar preparado para ir longe. Em uma discussão de 5 de junho no Twitter, Musk propôs “Construir mais de 1000 naves estelares para transportar vida para Marte”, o que, se realizado, permitiria mais do que o suficiente para reconstituir a Starlink ou sua sucessora.

A Starship também permite que Musk lance um grande número de satélites Starlink em órbitas mais altas, que são mais difíceis e caras para o que o ELP ataque.

Além disso, modificações relativamente baratas nos satélites Starlink, como a adição de “guarda-chuvas” muito leves e altamente reflexivos para refletir ataques a laser ou pequenos aumentos na potência de seus propulsores elétricos, podem permitir manobras de emergência aprimoradas para evitar ataques do ELP.

O fato de um pesquisador da Força de Apoio Estratégico do ELP estar escrevendo sobre a enorme tarefa de atacar a megaconstelações de satélites do tamanho da Starlink significa que a Força Espacial dos EUA agora precisa dos recursos para desenvolver sensores para rastrear e as armas para combater potenciais armas ASAT terrestres e espaciais do ELP, direcionadas a todos os satélites dos EUA.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva
David Stillwell, é um general de brigada americano reformado. De 2011 a 2013 ele foi diplomata na embaixada ...
Leia Mais >
 

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA
O presidente Jair Bolsonaro discursou a uma multidão em Santa Catarina no sábado. Ele falou em “luta do ...
Leia Mais >
 

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL
Um impasse para o Brasil? Ocorreu a cúpula do BRICS. China e Rússia falam em uma expansão do ...
Leia Mais >