2.000 pessoas marcham em Nova Iorque para expor perseguição da China aos adeptos do Falun Gong

Por Eva Fu 

NOVA IORQUE — Para os nova-iorquinos que caminhavam pelas ruas da maior Chinatown da cidade em 23 de abril, sua presença era difícil de ignorar.

Com dançarinos de leão e uma banda em trajes azul-celeste liderando o caminho, o desfile de 2.000 pessoas marchou pelo bairro de Flushing, no Queens. Em um carro alegórico ricamente decorado com borlas douradas, nuvens azuis douradas e grandes flores de lótus, homens e mulheres vestidos em trajes tradicionais sorriam e acenavam sob um telhado de telhas douradas que representava um palácio celestial. De vez em quando, mulheres vestidas como fadas chinesas tradicionais passavam, oferecendo uma flor de lótus de origami de uma pequena cesta a quem passava.

Praticantes de Falun Gong participam de um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 25 de abril em Pequim, no bairro de Flushing, em Nova Iorque, em 23 de abril de 2022 (Larry Dye/Epoch Times)
Praticantes de Falun Gong participam de um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 25 de abril em Pequim, no bairro de Flushing, em Nova Iorque, em 23 de abril de 2022 (Larry Dye/Epoch Times)

Mas as cores alegres e o clima de comemoração contou apenas parte da história. A tradição anual, que remonta a mais de uma década, comemora a maior resistência pacífica da história recente da China em busca de liberdade religiosa.

Cerca de 23 anos atrás, em 25 de abril de 1999, 10.000 adeptos do Falun Gong, uma prática de meditação centrada nos princípios de verdade, compaixão e tolerância, se reuniram no Escritório de Apelações perto da sede comunista chinesa em Pequim para apelar pelo direito de exercer suas crenças sem repressão política.

Os adeptos se separaram silenciosamente naquela noite depois de receberem garantias de um alto funcionário chinês de que seus pedidos haviam sido ouvidos. Mas o incidente provou ser o prelúdio de uma perseguição de décadas visando sua fé.

Três meses após o evento, o então líder do partido Jiang Zemin iniciou uma campanha nacional com o objetivo de erradicar o grupo. Desde então, milhões foram submetidos a detenção em várias instalações, onde enfrentam tortura, trabalho forçado e extração de órgãos, segundo estimativas do Centro de Informações do Falun Dafa.

Ainda alvo do regime comunista na China, as atividades do grupo – como o evento de 23 de abril em Flushing – serviram para conscientizar a diáspora chinesa sobre os abusos de Pequim.

Espectadores se juntam aos praticantes do Falun Gong em um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 10.000 praticantes do Falun Gong em Pequim em 25 de abril, em Flushing, NY, no dia 23 de abril de 2022 (Chung I Ho/Epoch Times)
Espectadores se juntam aos praticantes do Falun Gong em um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 10.000 praticantes do Falun Gong em Pequim em 25 de abril, em Flushing, NY, no dia 23 de abril de 2022 (Chung I Ho/Epoch Times)

O expatriado chinês que estava testemunhando o desfile pela primeira vez, disse que os elementos tradicionais da cultura chinesa apresentados pelos adeptos eram muito “comoventes”.

“Não há como ver isso na China”, disse ela à NTD em chinês, um meio de comunicação irmão do Epoch Times. “Ninguém na China se atreve a expressar seus pensamentos”.

Espectadores se juntam aos praticantes do Falun Gong em um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 10.000 praticantes do Falun Gong em Pequim em 25 de abril, em Flushing, NY, no dia 23 de abril de 2022 (Larry Dye/ Epoch Times)
Espectadores se juntam aos praticantes do Falun Gong em um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 10.000 praticantes do Falun Gong em Pequim em 25 de abril, em Flushing, NY, no dia 23 de abril de 2022 (Larry Dye/ Epoch Times)

Outra imigrante chinesa assistindo ao desfile, que se identificou como Susan, disse que a perseguição é um dos muitos abusos flagrantes que demonstram que o regime é o “inimigo da China”.

“Para algumas pessoas da sociedade estarem dispostas a se levantar e lutar pela liberdade de serem boas, que coisa admirável é essa? Mas tal tentativa foi suprimida”, disse ela à NTD.

 Espectadores se juntam aos praticantes do Falun Gong em um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 10.000 praticantes do Falun Gong em Pequim em 25 de abril, em Flushing, NY, no dia 23 de abril de 2022 (Larry Dye/ Epoch Times)

Espectadores se juntam aos praticantes do Falun Gong em um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 10.000 praticantes do Falun Gong em Pequim em 25 de abril, em Flushing, NY, no dia 23 de abril de 2022 (Larry Dye/ Epoch Times)

A ​​perseguição, ela disse, suprimiu as aspirações das pessoas de serem boas, e toda a China está sofrendo as consequências.

“Olhe para a Xangai de hoje, até a liberdade de comer está quase acabando”, disse ela, fazendo referência ao lockdown draconiano do regime no centro financeiro que deixou muitos na cidade lutando para conseguir alimentos, suprimentos e assistência médica.

“A liberdade é algo que se você não defender desde o início, vai desmoronar em ritmo acelerado. No final, você não só não terá o direito de comer, como também não terá o direito de respirar.”

Praticantes de Falun Gong participam de um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 25 de abril em Pequim, no bairro de Flushing, em Nova Iorque, em 23 de abril de 2022 (Zhang Xuehui/Epoch Times)
Praticantes de Falun Gong participam de um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 25 de abril em Pequim, no bairro de Flushing, em Nova Iorque, em 23 de abril de 2022 (Zhang Xuehui/Epoch Times)
Espectadores se juntam aos praticantes do Falun Gong em um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 10.000 praticantes do Falun Gong em Pequim em 25 de abril, em Flushing, NY, no dia 23 de abril de 2022 (Chung I Ho/Epoch Times)
Espectadores se juntam aos praticantes do Falun Gong em um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 10.000 praticantes do Falun Gong em Pequim em 25 de abril, em Flushing, NY, no dia 23 de abril de 2022 (Chung I Ho/Epoch Times)
Praticantes de Falun Gong participam de um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 10.000 praticantes do Falun Gong em Pequim em 25 de abril, em Flushing, NY, no dia 23 de abril de 2022 (Zhang Jingyi/Epoch Times)
Praticantes de Falun Gong participam de um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 10.000 praticantes do Falun Gong em Pequim em 25 de abril, em Flushing, NY, no dia 23 de abril de 2022 (Zhang Jingyi/Epoch Times)
Espectadores se juntam aos praticantes do Falun Gong em um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 10.000 praticantes do Falun Gong em Pequim em 25 de abril, em Flushing, NY, no dia 23 de abril de 2022 (Larry Dye/ Epoch Times)
Espectadores se juntam aos praticantes do Falun Gong em um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 10.000 praticantes do Falun Gong em Pequim em 25 de abril, em Flushing, NY, no dia 23 de abril de 2022 (Larry Dye/ Epoch Times)
Praticantes de Falun Gong participam de um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 25 de abril em Pequim, no bairro de Flushing, em Nova Iorque, em 23 de abril de 2022 (Zhang Xuehui/Epoch Times)
Praticantes de Falun Gong participam de um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 25 de abril em Pequim, no bairro de Flushing, em Nova Iorque, em 23 de abril de 2022 (Zhang Xuehui/Epoch Times)
Praticantes de Falun Gong participam de um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 25 de abril em Pequim, no bairro de Flushing, em Nova Iorque, em 23 de abril de 2022 (Zhang Xuehui/Epoch Times)
Praticantes de Falun Gong participam de um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 25 de abril em Pequim, no bairro de Flushing, em Nova Iorque, em 23 de abril de 2022 (Zhang Xuehui/Epoch Times)
Espectadores se juntam aos praticantes do Falun Gong em um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 10.000 praticantes do Falun Gong em Pequim em 25 de abril, em Flushing, NY, no dia 23 de abril de 2022 (Chung I Ho/Epoch Times)
Espectadores se juntam aos praticantes do Falun Gong em um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 10.000 praticantes do Falun Gong em Pequim em 25 de abril, em Flushing, NY, no dia 23 de abril de 2022 (Chung I Ho/Epoch Times)

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA
O presidente Jair Bolsonaro discursou a uma multidão em Santa Catarina no sábado. Ele falou em “luta do ...
Leia Mais >
 

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL
Um impasse para o Brasil? Ocorreu a cúpula do BRICS. China e Rússia falam em uma expansão do ...
Leia Mais >
 

ABORTO DEIXA DE SER DIREITO CONSTITUCIONAL NOS EUA; VEXAME DE BIDEN

ABORTO DEIXA DE SER DIREITO CONSTITUCIONAL NOS EUA; VEXAME DE BIDEN
O aborto agora não é mais um direito protegido pela constituição nos EUA. Isso depois que a Suprema ...
Leia Mais >