A Anistia Internacional exige que Argentina “tome uma posição forte” contra os crimes na Venezuela

Por Pachi Valencia

A Anistia Internacional (AI) se pronunciou na sexta-feira (28) rejeitando à retirada da Argentina referente as acusações contra a Venezuela por crimes contra a humanidade perante o Tribunal Penal Internacional (TPI) e pediu ao governo de Alberto Fernández que “tome uma posição firme” com relação as referidas violações perpetradas pelo regime de Maduro.

“Dada a gravidade da decisão argentina de retirar a denúncia contra a Venezuela no Tribunal Penal Internacional, a Anistia Internacional insta o governo a tomar uma posição firme contra as graves violações dos direitos humanos na Venezuela”, afirmou a organização em comunicado em 28 de maio.

Em uma carta (pdf) enviada ao chanceler argentino Felipe Carlos Solá, a Anistia Internacional assinalou que a organização tem denunciado casos de tortura, desaparecimentos forçados e detenções arbitrárias na Venezuela “de forma recorrente”.

“A organização tem sustentado e demonstrado por meio de relatórios públicos que delitos e crimes de direito internacional cometidos por agentes do Estado na Venezuela podem constituir crimes contra a humanidade da competência do Tribunal Penal Internacional”, diz a carta enviada pelo diretor da AI na Argentina , Mariela Belksi.

Ele também destacou que a decisão do então governo de Mauricio Macri como membro do Conselho de Direitos Humanos da ONU “deu um passo firme e correto” na condenação dessas violações.

Em setembro de 2018, os governos do Canadá, Colômbia, Chile, Paraguai, Peru e Argentina – então presididos por Macri – solicitaram ao Ministério Público do TPI, com sede em Haia, que investigasse os crimes contra a humanidade cometidos no país.

O pedido foi acompanhado por dois relatórios preparados por especialistas internacionais que documentam procedimentos extrajudiciais, tortura e detenções arbitrárias no contexto dos protestos antigovernamentais.

“Considerando que a investigação do Ministério Público continuará naturalmente mesmo com a retirada do encaminhamento da Argentina, é decepcionante que seu governo tenha decidido tomar tal decisão”, acrescenta.

Belski disse que a Argentina é um país com uma grande trajetória e história em sua política externa de direitos humanos e, portanto, “seria surpreendente” se o país agora voltasse “as costas às vítimas venezuelanas que não têm justiça em seu país ou (…) perante organismos internacionais ”.

A AI também solicitou ao Chanceler a adoção de medidas de segurança para venezuelanos e estrangeiros na Venezuela que prestassem informações ao governo argentino sobre as referidas violações, para que não sejam vítimas de perseguições na Argentina.

Por sua vez, o presidente interino Juan Guaidó também se somou à condenação da decisão de retirada da Argentina.

“O governo do presidente Alberto Fernández considera que há justiça na Venezuela, que as vítimas estão protegidas e é garantido que as atrocidades não voltarão a ocorrer?” Escreveu Guaidó no Twitter na quinta-feira.

Embora a decisão do Executivo argentino de se desvincular desse pedido judicial remonte a março passado, quando deixou o Grupo Lima – que não reconhece Nicolás Maduro e busca soluções para a crise que atravessa a Venezuela – o fato foi anunciado na terça-feira.

“O Governo da República Argentina retira-se do referido encaminhamento, bem como de qualquer apresentação feita nesse âmbito, incluindo a Nota OI 48/2019 de 30 de setembro de 2019 vinculada a um relatório elaborado pelo Ministério da Justiça e Direitos Humanos da Argentina,” diz a carta de acordo com o Russia Today, o meio que primeiro relatou a notícia.

Com informações da EFE.

Siga Pachi no Twitter: @pachivalencia

 

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também

 
 
 

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América
Hoje, as "plataformas de entretenimento" dos EUA estão tão "desesperadas pelo mercado chinês" que agora estão dispostas a ...
Leia Mais >
 

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.
Por NTD Notícias Evidências apontam que a catástrofe das enchentes na China vem das autoridades do Partido Comunista. ...
Leia Mais >
 

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição
O Epoch Times realizou um painel de discussão em 19 de julho entre os principais especialistas na Constituição ...
Leia Mais >
 

Enchentes mortíferas na China

Enchentes mortíferas na China
Por NTD Notícias O senador Marco Rubio na terça-feira disse em tuite que o fechamento do instituto Confúcio ...
Leia Mais >